Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O proeminente ativista russo de direitos humanos Oleg Orlov foi condenado a dois anos e meio de prisão por criticar a guerra

O proeminente ativista russo de direitos humanos Oleg Orlov foi condenado a dois anos e meio de prisão por criticar a guerra

a Ativista veterano de direitos humanos Um tribunal de Moscovo considerou-o na terça-feira culpado de “difamar repetidamente o exército russo” e sentenciou-o à prisão. Dois anos e meio de prisão.

Oleg Orlov, 70 anos, copresidente da Vencedor do Prêmio Nobel da Paz O grupo de direitos humanos Memorial rejeitou o caso contra ele como tendo motivação política, dizendo na sua declaração final: “Não me arrependo de nada e de nada”. Ele também denunciou a guerra novamente.

Orlov foi algemado e detido após o veredicto, na conclusão de um novo julgamento em que já havia sido condenado e multado. Destacando a intolerância do governo do presidente Vladimir Putin às críticas à guerra, os promotores recorreram da decisão e exigiram uma sentença mais dura.

A promotoria alegou que Orlov foi motivado a escrever o artigo anti-guerra pela hostilidade aos “valores espirituais, morais e patrióticos tradicionais russos” e pelo ódio aos militares, segundo a agência de notícias independente russa Mediazona.

Num comunicado, o Memorial descreveu a sentença de Orlov como “uma tentativa de silenciar a voz do movimento de direitos humanos na Rússia e qualquer crítica ao Estado”. Ela prometeu continuar seu trabalho.

O jornal Mediazona informou que a decisão atraiu uma multidão que incluía dezenas de apoiantes, incluindo 18 diplomatas ocidentais.

“Estou perturbado e preocupado com o resultado de hoje. Oleg Orlov lutou pessoalmente pelos direitos dos russos durante mais de 45 anos”, disse a embaixadora dos EUA, Lynn Tracy, num comunicado. “Antigamente, os seus esforços foram honrados aos mais altos níveis. Na Rússia hoje, ele está trancado longe deles.”

Em outubro de 2023, um tribunal em Moscou Ele condenou Orlov Ele foi multado em 150 mil rublos (cerca de US$ 1.500 na época), uma sentença muito mais leve em comparação com as longas sentenças de prisão que outros receberam por criticar a guerra.

Tanto a defesa como a acusação recorreram da decisão e um tribunal superior anulou a multa e devolveu o caso ao Ministério Público. O novo teste começou no início deste mês e é mais um passo no caminho Repressão implacável à dissidência A situação foi agravada pelo Kremlin após o envio de forças para a Ucrânia em fevereiro de 2022.

Também na terça-feira, um tribunal em Grozny, capital da república russa da Chechénia, de maioria muçulmana, condenou um homem a três anos e meio de prisão por queimar publicamente o Alcorão em frente a uma mesquita. A agência de notícias russa TASS informou que Nikita Juravel admitiu ter feito isso sob instruções dos serviços especiais ucranianos em troca de uma quantia em dinheiro.

Em Setembro de 2023, o líder autoritário checheno Ramzan Kadyrov divulgou um vídeo do seu filho que o mostrava a espancar Zuravil enquanto estava detido. Kadyrov elogiou seu filho por “defender sua religião”.

Terça-feira também marca o nono aniversário do assassinato Boris Nemtsov, Figura carismática da oposição russa. O ex-vice-primeiro-ministro, de 55 anos, foi morto a tiros enquanto caminhava por uma ponte adjacente ao Kremlin na noite de 27 de fevereiro de 2015.

Um memorial improvisado na ponte Bolshoi Moskvoretsky, onde Nemtsov foi morto, ainda atrai pessoas em luto que deixam buquês de flores. A sua morte foi um golpe para a oposição política, tal como o foi a sua morte na prisão este mês. O líder da oposição Alexei Navalny.

Um oficial das forças de segurança apoiadas pelo Kremlin de Kadyrov foi condenado a 20 anos de prisão por disparar os tiros que mataram Nemtsov. Quatro outros homens foram condenados a penas de prisão que variam entre 11 e 19 anos pelo seu envolvimento.