Maio 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Johnson & Johnson propõe nova oferta de liquidação de talco de US$ 6,5 bilhões

Johnson & Johnson propõe nova oferta de liquidação de talco de US$ 6,5 bilhões

A Johnson & Johnson disse na quarta-feira que pedirá a dezenas de milhares de pessoas que estão processando a empresa por alegações de que seus produtos de talco lhes causaram câncer que concordem com um novo acordo de US$ 6,5 bilhões, sua terceira tentativa de resolver os processos.

A empresa disse que a proposta resolveria quase todas as alegações atuais e futuras de que seus produtos em pó de talco causam câncer de ovário. Tal como as duas tentativas anteriores – em 2021 e 2023 – o novo acordo tentará utilizar um elemento do sistema de falências para liquidar reclamações.

Os juízes rejeitaram as duas tentativas anteriores, alegando que o tribunal de falências não era o local adequado para elas. A Johnson & Johnson disse que planeja apelar da última decisão de falência ao Supremo Tribunal, mas a empresa não especificou na quarta-feira por que acredita que o novo esforço sobreviverá a desafios legais semelhantes aos anteriores.

Representantes da Johnson & Johnson se recusaram a comentar após o anúncio.

A empresa está tentando encerrar uma saga legal de mais de uma década sobre sua responsabilidade pelo talco para bebês, um de seus produtos mais populares, que milhares de pessoas afirmam ter causado câncer de ovário e mesotelioma porque estava contaminado com amianto. A empresa há muito nega as acusações, mas nos últimos anos parou de vender talco para bebês em todo o mundo.

No ano passado, a Johnson & Johnson propôs um acordo de 8,9 mil milhões de dólares para resolver 40.000 processos judiciais através de uma subsidiária criada em 2021 para absorver a responsabilidade por processos judiciais relacionados com o pó de talco. O plano era fazer com que a unidade entrasse com pedido de proteção contra falência e depois fosse à Justiça para pagar o acordo.

Lindsey Simon, professora de falências da Escola de Direito da Universidade Emory, disse que o motivo pelo qual o tribunal de falências era uma forma atraente de resolver ações judiciais coletivas era porque permitia à empresa encerrar casos movidos por requerentes que não concordaram com sua oferta, como bem como de futuros requerentes.

“A capacidade da lei de falências de forçar os 25 por cento a aceitar um acordo que afecta os seus direitos – requerentes actuais e futuros – é um remédio poderoso”, disse ela. “Este é um enorme benefício que não é concedido levianamente. Uma vez feito isso, não há como voltar atrás.”

Um juiz rejeitou o pedido de falência em julho, dizendo que a Johnson & Johnson não estava de facto em dificuldades financeiras, um pré-requisito para o pedido de falência. A primeira tentativa de resolução da questão da falência foi bloqueada pelo juiz pelo mesmo motivo.

O último acordo também depende de uma reorganização do Capítulo 11, por uma unidade chamada LLT Management. A empresa, anteriormente conhecida como LTL Management, foi recentemente reincorporada no Texas, onde a Johnson & Johnson se prepara para entrar com o processo, de Nova Jersey. No passado, os tribunais do Texas adotaram posições mais brandas em relação ao padrão pelo qual uma empresa pode declarar falência.

Pela nova proposta, os requerentes teriam três meses para votar o plano. Se 75% dos requerentes votarem a favor, um pedido de falência “pré-embalado”, Capítulo 11, será apresentado.

Fazer a oferta aos requerentes evita “incentivos financeiros conflitantes para a pequena minoria de advogados dos demandantes que receberão honorários advocatícios excessivos fora do processo de reorganização”, disse Eric Haas, chefe de litígio da Johnson & Johnson, no comunicado divulgado quarta-feira. “

“Qualquer falência baseada nesta petição e votação será considerada fraudulenta e arquivada de má-fé de acordo com o Código de Falências”, disse Andy Burchfield, advogado do escritório de advocacia Beasley Allen que representa os reclamantes, em um comunicado na quarta-feira.