Junho 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os russos apertam os parafusos em Bakhmut ucraniano e Putin adverte sobre espionagem ocidental

Os russos apertam os parafusos em Bakhmut ucraniano e Putin adverte sobre espionagem ocidental

  • O degelo precoce transforma os campos de batalha do leste em lama
  • As forças russas estão avançando ao norte e ao sul de Bakhmut
  • O Kremlin: Kiev deve aceitar a perda de territórios anexados pela Rússia
  • Estados Unidos: a linha de frente é “terrivelmente difícil” e grandes ganhos russos são improváveis
  • Procurador do Tribunal Penal Internacional visita cidade onde civis foram mortos por mísseis

KIEV (Reuters) – As forças russas realizaram nesta terça-feira sua campanha de uma semana para cercar e capturar a cidade oriental de Bakhmut, com o comandante das forças terrestres da Ucrânia descrevendo a situação como “extremamente tensa”.

Se tomarmos Bakhmut, palco de algumas das batalhas mais sangrentas da guerra, seria o primeiro grande prêmio da Rússia em mais de seis meses e abriria caminho para a captura dos últimos centros urbanos remanescentes na região de Donetsk, um dos quatro que Moscou reivindica como seu território. “Operação militar especial” na Ucrânia.

O presidente russo, Vladimir Putin, instruiu o Serviço Federal de Segurança (FSB) na terça-feira a aumentar a segurança nas quatro regiões – que suas forças atualmente controlam parcialmente – e também para conter o que ele descreveu como as crescentes operações de espionagem e sabotagem contra a Rússia pela Ucrânia e o Oeste.

Ele falou depois que um governador regional russo disse que um drone caiu perto de uma estação de distribuição de gás natural na terça-feira, em um ataque aparentemente fracassado perto da cidade de Kolomna, a apenas 110 quilômetros a sudeste de Moscou.

Ultimas atualizações

Ver mais 2 histórias

A Ucrânia não reivindica publicamente a responsabilidade pelos ataques dentro da Rússia. Se estivesse por trás do incidente de Kolomna, seria a tentativa de ataque de drone mais próximo na capital russa desde que a Rússia invadiu a Ucrânia há pouco mais de um ano.

Mais cedo, o Ministério da Defesa da Rússia acusou a Ucrânia de lançar duas tentativas de ataques com drones em duas regiões no sul da Rússia durante a noite, mas disse que não causaram danos.

A cidade está pegando fogo

Ao redor de Bakhmut, as forças russas, incluindo combatentes mercenários do Grupo Wagner, estão tentando cortar as linhas de abastecimento dos defensores ucranianos e forçá-los a se render ou se retirar.

“Apesar das pesadas perdas, o inimigo lançou as unidades de assalto mais preparadas de Wagner, que estão tentando romper as defesas de nossas tropas e cercar a cidade”, disse o coronel general ucraniano Oleksandr Sersky em um comunicado.

Um soldado não identificado da 93ª Brigada Mecanizada Separada da Ucrânia, falando pelo aplicativo de mensagens Telegram enquanto as explosões soavam ao fundo, soltou uma nota desafiadora: “28 de fevereiro, cidade de Bakhmut. A cidade está em chamas, o inimigo está pressionando. Tudo será a Ucrânia…”

A agência de notícias estatal russa RIA publicou um vídeo que dizia mostrar caças russos Su-25 sobrevoando Bakhmut. “Estamos felizes por eles serem nossos”, disse um homem no clipe identificado como um lutador de Wagner, acrescentando que os aviões os ajudaram “psicologicamente”.

Os militares da Ucrânia disseram que a Rússia estava bombardeando assentamentos em torno de Bakhmut, que tinha uma população pré-guerra de cerca de 70.000, mas agora está em ruínas após meses de intensa guerra de trincheiras.

“No último dia, nossos soldados repeliram mais de 60 ataques inimigos”, disseram os militares na terça-feira, incluindo as aldeias de Yedni e Berkhivka, ao norte de Bakhmut.

Um repórter da Reuters que visitou a área na segunda-feira disse não ter visto nenhum sinal de retirada das forças ucranianas e que reforços estavam chegando, apesar do constante bombardeio russo.

O subsecretário de Estado para Política de Defesa dos EUA, Colin Kahl, disse na terça-feira que a linha de frente no leste da Ucrânia parece uma “fissura opressiva” e que é improvável que a Rússia consiga ganhos significativos no terreno no curto prazo.

Soldados ucranianos na região de Donetsk cavaram trincheiras lamacentas depois que o tempo quente derreteu o solo congelado.

disse Mykola, 59, comandante de uma bateria de lançadores de mísseis da linha de frente ucraniana, enquanto examinava a tela do tablet em busca de coordenadas de tiro.

O degelo da primavera tem um histórico de destruir os planos dos exércitos de atacar a Ucrânia e o oeste da Rússia, transformando estradas em rios e campos em pântanos.

A Rússia, cujas forças foram reabastecidas com centenas de milhares de recrutas, intensificou seus ataques ao longo da frente oriental, mas seus ataques tiveram um alto custo, diz a Ucrânia, que deve lançar em breve sua própria contra-ofensiva.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, reiterou a posição de Moscou de que está aberta a negociações de paz, mas que Kiev e seus aliados ocidentais devem aceitar a anexação pela Rússia de quatro regiões ucranianas – Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporizhia – após referendos em setembro passado que Kiev e o Ocidente disseram ser uma farsa ilegal.

“A Constituição da Federação Russa existe e não pode ser ignorada. A Rússia não será capaz de transigir neste assunto, estes são fatos importantes”, disse Peskov a repórteres.

Apesar do fracasso em capturar Kiev no início da guerra e apesar dos numerosos contratempos no campo de batalha, a Rússia ainda controlava cerca de um quinto do território ucraniano. Até agora, Kiev descartou negociações com Moscou e exigiu a retirada das forças russas para as fronteiras da Ucrânia em 1991 – o ano em que a União Soviética entrou em colapso.

As visitas mais altas do Procurador do Tribunal Penal Internacional

Moscou também lançou uma campanha de ataques com mísseis e drones contra a energia ucraniana e outras infraestruturas longe das linhas de frente, matando centenas de civis e deixando milhões sem eletricidade ou água.

Esses ataques – que a Rússia diz serem ataques legítimos com o objetivo de enfraquecer os militares do inimigo, mas que a Ucrânia considera crimes de guerra contra civis – foram objeto de uma visita à Ucrânia na terça-feira pelo procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional, Karim Khan.

“No geral, vemos claramente um padrão, eu acho, em termos de número, escala e amplitude de ataques contra as redes elétricas da Ucrânia e precisamos ver por que isso está acontecendo; eles são alvos legítimos ou não?” Khan disse a repórteres na cidade satélite de Vyshhorod, em Kiev, onde oito civis foram mortos quando um míssil caiu perto de um prédio de apartamentos no final de novembro.

Ainda não está claro se o míssil foi direcionado a uma instalação elétrica próxima e errou o alvo.

Reportagem adicional de Mike Collett-White em Vyshhorod, Ucrânia, e Patricia Zengerli e Idris Ali em Washington. Escrito por Robert Purcell, Gareth Jones e Mark Heinrichs; Edição por Stephen Coates, Nick McPhee e William Maclean

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.