maio 19, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O professor russo rejeitou a propaganda do Kremlin, depois pagou o preço

O professor russo rejeitou a propaganda do Kremlin, depois pagou o preço

LONDRES (Reuters) – Dias depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, Andrei Shestakov abriu um grupo de arquivos em um bate-papo em grupo do WhatsApp para educadores de história como ele em sua cidade no leste da Rússia.

Os arquivos – revisados ​​pela Reuters e contêm dezenas de páginas de documentos e apresentações, além de links de vídeo – são instruções sobre como ensinar crianças adolescentes sobre conflitos. Não está claro quem compartilhou os arquivos no bate-papo em grupo, mas vários documentos trazem o logotipo do Ministério da Educação em Moscou.

O material inclui guias de aula afirmando que os soldados russos lutando na Ucrânia eram heróis, que os governantes da Ucrânia fizeram causa comum com pessoas que colaboraram com os nazistas na Segunda Guerra Mundial, que o Ocidente estava tentando semear a discórdia na sociedade russa e que o Os russos devem ficar juntos.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Shestakov disse que vasculhou os arquivos durante uma de suas aulas. O magro de 38 anos disse que antes de se tornar professor em janeiro, ele passou 16 anos como policial. Mas ele disse que tem dúvidas crescentes nos últimos anos sobre se os governantes da Rússia estão cumprindo seus valores professados ​​de democracia, influenciados em parte pelo proeminente crítico do Kremlin, Alexei Navalny.

Ele decidiu não ensinar as unidades a seus alunos no Ginásio No. 2, onde trabalhou em Neryungri, uma cidade de mineração de carvão no leste da Sibéria, cerca de 6.700 quilômetros (4.160 milhas) a leste de Moscou.

Em vez disso, Shestakov disse a seus alunos o conteúdo do manual de ensino e por que eles eram historicamente imprecisos, disse ele à Reuters. Por exemplo, ele disse que deixou claro que o material alegando que a Ucrânia era uma invenção da Rússia comunista bolchevique, mas os livros de história discutiam a história ucraniana de séculos.

Ele foi mais longe. Em 1º de março, ele disse aos alunos durante uma aula de educação cívica que não os aconselharia a servir no exército russo, que se opunha à guerra contra a Ucrânia e que os líderes russos haviam demonstrado elementos do fascismo mesmo quando diziam que estavam lutando contra o fascismo em Ucrânia, de acordo com um comunicado assinado pela polícia e visto É Reuters.

Nos dias seguintes, Shestakov foi intimado para interrogatório pela polícia local e pelo Serviço Federal de Segurança, conhecido como FSB, conforme comunicado assinado em 5 de março sobre os comentários da turma. Ele disse que nenhuma acusação foi feita contra ele em conexão com esses comentários. O FSB e a polícia local não responderam aos pedidos de comentários.

Um tribunal multou em 35.000 rublos (cerca de US$ 420) em 18 de março por difamar as forças armadas da Rússia depois de republicar vídeos online de entrevistas com soldados russos capturados na Ucrânia, de acordo com uma decisão judicial vista pela Reuters.

READ  O tufão Ray deixa 31 mortos e ampla destruição nas Filipinas

Ele disse à Reuters que deixou o emprego no mês passado porque acreditava que seria demitido de qualquer maneira por causa de sua oposição pública à guerra. A autoridade educacional local e o Ministério da Educação não responderam aos pedidos de comentários sobre Shestakov e o guia de ensino. Quando a Reuters chegou à escola por telefone, uma mulher que se identificou como diretora interina da escola disse que se recusou a comentar o caso de Shestakov e encerrou a ligação.

Os professores de toda a Rússia receberam os mesmos ou semelhantes guias de ensino, de acordo com funcionários do sindicato dos professores, dois outros professores e postagens nas redes sociais de duas escolas afirmando que eles ensinavam as unidades.

