Abril 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Operações em Portugal levam à apreensão de vários bens alimentares

Operações em Portugal levam à apreensão de vários bens alimentares

As recentes ações de fiscalização em Portugal abrangem produtos como ovos, mariscos, carne e óleos.

A Divisão Central Regional da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) inspecionou centros de triagem e embalagem de ovos em Leiria e Anzio.

Os testes revelaram que os ovos pré-embalados e prontos para consumo não continham todos os dados de identificação exigidos, violando as regulamentações nacionais e europeias.

Mais de 112.500 ovos avaliados em 15.000 euros (16.400 dólares) foram apreendidos e foram instaurados dois processos administrativos-criminais.

Invenções de armazém e operador ilegal
Anteriormente, a divisão sul da ASAE retirou 70 toneladas de alimentos de armazéns frigoríficos no valor de cerca de 250.000 euros (273.500 dólares). Várias vistorias foram realizadas em dezembro de 2023, mas os trabalhos foram concluídos apenas em fevereiro devido à descoberta de grandes quantidades de produtos.

Foram instauradas três ações penais administrativas por não possuir licença para realizar armazenamento com temperatura controlada de produtos alimentícios de origem animal e por não possuir Número de Controle Pecuário (NCV).

Foram suspensos três estabelecimentos em Silves, Portimão e Lagoa/Parchal e apreendidas cerca de 5 toneladas de alimentos de origem animal, como produtos cárneos, peixe congelado e lacticínios.

Uma investigação criminal foi aberta depois de as autoridades terem invadido um local em Loures e encontrado 65 toneladas de alimentos, incluindo peixe congelado, camarão e polvo. Alguns itens pareciam ter sido armazenados em condições insalubres durante pelo menos cinco anos.

Em Fevereiro, foram encontradas quase 11 toneladas de alimentos numa fábrica ilegal em Tondela.

As autoridades descobriram que alimentos como peixe, carne e queijo eram vendidos sem um Número de Controle de Gado. Estão suspensas as operações que envolvam produtos de origem animal que exijam controle de temperatura. Foram encontrados cerca de 800 quilos de produtos adulterados ou com prazo de validade vencido.

Testes de óleo e moluscos
Em janeiro, aproximadamente 30 mil litros de vinica acordente,
Licor destilado confiscado.

A Secção Sul da ASAE e as Autoridades de Enologia Especializada avaliaram a produção, distribuição e comercialização da aguardente vínica. Mais de € 33.000 (US$ 36.100) em produtos foram retirados de um operador e um processo criminal foi aberto.

Além disso, 50 mil litros de óleo de cozinha foram apreendidos em Janeiro por enganar consumidores através da Operação Oleum. A ASAE fez parte de uma equipa que realizou diversos testes em retalhistas, armazenistas e embaladores da indústria do azeite em diversas regiões.

Uma batida policial contra um fornecedor e uma padaria resultou na apreensão de 1.145 litros de óleo de cozinha por falta de rotulagem dos alimentos e na suspensão das operações por questões de higiene. Num outro caso, foram encontrados cerca de 50 mil litros de óleo de cozinha e 203 mil rótulos, o que induziu os consumidores em erro sobre as propriedades do produto.

Noutra medida, a Divisão Sul da ASAE bloqueou 4,5 toneladas de moluscos bivalves no valor de 23.000 euros (25.100 dólares) do mercado de Palmela.

As autoridades descobriram que um operador estava a adquirir moluscos bivalves de mariscadores locais sem a licença necessária. Os frutos do mar eram transportados em veículos sem qualquer registro ou documento de identificação.

Num caso envolvendo bens roubados, as autoridades recuperaram 13 toneladas de azeitonas no valor de 16.000 euros (17.500 dólares) num local em Mourão. As azeitonas provinham de vários furtos em toda a região do Alentejo. Um processo criminal foi aberto e vários documentos foram apreendidos.

Por fim, a ASAE apreendeu 6,6 toneladas de carne no âmbito do combate aos abates clandestinos em Iscas, Mafra e Lisboa.

Vários mandados de busca foram executados em lojas e locais domésticos. A maioria dos itens de carne eram carcaças de cabra no valor de cerca de 58 mil euros (63,5 mil dólares). Foram encontrados quase 11.500 euros (12.600 dólares) em dinheiro, que se suspeita ter vindo de atividades ilegais. Dois foram interrogados.

(Para se inscrever gratuitamente no Food Safety News, clique aqui.)