Abril 13, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O CEO da Boeing, Dave Calhoun, está deixando a empresa enquanto a empresa enfrenta uma crise de segurança

O CEO da Boeing, Dave Calhoun, está deixando a empresa enquanto a empresa enfrenta uma crise de segurança

  • Escrito por Theo Leggett
  • Correspondente de negócios, BBC News

Comente a foto,

CEO da Boeing, Dave Calhoun

O presidente da Boeing, Dave Calhoun, deixará o cargo no final deste ano em meio a uma crise cada vez mais profunda sobre o histórico de segurança da empresa.

A Boeing também disse que o chefe de sua divisão de companhias aéreas comerciais se aposentará imediatamente, enquanto seu presidente não concorrerá à reeleição.

A empresa está sob pressão depois que uma porta não utilizada de um avião Boeing 737 Max explodiu em janeiro, logo após a decolagem.

Ninguém ficou ferido, mas os padrões de segurança e controle de qualidade da empresa foram submetidos a um escrutínio renovado.

Muitos analistas disseram que a mudança de liderança da Boeing já deveria ter sido feita há muito tempo.

“É necessária uma mudança no topo”, disse Stuart Glickman, analista de ações da empresa de pesquisa CFRA, acrescentando que acredita que a crise atual decorre de problemas na cultura corporativa da empresa que só uma nova visão pode resolver.

“Não acho que seja possível mudar a cultura com vozes internas, porque acho que é assim que esta empresa opera há muito tempo.”

Calhoun assumiu o cargo de CEO no início de 2020, depois que o presidente anterior, Dennis Muilenburg, foi demitido após um dos maiores escândalos da história da Boeing.

Em cinco meses, duas novas aeronaves 737 MAX foram perdidas em acidentes quase idênticos que custaram a vida de 346 passageiros e tripulantes.

Quando Calhoun assumiu o cargo, ele prometeu fortalecer a “cultura de segurança” da Boeing e “reconstruir a confiança”.

No entanto, em janeiro deste ano, uma porta de saída de emergência abandonada no novo Boeing 737 MAX da Alaska Airlines explodiu logo após a decolagem do Aeroporto Internacional de Portland.

Um relatório preliminar do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA concluiu que quatro parafusos destinados a fixar com segurança a porta do avião não foram instalados.

A Boeing enfrenta uma investigação criminal sobre o acidente em si, bem como ações legais dos passageiros a bordo.

“Os olhos do mundo estão sobre nós e sei que passaremos por este momento em melhor companhia”, disse Calhoun na segunda-feira.

Numa carta aos funcionários, ele classificou o incidente da Alaska Airlines como um “momento decisivo” para a Boeing e disse que esta deve responder “com humildade e total transparência”.

Este incidente reavivou preocupações entre os reguladores em Washington e entre os clientes das companhias aéreas da Boeing de que a cultura da empresa se concentra na velocidade antes da segurança.

A FAA disse no início deste mês que uma revisão de seis semanas do processo de produção do 737 MAX na Boeing e seu fornecedor Spirit Aerosystems encontrou “múltiplos casos em que as empresas não cumpriram os requisitos de controle de qualidade de fabricação”.

Explicação em vídeo,

Assista: 'Flight from Hell': No avião durante uma explosão no ar

As descobertas surgiram pouco depois de outro relatório sobre a cultura de segurança da Boeing, elaborado por um painel de especialistas, que encontrou uma “desconexão” entre a alta administração e os funcionários regulares, bem como sinais de que os funcionários estavam relutantes em relatar problemas por medo de retaliação.

Depois que os dois aviões caíram em outubro de 2018 e 2019, descobriu-se que um software de controle de voo defeituoso causou esses acidentes, que a Boeing foi acusada de ocultar deliberadamente dos reguladores.

A empresa concordou em pagar US$ 2,5 bilhões (£ 1,8 bilhão) para resolver acusações de fraude e admitiu fraude, embora tenha se declarado formalmente inocente em audiências judiciais subsequentes.

Posteriormente, enfrentou acusações generalizadas de que colocava os lucros antes da vida dos passageiros.

Michael Stumo, cuja filha Samia Rose morreu no acidente do Boeing 737 MAX de 2019 na Etiópia, classificou a mudança de liderança como “necessária e muito atrasada”, observando que Calhoun estava na empresa desde 2009, quando se juntou ao seu conselho.

“Eles agora precisam procurar no mundo o melhor CEO com desempenho comprovado em qualidade de produção e segurança no complexo [manufacturing]”, escreveu ele nas redes sociais.

A crise na Boeing causou perturbações mais amplas na indústria de viagens, à medida que a empresa, uma das duas maiores fabricantes de aeronaves do mundo, reduz a velocidade das linhas de produção na tentativa de controlar os problemas.

As companhias aéreas, incluindo a Ryanair, alertaram sobre o aumento dos preços das passagens e horários de voos apertados, à medida que enfrentam atrasos nas entregas de aeronaves.

Para a Boeing, a desaceleração já está a gerar encargos multibilionários, enquanto a rival Airbus está a ganhar vantagem. A empresa também enfrenta críticas por não inovar.

Além de Calhoun, Stan Deal deixará o cargo de presidente da divisão Commercial Airlines da Boeing, com efeito imediato. Ele será substituído por Stephanie Pope, que passou os últimos três meses trabalhando como diretora de operações da Boeing.

Larry Kellner, presidente da empresa, também sairá e será substituído por Steve Mollenkopf, ex-chefe da Qualcomm que está no conselho da Boeing desde 2020. Ele liderará a busca por um novo CEO.

READ  Aluguel de bifes Chipotle antes da temporada de burritos