Julho 12, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Sentir-se triste pode levar ao declínio cognitivo em idosos

Sentir-se triste pode levar ao declínio cognitivo em idosos

LONDRES – À medida que envelhecemos, não é incomum às vezes sentirmos esquecimento ou sentimentos de tristeza. No entanto, para muitos idosos, estes problemas aparentemente menores podem evoluir para um ciclo devastador de depressão e declínio cognitivo.

Resultados resumidos

Nova pesquisa publicada em A Rede JAMA está aberta Revela uma relação surpreendente entre sintomas depressivos e perda de memória, mostrando que estas duas condições podem alimentar-se uma à outra ao longo do tempo. As descobertas sugerem que identificar e tratar a depressão precocemente pode ser fundamental para proteger a saúde do cérebro e preservar a memória na velhice.

Dorina Kadar, do Departamento de Ciências Comportamentais e Saúde da University College London, Brighton e Sussex, disse: “Nosso estudo mostra que a relação entre depressão e comprometimento da memória ocorre em ambos os sentidos, com sintomas depressivos precedendo o declínio da memória e o declínio da memória sendo associado com sintomas depressivos subsequentes.” Faculdade de Medicina em comunicado à imprensa.

metodologia

Para descobrir a complexa relação entre humor e memória, investigadores da University College London e da Brighton and Sussex Medical School analisaram dados de mais de 8.000 participantes com mais de 50 anos do Estudo Longitudinal Inglês do Envelhecimento. Os participantes foram acompanhados por até 16 anos e foram submetidos a avaliações regulares de memória, fluência verbal e sintomas depressivos.

Usando técnicas sofisticadas de modelagem estatística, os pesquisadores examinaram se os sintomas depressivos e o desempenho cognitivo influenciam-se mutuamente ao longo do tempo. Eles analisaram associações transversais diretas e efeitos recíprocos de longo prazo, controlando uma série de fatores demográficos, de saúde e de estilo de vida.

resultados

As descobertas mostram um quadro surpreendente de como os sintomas depressivos e o declínio da memória estão interligados. Em qualquer momento, os indivíduos com sintomas depressivos tiveram pior desempenho nos testes de memória e fluência verbal. No entanto, o relacionamento não terminou aí.

Ao longo do estudo, as pessoas que começaram com mais sintomas depressivos experimentaram uma taxa mais rápida de perda de memória em comparação com aquelas com menos sintomas. Em contraste, uma função de memória inicial mais fraca previu um aumento maior nos sintomas depressivos ao longo do tempo. Isto sugere um ciclo vicioso em que a depressão acelera o declínio da memória, o que piora os sintomas de humor.

Curiosamente, a correlação foi mais forte para a memória, enquanto a relação com a fluência verbal foi menos clara. Os pesquisadores suspeitam que isso pode ser devido a diferentes regiões cerebrais e processos cognitivos associados a essas duas habilidades, bem como ao fato de que a fluência verbal tende a diminuir mais lentamente com a idade.

Em vez de ser uma via de mão única, as descobertas sugerem que os sintomas de depressão e perda de memória podem reforçar-se mutuamente ao longo do tempo. (© Monkey Business – Stock.adobe.com)

Refeições prontas

Em vez de ser uma via de mão única, as descobertas sugerem que os sintomas depressivos e a perda de memória podem reforçar-se mutuamente ao longo do tempo, levando a um declínio mais rápido tanto na saúde mental como no desempenho cognitivo.

As implicações para a prática clínica são profundas. Para indivíduos com sintomas depressivos, avaliações regulares da memória podem ser necessárias para detectar sinais precoces de declínio cognitivo. Por outro lado, os idosos com problemas de memória devem ser examinados para detecção de depressão, porque o tratamento dos sintomas de humor pode ajudar a retardar ainda mais o declínio cognitivo.

As descobertas também destacam a importância de uma abordagem integrada à saúde mental e aos cuidados cognitivos em idosos. Em vez de tratar estas questões separadamente, os médicos devem considerar a complexa interação entre humor e memória e desenvolver intervenções abrangentes visando ambos os domínios.

Naturalmente, é necessária mais investigação para compreender plenamente os mecanismos por detrás desta inter-relação e identificar as estratégias mais eficazes para quebrar este ciclo. Mas uma coisa é certa: ao reconhecer a ligação entre a depressão e a perda de memória, podemos tomar medidas importantes para proteger a saúde do cérebro e promover o bem-estar psicológico na velhice.

O editor-chefe do StudyFinds, Steve Fink, contribuiu para este relatório.