Abril 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Conselho de Segurança da ONU não aprova um projecto de resolução dos EUA sobre um cessar-fogo em Gaza  Notícias da guerra israelense em Gaza

O Conselho de Segurança da ONU não aprova um projecto de resolução dos EUA sobre um cessar-fogo em Gaza Notícias da guerra israelense em Gaza

A Rússia e a China estão a usar o seu poder de veto contra a proposta americana, que os críticos dizem não chegar ao nível de exigir o fim da guerra israelita em Gaza.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas não conseguiu aprovar um projecto de resolução dos EUA apelando, mas não exigindo, um cessar-fogo na guerra israelita em curso em Gaza, depois de dois membros permanentes terem optado por vetá-lo.

O projeto, que foi apresentado ao Conselho na sexta-feira, recebeu 11 votos a favor, contra três votos contra – da Rússia, China e Argélia – e a Guiana se absteve de votar.

Tanto a Rússia como a China vetaram a resolução, que teria falado da “necessidade de um cessar-fogo imediato e sustentável” e condenado o ataque de 7 de Outubro pelo Hamas.

Moscou acusou Washington de um “espetáculo hipócrita” que não pressiona Israel.

O embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzia, disse que o projecto de resolução é altamente politizado e contém uma “luz verde efectiva” para Israel lançar uma operação militar na cidade de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza, onde mais de 1,5 milhão de palestinos residem.

Nebenzia disse que não havia nenhum pedido de cessar-fogo no texto da resolução e acusou a liderança americana de “enganar deliberadamente a comunidade internacional”.

O representante da China, Zhang Jun, disse que o projecto “evitou a questão mais central, que é o cessar-fogo”, através da sua linguagem “vaga”.

Ele acrescentou: “Também nem sequer fornece uma resposta à questão de alcançar um cessar-fogo no curto prazo”.

Nenhuma “demanda” por um cessar-fogo

Embora os Estados Unidos tenham promovido a medida como um apelo a um cessar-fogo, os críticos salientaram que o projecto não chegava a apelar ao fim da guerra.

A proposta apoia a “necessidade” de um “cessar-fogo imediato e sustentável para proteger os civis de todos os lados” e difere dos anteriores projectos de resolução contestados por Washington, que apelavam a um cessar-fogo incondicional.

O projecto de resolução americano também liga o cessar-fogo às conversações em curso para chegar a um acordo de trégua que conduza à libertação dos prisioneiros israelitas em Gaza.

“Ela está dizendo que é importante que haja um cessar-fogo. Ela não parece estar exigindo isso”, disse o correspondente diplomático da Al Jazeera, James Baez, que obteve uma cópia do projeto de resolução, no início desta semana.

Ele acrescentou: “Também liga diretamente este cessar-fogo à libertação dos restantes prisioneiros detidos pelo Hamas e outros grupos em Gaza”.

Após a votação de sexta-feira, a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, disse que a Rússia priorizou a política sobre o progresso ao usar o seu veto, acrescentando que a Rússia e a China não estavam a fazer nada de útil para promover a paz.

A Embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, discursa em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU na cidade de Nova York, Estados Unidos, em 22 de março de 2024. [Mike Segar/Reuters]

Projetos de resolução alternativos

Os Estados Unidos, o aliado mais próximo de Israel, usaram o seu poder de veto contra três resoluções que apelavam a um cessar-fogo, a última das quais foi uma medida apoiada pelos árabes e apoiada por 13 membros do Conselho de Segurança, com um membro a abster-se de votar em 20 de Fevereiro.

No dia anterior, os Estados Unidos circularam uma resolução concorrente, que sofreu grandes alterações durante as negociações antes da votação de sexta-feira.

Inicialmente destinado a apoiar um cessar-fogo temporário ligado à libertação de todos os reféns, o projecto anterior teria apoiado os esforços internacionais de cessar-fogo como parte do acordo de reféns.

O embaixador da Argélia nas Nações Unidas, Ammar Benjamea, disse na sexta-feira que se o conselho tivesse emitido a sua decisão em Fevereiro, milhares de vidas inocentes poderiam ter sido salvas. Mais de 32 mil palestinos – a maioria deles mulheres e crianças – foram mortos desde o início da guerra em outubro passado.

Benjemaa disse que estes números representam vidas “e esperanças que foram destruídas”, acrescentando que o texto americano não indicava a responsabilidade de Israel pelas suas mortes.

Entretanto, os 10 membros eleitos do Conselho de Segurança estão a elaborar a sua própria resolução, exigindo que o cessar-fogo humanitário imediato durante o mês sagrado do Ramadão, que começou em 10 de Março, seja respeitado por todas as partes, conduzindo a um cessar-fogo permanente e sustentável.

Exige também “a libertação imediata e incondicional de todos os reféns” e sublinha a necessidade urgente de proteger os civis e de distribuir ajuda humanitária em toda a Faixa de Gaza.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na sexta-feira que a França também trabalharia para emitir uma nova resolução das Nações Unidas para um cessar-fogo em Gaza.

Macron disse na conclusão do seu discurso: “Depois do veto usado pela Rússia e pela China há poucos minutos, retomaremos o trabalho com base no projecto de resolução francês no Conselho de Segurança e trabalharemos com os nossos países americanos, europeus e árabes. parceiros para chegar a um acordo.” Durante a cimeira dos líderes da União Europeia em Bruxelas.