Olga Miriasova, funcionária de um sindicato chamado Teacher, disse que as autoridades regionais de educação distribuíram o manual de ensino que Shestakov recebeu para várias escolas em todo o país. A Reuters não conseguiu determinar de forma independente quantas escolas receberam as unidades. Um dos professores disse que recebeu um pacote de ensino diferente do recebido por Shestakov, embora contenha conteúdo semelhante.

A iniciativa mostra como o Estado russo – que está intensificando seu controle sobre a grande mídia – está agora expandindo seus esforços de propaganda em torno da guerra na Ucrânia nas escolas, enquanto o Kremlin busca obter apoio. Desde o início da guerra, muitas escolas russas postaram fotos nas redes sociais mostrando alunos enviando mensagens de apoio às forças que lutam na Ucrânia e em formação para ilustrar a letra “Z”, um símbolo de apoio à guerra na Rússia.

Educadores que discordam da guerra estão agora se juntando às fileiras de ativistas da oposição, ativistas de ONGs e jornalistas independentes, sentindo a pressão do Estado russo, com multas, julgamentos e possível perda de empregos. O presidente Vladimir Putin assinou no início de março uma legislação que torna a divulgação de informações “falsas” sobre as forças armadas russas um crime punível com multas ou até 15 anos de prisão.

Mesmo antes da invasão, o Kremlin estava reprimindo seus oponentes usando uma combinação de prisões, censura na internet e listas negras.

O Kremlin não respondeu aos pedidos de comentários sobre como lidou com a oposição à guerra, o conselheiro educacional e o caso Shestakov.

O ministro russo da Educação, Sergei Kravtsov, disse a um comitê parlamentar em março que seu ministério lançou uma campanha nacional para discutir as relações russo-ucranianas com os alunos, em meio a perguntas de crianças sobre a situação na Ucrânia e sanções.

O Kremlin disse que está implementando leis para impedir o extremismo e as ameaças à estabilidade. Ele diz que está realizando o que chama de “operação especial” para destruir as capacidades militares de seu vizinho do sul e “desacreditar” a Ucrânia e impedir o genocídio contra pessoas de língua russa, especialmente no leste do país. Kiev e seus aliados ocidentais descartaram isso como uma desculpa infundada para a guerra e acusaram as forças russas de matar civis.

READ  A Austrália relata casos diários de COVID-19, que são colchetes para os piores

Guerra Híbrida Ocidental

O manual de ensino obtido por Shestakov diz que é destinado a alunos de 14 a 18 anos. Ele consiste em planos de aula detalhados para professores, links para vídeos dos discursos do presidente Putin e curtas-metragens para ilustrar as aulas.

De acordo com os materiais de ensino, o Ocidente está travando uma guerra de informação para tentar virar a opinião pública contra os governantes da Rússia, e todo o povo russo deve se posicionar firmemente contra isso.

Um plano de aula mostra que a Rússia vem travando uma guerra cultural contra o Ocidente que destruiu a “instituição familiar tradicional” e agora está tentando impor seus valores à Rússia.

Diz que desde o colapso da União Soviética, a Ucrânia seguiu uma política anti-russa. “Houve ataques à língua russa, nossa história comum forjada, e criminosos de guerra e grupos criminosos da Segunda Guerra Mundial se transformaram em heróis”, diz o documento, que se refere aos nacionalistas ucranianos que se aliaram à Alemanha durante aquela guerra.

Outra lição é que o Ocidente está implantando “guerra híbrida” – uma combinação de propaganda, sanções econômicas e pressão militar – para tentar derrotar a Rússia fomentando o conflito interno. “É precisamente por esta razão que eles estão nos incitando a participar de manifestações não autorizadas, instando-nos a infringir a lei e tentar nos intimidar”, dizia o comunicado.

“Não devemos sucumbir à provocação”, diz o documento.

As unidades incluem um jogo em que os alunos têm 15 segundos para decidir se uma afirmação é verdadeira ou falsa. “Organizar protestos, provocações das autoridades e assembleias é uma forma eficaz de resolver um conflito misto”, dizia um dos dois comunicados. De acordo com o guia da lição, a resposta correta é “falso”.

