Fevereiro 27, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Israel aguarda a resposta do Hamas ao plano de cessar-fogo: atualizações ao vivo

Israel aguarda a resposta do Hamas ao plano de cessar-fogo: atualizações ao vivo

Um edifício destruído em Rafah, Gaza, no domingo.crédito…Haitham Emad/EPA, via Shutterstock

Israel esperava na segunda-feira que as autoridades do Hamas respondessem a uma proposta para parar os combates na Faixa de Gaza e libertar os restantes reféns, enquanto o secretário de Estado, Antony Blinken, regressava à região em busca de angariar apoio para tal acordo.

A TV Al-Aqsa, afiliada ao movimento Hamas, informou no domingo que o Hamas ainda estava conduzindo consultas sobre a proposta, uma semana depois de ela ter sido redigida. Os líderes do grupo já tinham indicado que existiam grandes disparidades entre os dois lados, mesmo quando representantes dos Estados Unidos, do Egipto e do Qatar procuravam encontrar um terreno comum.

Blinken, que deveria visitar primeiro a Arábia Saudita, espera avançar nas negociações sobre uma série de acordos interligados para acabar com a guerra em Gaza, e um acordo para libertar os reféns será fundamental para esse esforço.

Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional do presidente Biden, disse ao programa “Face the Nation” da CBS no domingo que “a bola está no campo do Hamas”.

Acrescentou que o acordo que libertaria os reféns, cessaria os combates e permitiria que a ajuda humanitária chegasse a Gaza é de extrema importância.

“Iremos pressionar incansavelmente por isso, tal como o presidente fez, incluindo nas suas recentes chamadas aos líderes do Egipto e do Qatar, os dois países que são os nossos principais mediadores neste esforço”, disse Sullivan.

Os ataques liderados pelo Hamas em 7 de Outubro, durante os quais as autoridades israelitas afirmaram que cerca de 1.200 pessoas foram mortas e mais de 200 foram feitas reféns, desencadearam uma guerra com Israel e desencadearam uma crise mais ampla no Médio Oriente. Israel trocou tiros com membros do Hezbollah no Líbano, e a milícia Houthi, que controla parte do Iémen, abriu fogo contra navios que viajavam de e para o Canal de Suez.

READ  Avião não identificado atinge milícias iranianas no leste da Síria

Outros militantes apoiados pelo Irão lançaram ataques contra bases dos EUA na região, incluindo um ataque que a administração Biden disse recentemente que matou três soldados dos EUA na Jordânia.

Os Estados Unidos responderam aos ataques Houthi com ataques repetidos, inclusive no domingo, e ao ataque jordaniano com uma série separada de ataques militares neste fim de semana contra as forças iranianas e as milícias que apoiam em sete locais na Síria e no Iraque. Altos funcionários da segurança nacional dos EUA disseram no domingo que novas retaliações contra as milícias apoiadas pelo Irã continuam planejadas.

Mas Sullivan disse acreditar que esses esforços eram uma questão separada das negociações destinadas a chegar a um acordo de cessar-fogo que escapou a ambos os lados desde uma pausa de uma semana em novembro.

“Acreditamos que as medidas que tomamos na sexta-feira e as medidas que tomamos contra os Houthis na noite passada não estão relacionadas com as negociações de reféns”, disse ele ao programa “Meet the Press” da NBC. “Acreditamos que agora, nesta fase, cabe ao Hamas avançar e responder ao que é considerado uma proposta séria.”