Maio 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os legisladores dos EUA ficaram indignados depois que a Huawei revelou um laptop com um novo chip Intel AI

Os legisladores dos EUA ficaram indignados depois que a Huawei revelou um laptop com um novo chip Intel AI

WASHINGTON (Reuters) – Legisladores republicanos dos Estados Unidos criticaram nesta sexta-feira o governo Biden depois que a gigante chinesa de equipamentos de telecomunicações Huawei, sancionada, revelou um laptop equipado com um chip Intel AI esta semana.

Os Estados Unidos colocaram a Huawei na sua lista de restrições comerciais em 2019 por violar sanções ao Irão, como parte de um esforço mais amplo para restringir o progresso tecnológico de Pequim. Estar listado significa que os fornecedores da empresa precisam buscar uma licença especial e difícil de obter antes de enviar para ela.

Uma dessas licenças, emitida pela administração Trump, permitiu que a Intel enviasse processadores centrais para a Huawei para uso em laptops desde 2020. Os linha-dura na China instaram a administração Biden a revogar essa licença, mas muitos aceitaram relutantemente que ela expirará mais tarde em o ano. Não é renovado.

O lançamento da Huawei na quinta-feira de seu primeiro laptop AI, o MateBook

“Um dos maiores mistérios em Washington, D.C., é por que o Departamento de Comércio continua a permitir o envio de tecnologia dos EUA para a Huawei”, disse o congressista republicano Michael Gallagher, que preside o Comitê Seleto da Câmara sobre a China, em comunicado à Reuters.

Uma fonte familiarizada com o assunto disse que os chips foram enviados sob uma licença pré-existente. Essas restrições não estão incluídas nas recentes restrições generalizadas impostas às remessas de chips de inteligência artificial para a China, disseram a fonte e outra pessoa.

O Departamento de Comércio e a Intel não quiseram comentar. A Huawei não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A reação é um sinal de pressão crescente sobre a administração Biden para fazer mais para impedir a ascensão da Huawei, quase cinco anos depois de esta ter sido adicionada à lista de restrições comerciais.

Em Agosto, chocou o mundo com um novo telefone equipado com um chip avançado fabricado pela sancionada empresa chinesa de fabrico de chips SMIC, tornando-se num símbolo do renascimento tecnológico da China, apesar dos esforços contínuos de Washington para prejudicar a sua capacidade de produzir semicondutores avançados.

Numa audiência do subcomité do Senado esta semana, o responsável pela fiscalização das exportações, Kevin Kurland, disse que as restrições de Washington à Huawei tiveram um “impacto significativo” no seu acesso à tecnologia dos EUA. Ele também enfatizou que o objetivo não era necessariamente impedir o crescimento da Huawei, mas sim evitar que ela utilizasse indevidamente a tecnologia americana para “atividades maliciosas”.

Mas estas declarações pouco fizeram para acalmar a frustração entre os falcões republicanos na China após as notícias sobre o novo portátil da Huawei.

“Essas aprovações devem parar”, disse o congressista republicano Michael McCaul em comunicado à Reuters. “Há dois anos, disseram-me que as licenças para a Huawei iriam parar. Hoje, a política não parece ter mudado.”

(Reportagem de Alexandra Alper e Karin Freefield; edição de Leslie Adler e Stephen Coates)