Junho 17, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Mulher processa Netflix em US$ 170 milhões por personagem Baby Reindeer

Mulher processa Netflix em US$ 170 milhões por personagem Baby Reindeer

Fonte da imagem, Crédito: Piers Morgan sem censura

Comente a foto, Fiona Harvey apareceu no programa Uncensored de Piers Morgan depois de afirmar que inspirou a personagem Martha

  • autor, Will Vernon e Max Matza
  • Papel, BBC Notícias

Uma mulher escocesa que supostamente inspirou a personagem Martha no drama de sucesso da Netflix, Baby Reindeer, está processando o streamer por difamação, negligência e invasão de privacidade.

Fiona Harvey, que diz ter sido baseada em Martha, argumentou em uma ação movida em um tribunal da Califórnia na quinta-feira que a Netflix contou “mentiras monstruosas” sobre ela para mais de 50 milhões de telespectadores em todo o mundo.

O processo pede indenização superior a US$ 170 milhões (£ 132 milhões) para Harvey, que afirma que a série Baby Reindeer a retratou erroneamente como uma criminosa condenada que passou algum tempo na prisão por perseguição.

O show é escrito e estrelado pelo comediante escocês Richard Gadd.

“Pretendemos defender vigorosamente este assunto e defender o direito de Richard Gadd de contar a sua história”, afirmou um comunicado da Netflix.

Harvey também nega ter agredido sexualmente o criador da série, de acordo com documentos judiciais, que alegam que a Netflix “contou essas mentiras, e elas nunca pararam, porque era uma história melhor do que a verdade, e histórias melhores dão dinheiro”.

Em uma cena da série, a personagem Martha é retratada agredindo sexualmente o protagonista da série ao longo de um canal uma noite.

Em declarações à BBC News na quinta-feira, Harvey disse ter certeza de que a Netflix perderia o caso.

“Não tenho dúvidas sobre isso. Caso contrário, não teríamos feito isso. Acreditamos que venceremos”, disse ela.

O primeiro episódio da minissérie afirma: “Esta é uma história verdadeira”.

Os créditos finais do programa afirmam que o programa é “baseado em eventos reais: mas alguns personagens, nomes, incidentes, locais e diálogos foram ficcionalizados para fins dramáticos”.

Ao prestar depoimento ao Comitê de Cultura, Mídia e Esporte do Parlamento no mês passado, o CEO da Netflix, Benjamin King, disse que o programa era “claramente uma história verdadeira do horrível abuso sofrido pelo escritor e protagonista Richard Judd nas mãos de um perseguidor condenado”.

Gad escreveu a série sobre sua suposta experiência quando foi perseguido por uma mulher que conheceu no bar onde trabalhava. Ele não foi citado como réu no processo da Sra. Harvey.

Nem os nomes reais do Sr. Gadd nem da Sra. Harvey foram usados ​​​​na série.

Nas redes sociais, Gad implorou anteriormente aos fãs que evitassem tentar identificar Martha, a personagem perseguidora que ele descreveu pela primeira vez em uma comédia.

Sra. Harvey se identificou como a mulher retratada como Martha na série. A Netflix e o Sr. Gad não confirmaram isso.

O processo movido por Harvey alega que a Netflix “não fez literalmente nada” para garantir que a história de Gadd fosse verdadeira antes de criar a série.

“Nunca foi investigado se Harvey foi condenado, o que é uma deturpação extremamente grave dos fatos”, diz a denúncia, referindo-se à condenação anterior da personagem de Martha por perseguição.

“Ele não fez nada para entender a relação entre Gad e Harvey, se é que existia. “Não fez nada para determinar se os outros factos, incluindo a alegada agressão ou perseguição, ou a condenação, eram precisos.”

Richard Roth, o advogado baseado em Nova York que representa Harvey, disse à BBC News na quinta-feira que tinha “provas documentadas indiscutíveis” provando que seu cliente nunca havia sido condenado por um crime.

O processo inclui uma foto de uma verificação de antecedentes e uma declaração afirmando que a Sra. Harvey não tem condenações criminais em seu histórico.

A personagem de Baby Reindeer, Martha, é uma perseguidora condenada que mais tarde é presa depois que o personagem do Sr. Gadd a denuncia à polícia.

Roth acrescentou que “não há dúvida” de que a identidade de Harvey foi usada no complô Baby Reindeer.

Harvey, que mora no Reino Unido, diz que recebeu inúmeras ameaças de morte desde que a série foi ao ar em abril.

A experiência a deixou “com medo de sair de casa ou de ver as notícias”, diz o processo, acrescentando que ela “tornou-se extremamente retraída e isolada, com medo do público e passava dias sem sair de casa”.

Em uma entrevista de cerca de uma hora com Piers Morgan no mês passado, Harvey confirmou que conheceu Judd durante seu tempo de trabalho em um pub em Londres.

Mas ela negou ter agido como sua personagem Martha, que envia 41 mil e-mails para a personagem de Jade e deixa 350 horas de mensagens de voz no programa.

“Nada disso é verdade. Acho que não enviei nada para ele”, disse ela.

“Não, acho que pode ter havido alguns e-mails, mas foi isso. Apenas e-mails de pegadinhas.”

No entanto, o processo alega que comentários reais que ela fez ao Sr. Gadd – como o tweet que ela enviou a ele em 2014 – são usados ​​nos diálogos do programa.