Maio 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Navios militares americanos estão a trabalhar para construir um cais de ajuda para Gaza.  Custará pelo menos US$ 320 milhões

Navios militares americanos estão a trabalhar para construir um cais de ajuda para Gaza. Custará pelo menos US$ 320 milhões

JERUSALÉM (AP) – Um navio da Marinha dos EUA e vários navios do Exército participaram de um esforço liderado pelos EUA para levar mais ajuda a Jerusalém. A sitiada Faixa de Gaza ao largo da sua costa Jeep e a construção de uma plataforma flutuante para a operação, que o Pentágono disse custaria pelo menos US$ 320 milhões.

Sabrina Singh, porta-voz do Pentágono, disse aos jornalistas que o custo é uma estimativa aproximada do projecto e inclui o transporte de equipamento e partes do cais dos Estados Unidos para a costa de Gaza, além de operações de construção e entrega de ajuda.

Imagens de satélite analisadas pela Associated Press na terça-feira mostram o USNS Roy P. Benavidez a cerca de 11 quilómetros (6,8 milhas) do porto em terra, onde os militares israelitas estão a construir a base operacional do projecto. O General Frank S. Besson Jr. da USAV, um navio de logística do Exército, e vários outros barcos do Exército estão com Benavidez e trabalhando para construir o que o Exército chama de Sistema Logístico Conjunto através da Costa, ou JLOTS.

Imagens de satélite tiradas pelo Planet Labs PBC no domingo e na segunda-feira mostraram pedaços do cais flutuante no Mar Mediterrâneo, próximo a Benavidez. As medidas do navio correspondem às características conhecidas do Benavidez, um navio de carga composto da classe Bob Hope operado pelo Comando de Transporte Marítimo Militar.

Um oficial militar dos EUA confirmou no final da semana passada que Benavidez tinha começado a construção e que estava suficientemente longe da costa para garantir que as forças que construíam a plataforma estariam seguras. O próximo passo será a construção da ponte, que depois será ligada à praia, disse Singh na segunda-feira.

Na manhã de terça-feira, o Comando Central militar dos EUA publicou online fotos da construção da doca flutuante, depois que a Associated Press publicou imagens de satélite.

“A doca apoiará a USAID e os parceiros humanitários na recepção e entrega de ajuda humanitária ao povo de Gaza”, dizia o comunicado na plataforma social X.

Autoridades dos EUA e de Israel disseram que esperam ter a doca flutuante e a ponte conectadas à praia em funcionamento e em operação até o início de maio. O Pentágono disse na segunda-feira que a operação custaria pelo menos US$ 320 milhões. A Reuters foi a primeira a relatar o custo.

De acordo com o plano militar dos EUA, a ajuda seria embarcada em navios comerciais em Chipre para navegar até à plataforma flutuante agora em construção ao largo de Gaza. Os paletes serão carregados em caminhões, que serão carregados em embarcações menores que viajarão até uma ponte metálica flutuante de duas pistas. A ponte de 550 metros (1.800 pés) será ligada à praia pelas Forças de Defesa de Israel.

O oficial militar dos EUA disse que uma unidade de engenharia do Exército dos EUA cooperou com uma unidade de engenharia militar israelense nas últimas semanas para praticar a instalação da ponte e treinar em uma praia israelense na costa.

O novo porto está localizado a sudoeste da Cidade de Gaza e ligeiramente a norte da estrada que liga Gaza, que foi construída pelo exército israelita durante a guerra. A atual guerra contra o Hamas. A área era a mais densamente povoada da região antes do início da ofensiva terrestre israelita, empurrando mais de um milhão de pessoas para sul, em direcção à cidade de Rafah, na fronteira com o Egipto.

Agora existem posições militares israelitas em ambos os lados do porto, que foi inicialmente construído – como parte de um esforço liderado pela Global Central Kitchen – a partir dos escombros de edifícios destruídos por Israel. Este esforço foi então interrompido Um ataque aéreo israelense matou sete trabalhadores humanitários no World Central Kitchen em 1º de abril, enquanto viajava em veículos claramente sinalizados em uma missão de entrega sancionada por Israel. A organização afirma que está retomando o seu trabalho em Gaza.

A ajuda demorou a chegar a Gaza, pois havia camiões de reserva à espera de inspecções israelitas. Os Estados Unidos e outros países também usaram lançamentos aéreos para enviar alimentos para Gaza. O total de entregas na rota marítima será inicialmente de cerca de 90 camiões por dia e poderá rapidamente aumentar para cerca de 150 camiões por dia, disse o oficial militar dos EUA.

Organizações de ajuda humanitária disseram que várias centenas destes camiões eram necessários para entrar em Gaza todos os dias.

Após o ataque do Hamas a Israel em 7 de Outubro, que matou 1.200 pessoas e fez 250 reféns, Israel cortou ou restringiu severamente a entrada de alimentos, água, medicamentos, electricidade e outra ajuda na Faixa de Gaza. sob Pressão dos Estados Unidos e outrosIsrael diz que a situação está a melhorar, embora as agências da ONU tenham afirmado que é necessária mais ajuda para entrar.

Gaza, com pouco mais do dobro do tamanho de Washington e onde vivem 2,3 milhões de pessoas, encontra-se à beira da fome. As autoridades de saúde locais afirmam que mais de 34 mil palestinos foram mortos em Gaza desde o início dos combates.

O porta-voz militar israelense, almirante Daniel Hagari, disse no domingo que a quantidade de ajuda destinada a Gaza continuaria a aumentar.

“Esta doca temporária proporcionará um sistema de distribuição navio-terra que aumentará o fluxo de ajuda humanitária para Gaza”, disse ele num comunicado.

Contudo, um alto funcionário político do Hamas Khalil Al-Hayya disse à Associated Press na semana passada, que o grupo consideraria as forças israelitas – ou forças de qualquer outro país – estacionadas no cais para protegê-lo como uma “força de ocupação e agressiva”, e que o grupo armado lhes resistiria.

Na quarta-feira, um ataque de morteiro teve como alvo o porto, sem causar vítimas.

___

As redatoras da Associated Press, Tara Cobb e Lolita C., contribuíram para este relatório. Baldur em Washington.