Julho 16, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os registros climáticos estão vacilando, deixando a Terra em território desconhecido – cientistas

Os registros climáticos estão vacilando, deixando a Terra em território desconhecido – cientistas

  • Escrito por Georgina Ranard, Erwan Rivault e Jana Tuchinsky
  • Repórter climático da BBC e equipe de dados

Uma série de registros climáticos sobre temperatura, temperatura do oceano e gelo marinho na Antártida alarmou alguns cientistas, que dizem que sua velocidade e tempo são sem precedentes.

As Nações Unidas dizem que ondas de calor perigosas na Europa podem quebrar mais recordes.

É difícil vincular imediatamente esses eventos às mudanças climáticas porque o clima – e os oceanos – são muito complexos.

Estudos estão em andamento, mas os cientistas já temem que alguns dos piores cenários possam acontecer.

“Não tenho conhecimento de um período semelhante em que todas as partes do sistema climático estivessem em uma região anormal ou recorde”, diz Thomas Smith, geógrafo ambiental da London School of Economics.

Paolo Seppi, professor de Ciências Climáticas no Imperial College London, diz que “a Terra está em território desconhecido” agora por causa do aquecimento da queima de combustíveis fósseis, bem como do calor gerado pelo primeiro El Niño – um sistema de clima quente natural – desde 2018.

aqui Quatro recordes climáticos Quebrando tão longe neste verão – o dia mais quente já registrado, o junho mais quente já registrado em todo o mundo, intensas ondas de calor marinhas e recorde de gelo marinho na Antártica – e o que eles estão nos dizendo.

O mundo experimentou seu dia mais quente em julho, quebrando o recorde de temperatura global estabelecido em 2016.

A temperatura média global ultrapassou os 17°C pela primeira vez, atingindo 17,08°C em 6 de julho, segundo o Copernicus, serviço de monitoramento climático da União Europeia.

As emissões contínuas da queima de combustíveis fósseis, como petróleo, carvão e gás, estão por trás da tendência de aquecimento global no planeta.

Isso é exatamente o que seria esperado em um mundo com mais gases de efeito estufa, diz o climatologista Dr. Frederick Otto, do Imperial College London.

“Os humanos estão 100% atrás da tendência ascendente”, diz ela.

“Se alguma coisa me surpreende, é que vemos recordes quebrados em junho, portanto no início do ano. O El Niño realmente não tem um impacto global até cinco ou seis meses após o início da fase”, diz o Dr. Smith.

O El Niño é a variabilidade climática natural mais poderosa do mundo. Ele traz água mais quente para a superfície no Oceano Pacífico tropical e empurra o ar mais quente para a atmosfera. Geralmente aumenta as temperaturas globais do ar.

A temperatura média global em junho deste ano foi 1,47°C mais alta do que um junho típico no período pré-industrial. Os seres humanos começaram a bombear gases de efeito estufa para a atmosfera quando a Revolução Industrial começou por volta de 1800.

Quando questionado se o verão de 2023 foi o que ele previu uma década atrás, o Dr. Smith disse que os modelos climáticos são bons em prever tendências de longo prazo, mas menos bons em prever os próximos 10 anos.

“Os modelos dos anos 90 praticamente nos colocaram onde estamos hoje. Mas ter uma ideia de como serão os próximos 10 anos vai ser muito difícil”, diz ele.

“As coisas não vão acalmar”, acrescenta.

Ondas de calor extremo do mar

A temperatura média global dos oceanos quebrou recordes em maio, junho e julho. Está se aproximando da temperatura mais alta da superfície do mar já registrada, que foi em 2016.

Mas é o calor extremo no Atlântico Norte que preocupa os cientistas.

“Nunca vimos uma onda de calor marinha nesta parte do Atlântico. Eu não esperava”, diz Daniela Schmidt, professora de ciências da terra na Universidade de Bristol.

Atribuir essa onda de calor diretamente à mudança climática é complexo, diz o professor Schmidt, mas esse trabalho está em andamento.

O que está claro, diz ela, é que o mundo esquentou e que os oceanos absorveram a maior parte desse calor da atmosfera.

E acrescenta: “Os nossos paradigmas distinguem-se pela sua diversidade natural, e ainda há coisas que não imaginámos, ou pelo menos ainda não imaginámos”.

Ela enfatizou o impacto desse calor nos ecossistemas marinhos que produzem 50% do oxigênio do mundo.

“As pessoas tendem a pensar em árvores e grama morrendo quando falamos de ondas de calor. O Oceano Atlântico está cerca de 5°C mais quente do que o necessário – isso significa que os organismos precisam de 50% a mais de comida apenas para funcionar normalmente”, diz ela.

Recorde de baixa no gelo do mar Antártico

Os alarmes estão tocando para os cientistas enquanto eles tentam decifrar o link exato para a mudança climática.

Um mundo em aquecimento pode reduzir os níveis de gelo marinho na Antártica, mas o atual declínio significativo também pode ser devido às condições climáticas locais ou às correntes oceânicas, explica a Dra. Caroline Holmes, do British Antarctic Survey.

E ela enfatizou que não é apenas um recorde sendo quebrado – está sendo quebrado dramaticamente.

“Isso é diferente de tudo que vimos antes em julho. É 10% menor do que a queda anterior, que é um nível enorme.”

Ela chama isso de “outro sinal de que realmente não entendemos o ritmo da mudança”.

Os cientistas acham que o aquecimento global afetará o gelo do mar Antártico em algum momento, mas até 2015 ele contrariou a tendência global para outros oceanos, diz o Dr. Holmes.

“Você poderia dizer que caímos de um penhasco, mas não sabemos o que há no fundo do penhasco aqui”, diz ela.

“Acho que isso nos surpreendeu em termos da rapidez com que aconteceu. Definitivamente não é o melhor cenário que estávamos olhando – está mais próximo do pior caso”, diz ela.

Os cientistas dizem que certamente podemos esperar que mais e mais desses recordes sejam quebrados ao longo do ano e em 2024.

Mas seria errado chamar o que está acontecendo de “colapso climático” ou “aquecimento descontrolado”, adverte o Dr. Otto.

Estamos em uma nova era, mas “ainda temos tempo para garantir um futuro habitável para muitos”, explica ela.

Reportagem adicional de Mark Poynting e Becky Dale