Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Um denunciante afirma que o Boeing 787 Dreamliner está com defeito.  A FAA está investigando

Um denunciante afirma que o Boeing 787 Dreamliner está com defeito. A FAA está investigando

Juliette Michel/AFP/Getty Images

Aeronave Boeing 787 Dreamliner na fábrica de montagem da companhia aérea em North Charleston, Carolina do Sul.



CNN

Autoridades federais dizem que estão investigando o assunto Boeing Depois que um denunciante levantou repetidamente preocupações sobre dois jatos de fuselagem larga, ele alegou que a empresa retaliou contra ele.

O denunciante Sam Salehpour, engenheiro da Boeing, afirma que a Boeing tomou atalhos ao fabricar os seus 777 e 787 Dreamliners e que os riscos podem tornar-se catastróficos à medida que os aviões envelhecem. Tempos de Nova York Ele foi o primeiro a denunciar a denúncia do denunciante.

Sua queixa formal à FAA, apresentada em janeiro e tornada pública na terça-feira, não está relacionada ao avião 737 MAX mais recente, que foi aterrado duas vezes pela FAA.

Salehpour disse na terça-feira que sua reclamação levanta “duas questões de qualidade que podem reduzir significativamente a vida útil da aeronave”.

“Estou fazendo isso não porque quero que a Boeing falhe, mas porque quero que ela tenha sucesso e evite acidentes”, disse Salehpour a repórteres em teleconferência na terça-feira. “A realidade é que a Boeing não pode continuar assim. Acho que precisa fazer um pouco melhor.”

Sua advogada, Lisa Banks, disse que a FAA entrevistou Salehpour como parte de sua investigação. A FAA disse que está investigando todas as denúncias de denunciantes.

“Relatórios voluntários sem medo de retaliação são um componente crítico da segurança da aviação”, afirmou a FAA. “Encorajamos fortemente todos na indústria da aviação a compartilhar informações.”

Um subcomitê do Senado abordará essas preocupações em uma audiência na próxima semana.

A Boeing não comentou imediatamente as alegações relativas ao 777, mas questionou as preocupações de Salehpour sobre o 787.

“Essas afirmações sobre a integridade estrutural do 787 são imprecisas e não representam o trabalho abrangente que a Boeing fez para garantir a qualidade e a segurança da aeronave a longo prazo”, afirmou a empresa em comunicado.

A empresa afirma que os aviões Boeing 787 Dreamliner, que entraram em serviço em 2011, podem ter uma vida útil de até 50 anos, ou cerca de 44 mil voos cada.

Mas a reclamação de Salehpour alega que as tripulações não conseguiram preencher adequadamente pequenas lacunas ao anexar peças da fuselagem fabricadas separadamente. Os advogados de Salehpour alegaram que isso aumenta o desgaste do avião, encurta sua vida útil e corre o risco de uma falha “catastrófica”.

Essas afirmações não são exatamente novas: por quase dois anos, começando em 2021, a FAA e a Boeing Entregas de novas aeronaves Dreamliner foram interrompidas Enquanto ele olhava para as brechas. A Boeing disse que fez alterações no processo de fabricação e que as entregas foram retomadas.

“Integramos atividades conjuntas de inspeção e verificação em nosso sistema de produção para que as aeronaves que saem da linha de produção atendam a essas especificações”, disse a Boeing.

Os 787 Dreamliners não foram aterrados, mas a FAA investigou duas vezes questões sobre controle de qualidade durante o processo de montagem do avião. A empresa confirmou que as aeronaves eram e permanecem seguras para voar.

Os advogados de Salehpour disseram que a FAA ficou surpresa ao descobrir, através de sua denúncia, que as lacunas ainda eram um problema.

“Eu literalmente vi pessoas pulando em pedaços do avião para colocá-los na fila”, disse Salehpour. “Ao pular para cima e para baixo, você distorce as peças para que os buracos se alinhem temporariamente… e não é assim que você faz um avião.”

Salehpour disse que a Boeing retaliou contra ele depois que ele levantou outras preocupações sobre o 787 e um modelo diferente de avião.

A denúncia do denunciante dizia que ele indicou à administração que havia problemas com buracos no 787, que foram então “ignorados e eventualmente transferidos do programa 787 para o programa 777”.

Em seu novo cargo, Saleh Pour disse que descobriu trabalhos abaixo do padrão em relação ao alinhamento de partes do corpo e pressionou os engenheiros a darem luz verde a trabalhos que ainda não haviam examinado.

No total, os problemas envolvem mais de 400 777 e 1.000 787, disse Salehpour.

Boeing (Bacharelado) As ações caíram 2% na terça-feira.

Esta é uma história em desenvolvimento. Será atualizado