setembro 18, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Senado dos EUA homenageia o herói do Holocausto de Portugal

Lisboa – Em 3 de março de 2021, o Senado dos EUA aprovou uma resolução convocando Aristides de Souza Mendes para Ameral e Aprances (1885-1954), a embaixada geral de Portugal em Portugal, em junho de 1940 para emitir vistos de transporte para cerca de 30.000 refugiados Haplus. Incluindo 10.000 judeus fugindo da Europa ocupada pelos nazistas. O diplomata morreu na pobreza e na humilhação na sua terra natal por violar a sua infame Circular 14 contra a admissão de judeus pelo ditador português António de Oliveira Salazar.

A homenagem dos EUA vem dois anos depois que o parlamento português votou por unanimidade para homenagear Susa Mendes no Panteão Nacional de Lisboa, localizado na igreja do século 17 de Santa Angresia em Albuquerque. Casa funerária de figuras nacionais como a cantora de Fato Amelia Rodriguez e o jogador de futebol Eusebio, e os exploradores vascodacama e o Príncipe Henrique, o Navegador. Não existe homenagem maior no país ibérico.

Fundada em 2010 pelo neto de Mendes Antonio Moncada de Souza Mendes e seu primo Alvaro, a Fundação Sousa Mendes está recuperando a Casa do Basel, uma horta familiar do século 19 em Cabanas de Viriado, na província de Beira Alta. O falido ex-diplomata perdeu para um banco antes de morrer, em 1954 – desde então, está sem tripulação. Obrigado Está programado para abrir em 2023.

Neto Antonio (Crédito: GIL ZOHAR)

READ  Portugal diz que 80% dos jovens de 16 e 17 anos foram vacinados neste fim de semana

Antonio, 71, neto de de Souza Mendes, vem obtendo reconhecimento tardio após décadas de trabalho, superando grande oposição à restauração da reputação abalada de seu avô. Na verdade, Antonio sofreu nas mãos da polícia secreta portuguesa treinada pela Gestapo, Polasia International et de Defesa do Estado, bem como seu avô. Em 1970, ele fugiu para a Bélgica como refugiado político e bloqueador do recrutamento, tentando evitar ser enviado para morrer nas guerras coloniais sem sentido de Portugal na África. Em 1974 – o mesmo ano da Revolução dos Cravos que derrubou o regime fascista do Estado Novo do primeiro-ministro Salazar – e oito anos após a morte de Yath Washem, de Anto Sausage Mendes foi reconhecido como tradutor em Montreal, Canadá. A viver reformado em Lisboa, em 2017 escreveu as Memórias do Neto Aristides de Souza Mendes.

Até a revolução de 1974, não era sensato referir-se a Aristóteles como transcendendo Salazar, começando com uma entrevista com Antônio Lisboa em um hotel perto do aeroporto.

“Não sou historiador, sou neto”, diz ele, começando com o dilúvio da história. Como todas as histórias, existe um pano de fundo.

Aristóteles e sua esposa, Angelina, tiveram 14 filhos e nasceram em todo o mundo, onde trabalharam como diplomatas e advogados, inclusive na África, Brasil, Estados Unidos, Espanha e Bélgica. Zanzibar era padrinho do pai do sultão Antonio. Em todos os lugares, a família era tratada com o maior respeito e era conhecida por ajudar os necessitados. Mesmo quando postado no exterior, Gaza du Basel servia como cozinha comunitária. A família tinha uma vida boa – até que Aristides tomou a decisão de mudança de vida em Bordeaux.

Em novembro de 1939, ele se tornou o primeiro-ministro de Portugal Salasar Ele emitiu uma regra secreta chamada “Circular 14” ordenando que os consulados de seu país “negassem vistos a cidadãos indecisos, disputados ou disputados, pessoas não estatais e judeus expulsos de seu país ou dos países de onde vieram”.

Aristóteles acreditava que a ordem de Salazar era desumana e racista e se opôs a ela. Ele foi ignorado. Ele estava ciente da situação perigosa que os judeus enfrentavam quando morava em Antuérpia com seu refugiado Syme Kruger, um rabino polonês Hazidic. Para ajudar a enxurrada de pessoas que faziam fila do lado de fora da embaixada, Susa Mendes sentiu que deveria ir contra a ordem de seu governo de que os vistos para Portugal e Estados Unidos neutros escapassem pela Espanha. O diplomata Kruger e seus cinco filhos receberam vistos, mas o rabino se recusou a aceitá-los, a menos que todos os refugiados em Bordeaux recebessem um. Graças a Susa Mendes, a família finalmente entrou em Portugal e embarcou no Nyasa, com destino a Nova Iorque em junho de 1941.

READ  Doc Christians New River Boat MS Andorinha em Portugal

Naquele mês de junho, Aristóteles estava atormentado com o que estava fazendo. Em 17 de junho de 1940, quando seu cabelo preto ficou branco durante a noite, ele violou diretamente a circular de Salazar e começou a conceder vistos para todos, independentemente da nacionalidade ou religião. Do que o homem contra Deus. “

Chamado de volta a Lisboa por Salazar, Aristides continuou a emitir vistos. Ele pessoalmente levantou a barreira para liderar uma multidão de refugiados com visto negado na fronteira franco-espanhola em Irun / Hendai.

Ao chegar a Lisboa, em 8 de julho de 1940, Aristides, que havia servido fielmente como diplomata durante 32 anos, foi forçado a se aposentar. Ele não recebeu o último salário nem um percentual da pensão, destaca o neto.

Visto como traidor, sem condições de trabalhar e sem renda, contou com a ajuda de sua família e dos destinatários do visto que ficaram em sua casa, Gaza do Basel. Freqüentemente, a família comia em uma cantina de uma comunidade judaica em Lisboa, onde Aristides afirmava: “eles também se tornaram refugiados”.

Aristóteles procurou manchar o seu nome ao longo da vida e Salazar recebe elogios pela contribuição de Portugal para os refugiados de guerra. Os 14 filhos de Susa Mendes não podiam estudar ou trabalhar em Portugal devido à separação da família e, em 1949, todos já tinham se estabelecido.

Em 3 de abril de 1954, Aristides morreu pobre em um hospital franciscano Lisboa. Ele foi sepultado em rito franciscano. Ninguém veio de sua família.