setembro 25, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Seis países da UE alertam contra a abertura das portas aos requerentes de asilo afegãos

Seis países da UE alertam contra a abertura das portas aos requerentes de asilo afegãos

BRUXELAS (Reuters) – Seis países membros da União Europeia enviaram uma carta ao executivo do bloco alertando contra a suspensão das deportações de refugiados afegãos rejeitados, apesar do progresso significativo feito pelos militantes do Taleban em seu país.

O Taleban, que está lutando para impor novamente a estrita lei islâmica depois de ter sido derrubado em 2001, obteve grandes ganhos em sua campanha para derrotar o governo com a retirada das forças estrangeiras lideradas pelos EUA.[nL1N2PH0LT]

“Interromper as devoluções envia um sinal errado e provavelmente motivará mais cidadãos afegãos a deixar suas casas para a União Europeia”, disseram Áustria, Dinamarca, Bélgica, Holanda, Grécia e Alemanha em uma carta datada de 5 de agosto, lida pela Reuters.

“É por isso que instamos você e suas equipes do ACNUR a intensificar as negociações com o governo afegão sobre como o retorno ao Afeganistão pode continuar nos próximos meses.”

Muitos Estados-Membros da UE estão preocupados que os acontecimentos no Afeganistão possam desencadear um ressurgimento da crise migratória de 2015/16 na Europa, quando a chegada caótica de mais de um milhão de pessoas do Oriente Médio prejudicou os sistemas de segurança e bem-estar e aumentou o apoio político a grupos de extrema direita.

A Comissão Europeia disse que recebeu a carta dos seis países e que responderá quando estiver pronta.

Questionado sobre se a Comissão Europeia considera o Afeganistão um país seguro para o qual os requerentes de asilo podem ser devolvidos, um porta-voz da Comissão Europeia disse que cabia aos Estados-Membros tomarem esta decisão.

“Ao nível da UE, não existe uma lista de países considerados seguros em termos de pedidos de asilo ou regresso. Cabe a cada Estado-Membro avaliar … o país de origem e a situação da pessoa em causa”, afirmou. disse.

READ  O bispo deixa a igreja depois de se apaixonar pelo escriba satânico

A questão deve ser levantada em uma reunião de crise dos ministros de assuntos internos da UE em 18 de agosto, que foi principalmente organizada para discutir o aumento das travessias ilegais da fronteira da Bielo-Rússia para a Lituânia, membro da UE. Leia mais A Polônia e a Letônia também viram um fluxo crescente de imigrantes da Bielo-Rússia.

Desde 2015, cerca de 570.000 afegãos buscaram asilo na União Europeia, de acordo com a carta dos seis países da UE, 44.000 somente em 2020, tornando o Afeganistão o segundo país de origem mais importante no ano passado.

“Estamos plenamente cientes da situação delicada no Afeganistão à luz da retirada esperada das forças internacionais”, disseram os dois países, acrescentando que cerca de 4,6 milhões de afegãos já foram deslocados, muitos deles na região.

Ela exortou os seis países a considerarem fornecer melhor apoio aos refugiados por meio de maior cooperação com o Afeganistão, Paquistão e Irã.

O Ministro de Estado belga para Asilo e Migração, Sami Mahdi, defendeu a iniciativa contra as críticas.

Ele disse em um tweet no Twitter: “Só porque as regiões de um país não são seguras, não significa que todo cidadão desse país tem automaticamente direito à proteção”.

Uma porta-voz do Ministério de Segurança e Justiça holandês disse que se os indivíduos tivessem direito ao asilo, eles poderiam obtê-lo, mas não deveria haver uma classificação geral para um único país.

“A situação é extremamente preocupante e está sempre sob revisão”, disse a porta-voz Charlotte Hayes.

Reportagem adicional de Toby Sterling em Amsterdã. Edição de Nick McPhee

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.