Junho 14, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Portugal quer apoio máximo da UE para reconhecer a Palestina – Uractive

Portugal quer apoio máximo da UE para reconhecer a Palestina – Uractive

O governo português continua empenhado em reconhecer a Palestina como um Estado, mas procura o consenso mais amplo possível entre os membros da UE, segundo fontes do Ministério dos Negócios Estrangeiros português.

Uma fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal disse: “É uma questão neste momento disse o parceiro da Uractiv Lusa Na quarta-feira, Lisboa indicou que a União Europeia tem uma posição de mediação sobre a questão, portanto, os dois países, Israel e Palestina, estão “em consulta com os vários estados para chegar a um maior consenso e levar um maior número de países a uma solução”. “.

Uma fonte do ministério insistiu que a posição do governo já tinha sido expressa pelo chefe diplomático português Paulo Rangel em diversas ocasiões e que estava a seguir o exemplo da administração anterior.

Em entrevista a um jornal espanhol El Tortas No dia 12 de maio, Rangel afirmou que o governo português não se juntaria agora à Espanha no reconhecimento da soberania do Estado palestiniano, explicando que aguardava “o momento mais oportuno para dar esse passo”.

Embora reconhecesse que a situação de Portugal era semelhante à de Espanha, sublinhou que não era “a mesma” porque “há uma diferença horária”.

No final de 2023, o ex-chanceler João Gómez Gravinho disse Lusa O reconhecimento da Palestina como Estado por parte de Portugal “é algo que precisa de acontecer”, mas “num momento com consequências para a paz” em coordenação com “alguns parceiros próximos”.

Na mesma ocasião, o antigo ministro afirmou que “não haverá reconhecimento conjunto” por parte da UE, uma vez que “países diferentes têm posições diferentes”.

Espanha, Irlanda e Noruega anunciaram a sua decisão de reconhecer a independência da Palestina a partir de 28 de maio.

Entretanto, a Eslovénia anunciou que se juntaria ao reconhecimento de um Estado palestiniano “nos próximos dias”, segundo o primeiro-ministro Robert Kolob, que disse que se reuniria com os seus homólogos dos países do bloco que ainda não reconheceram a Palestina.

Em Março, a Eslovénia anunciou a sua disponibilidade para reconhecer a Palestina numa declaração conjunta com Espanha, Malta e Irlanda no Conselho Europeu reunido em Bruxelas.

O esforço conjunto de Espanha, Irlanda e Noruega foi saudado pelos líderes palestinianos e criticado pelo governo israelita, que chamou de volta os seus embaixadores nos três países.

O reconhecimento surge num momento em que os líderes e responsáveis ​​europeus apoiam cada vez mais uma solução de dois Estados no Médio Oriente, na sequência do ataque do Hamas em Outubro a Israel e da retaliação de Israel contra Gaza.

Embora o governo de Netanyahu seja hostil à ideia, alguns vêem o reconhecimento como uma ferramenta política para pressionar Israel a aceitar uma solução de dois Estados.

“O reconhecimento é um passo concreto em direção a um caminho político viável que conduz à autodeterminação palestina”, disse Hugh Lovatt, pesquisador sênior de política do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR), ao Euractiv.

Lovatt disse que a medida seria um pré-requisito para garantir o envolvimento árabe em favor de um cessar-fogo sustentável em Gaza.

“Como parte do seu plano de ‘Visão Árabe’ para implementar uma solução de dois Estados, países como a Arábia Saudita apelaram ao reconhecimento da Palestina pelos EUA e pela Europa”, acrescentou.

Leia mais: Israel retira embaixadores enquanto Irlanda, Noruega e Espanha reconhecem o Estado palestino

(Patrícia Cunha – Editado por: Pedro Sousa Carvalho | Lusa.pt)

Leia mais com Euractiv

Subscreva agora a nossa newsletter Eleições da UE Decodificadas