Julho 13, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Mortes no Hajj: peregrinos egípcios ‘completamente desertos’

Mortes no Hajj: peregrinos egípcios ‘completamente desertos’

Comente a foto, Tarek (à direita) diz que sua mãe, Efendia (à esquerda), de 77 anos, “não aguentava o calor do cozimento”.

  • autor, Sally Nabil
  • Papel, BBC Árabe
  • Relatório de Egito

Acredita-se que centenas de pessoas morreram em meio às altas temperaturas durante a peregrinação do Hajj na Arábia Saudita. Aqueles que morreram vieram de mais de vinte países, com a maioria das mortes no Egito. A BBC visitou uma comunidade onde mais de 20 pessoas estavam desaparecidas.

Muitos peregrinos egípcios vêm de aldeias pobres. Eles gastam suas economias na jornada espiritual até a cidade mais sagrada do Islã.

Afendia, uma mulher de 70 anos, mãe de cinco filhos, da província de Menoufia, no norte, vendeu suas joias para pagar a viagem, contou-me seu filho mais novo, Sayed, mas ela morreu enquanto realizava seu ritual.

“Fiquei arrasado com a morte da minha mãe”, diz ele, chorando. Ele explica que ir ao Hajj era o maior sonho de sua mãe.

Efendia, uma viúva, foi para Meca com visto de turista, não com visto oficial do Hajj.

Ela estava entre centenas de milhares de peregrinos não registrados que esperavam cumprir seu dever religioso este ano sem obter autorizações especiais para o Hajj.

As autoridades sauditas consideraram estas visitas não oficiais uma violação dos seus regulamentos. Mas o processo de obtenção de licenças oficiais para o Hajj pode por vezes tornar-se caro ou complicado.

“Ela não suportava o calor do pão.”

Viajar numa caravana oficial do Hajj no Egipto – um país em profunda crise económica – pode custar cerca de 6.000 dólares (4.700 libras) por pessoa.

A sua família diz que a viagem de Efendia foi organizada por um corretor local, que lhe pediu metade desse valor, mas prometeu-lhe um serviço cinco estrelas.

A realidade, dizem, era muito diferente.

No Dia de Arafat, que este ano cai em 15 de junho, os peregrinos passam do nascer ao pôr do sol reunidos no Monte Arafat – a cerca de 20 quilômetros de distância. [12 miles] De Meca – para orações e sermões.

“O autocarro deixou-os a cerca de 12 quilómetros do Monte Arafat e partiu”, diz Tariq, o filho mais velho de Afendia. “Ela teve de caminhar todo o percurso”.

“Sempre que eu fazia uma videochamada para ela, ela jogava água na cabeça. Ela não suportava o calor do pão.

“Na nossa última ligação ela parecia exausta.”

Comente a foto, O filho mais novo de Efendia culpa os corretores de viagens locais por não fornecerem proteção adequada aos peregrinos contra o calor

Os peregrinos geralmente ficam em tendas com ar condicionado, possuem ônibus para transportá-los entre os locais sagrados e recebem assistência médica.

Efendia e outros peregrinos não registados “não tinham nenhuma destas instalações, estavam completamente abandonados”, diz Al-Sayed. Ele acrescenta que tentaram se proteger do calor escaldante usando lençóis para fazer uma barraca.

A família dela diz que não conseguiu entrar em contato com o corretor que organizou sua viagem.

O Hajj é um dos pilares básicos do Islã. Os muçulmanos são obrigados a participar dele uma vez na vida – se forem financeira e fisicamente capazes – e acreditarem que retornarão do Hajj limpos de seus pecados.

É um dos maiores encontros religiosos anuais do mundo. Quase dois milhões de peregrinos viajaram para Meca este ano.

Mas ninguém esperava que sua jornada terminasse com a morte.

“Eu só queria poder estar com ela”

As autoridades egípcias afirmam que muitos dos peregrinos falecidos não estão registados, o que torna difícil determinar oficialmente o número de mortos. O Departamento de Estado disse que levaria mais tempo e esforço para identificar os mortos e entrar em contato com suas famílias.

O primeiro-ministro egípcio, Mostafa Madbouly, disse que será aberta uma investigação sobre as atividades de todas as empresas de turismo envolvidas no envio de peregrinos não registrados para a Arábia Saudita.

“Sem a minha mãe tenho medo”, diz Manal, filha mais velha de Afendia, com os olhos cheios de tristeza.

Ela lembra que começou a gritar no momento em que recebeu a notícia da morte da mãe.

Comente a foto, Manal diz que sente mais medo sem a mãe

Manal me conta com lágrimas escorrendo pelo rosto: “Pouco antes de sua morte, ela ligou para meu irmão e disse-lhe que sentiu sua alma deixando seu corpo. Eu gostaria de ter estado com ela naquele momento”.

Efendia morreu enquanto respirava nas sombras da esquina.

Seus filhos enlutados encontram algum consolo no fato de ela ter sido enterrada em Meca.

Manal diz: “Ela queria morrer e ser enterrada na Cidade Santa”.