A Reuters encontrou postagens de mídia social de uma escola em Samara, no Volga, e uma escola em Minusinsk, sul da Sibéria, mostrando slides das mesmas apresentações usadas.

Daniil Plotnikov, professor de matemática em Chelyabinsk, nos Montes Urais, disse à Reuters que seus superiores pediram que ele ensinasse conteúdo semelhante, mas com um pacote de ensino diferente do de Shestakov. Plotnikov não especificou quem eram os chefes. Tatiana Chernenko, professora de matemática em Moscou, disse que seus colegas de outras escolas disseram a ela que foram convidados a ensinar unidades semelhantes, mas não foram ensinados em sua escola.

Os professores com quem a Reuters conversou disseram que alguns distritos e escolas impulsionaram as aulas mais do que outros. Nenhum dos cinco professores disse ter ouvido falar de casos em que os professores foram explicitamente instruídos a ensinar as unidades. Eles disseram que geralmente é enquadrado como um pedido ou uma recomendação de uma escola ou autoridades educacionais regionais.

Alguns se recusaram e não enfrentaram consequências, disse Daniel Keane, presidente de um sindicato independente de professores chamado Teachers Alliance. Kane disse que outros não ensinaram as lições, mas disseram aos superiores que sim. A rejeição é um risco, acrescentou, já que os professores não sabem se seus diretores vão pressioná-los a desistir.

READ  Os temores de vírus aumentam à medida que a variante omicron se espalha pelos Estados Unidos

Kane disse que seu sindicato ouvia cerca de meia dúzia de professores por semana dizendo que estavam se demitindo porque não queriam promover a linha do Kremlin – algo que a Reuters não conseguiu verificar de forma independente.

despertar político

Shestakov usa o cabelo curto e pratica sambo, uma arte marcial desenvolvida no exército soviético. Ele disse que sua carreira policial incluiu um ano nas Forças Especiais do Ministério do Interior, um braço da aplicação da lei cujos oficiais estão lutando na Ucrânia. O Ministério do Interior não respondeu a um pedido de comentário.

Em 2018, quando ele era um oficial comunitário trabalhando com delinquentes juvenis, ele teve um despertar político, de acordo com Shestakov. Ele disse que começou a assistir a vídeos postados por Navalny, a figura da oposição agora presa em uma prisão russa, alegando corrupção de líderes do Kremlin. Consulte Mais informação

“Você se tornou uma verdadeira pessoa dissidente”, disse Shestakov.

Ele disse que, quando a guerra na Ucrânia começou, ficou perturbado com as imagens das vítimas e passou horas assistindo a vídeos dos combates nas redes sociais.

Sob um pseudônimo, ele republicou vídeos de entrevistas com soldados russos capturados na Ucrânia na seção de comentários de um meio de comunicação local com cerca de 5.200 assinantes, segundo Shestakov e uma decisão judicial de 18 de março vista pela Reuters.

O tribunal disse que suas ações constituem uma violação de uma lei que proíbe a difamação das forças armadas russas.

Shestakov disse suspeitar que o FSB tenha escutado nas últimas semanas suas conversas telefônicas, embora não tenha evidências disso. Ele também disse que viu pessoas que ele reconhece como oficiais disfarçados do FSB três vezes nos últimos dias. O FSB não respondeu aos pedidos de comentários sobre se o estava monitorando.

Agora, Shestakov planeja deixar a Rússia porque diz temer mais sanções contra as autoridades. Ele se juntará a dezenas de milhares de oponentes do Kremlin que também fugiram do país desde que Putin começou a reprimir a dissidência em 2018.

Ele disse que pretende ir para a Turquia, a menos que as autoridades o impeçam de sair do país.

Shestakov disse que ficar e abandonar sua oposição pública à guerra não era uma opção para ele. “Seria difícil para mim manter minha boca fechada”, disse ele.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Edição por Christian Lowe e Brian Lowe Castle

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.