Julho 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Investigação sobre Boeing após “volta holandesa”

Investigação sobre Boeing após “volta holandesa”

Fonte da imagem, Imagens Getty

  • autor, Natalie Sherman
  • Papel, BBC Notícias

Os reguladores dos EUA estão investigando depois que um Boeing 737 Max 8 da Southwest Airlines balançou de um lado para o outro enquanto estava no ar, um movimento potencialmente perigoso conhecido como rolo holandês.

É uma das duas novas investigações envolvendo aviões Boeing que a FAA confirmou recentemente.

A agência também se envolveu depois que a Boeing relatou conhecimento de documentos potencialmente falsificados usados ​​para certificar o titânio em suas aeronaves.

Estas questões surgiram num momento em que o histórico de segurança das aeronaves da Boeing está sob intenso escrutínio.

A Boeing encaminhou questões sobre o voo da Southwest à companhia aérea, que disse estar cooperando com a investigação.

A Boeing também disse que a questão do titânio era “de toda a indústria”, envolvendo remessas de um grupo limitado de fornecedores.

Ela disse que os testes realizados até agora indicam que a liga correta foi usada, apesar da documentação incorreta.

A empresa disse que obteve o metal separadamente de seu fornecedor e acredita que um pequeno número de peças foi afetado.

“Para garantir a conformidade, removemos todas as peças afetadas das aeronaves antes da entrega. Nossa análise mostra que a frota em serviço pode continuar a voar com segurança”, afirmou a empresa.

O New York Times, que primeiro relatou o problema, disse que um fornecedor da Spirit AeroSystems, que fabrica peças para a Boeing e para a fabricante europeia de aviões Airbus, começou a investigar o problema depois de notar buracos causados ​​pela corrosão.

A Spirit, que alertou ambos os fabricantes sobre o problema no início deste ano, disse que mais de 1.000 testes foram realizados nas peças suspeitas, que foram retiradas da produção.

“São os documentos falsos, não o titânio”, disse o porta-voz da empresa, Joe Buccino. “O problema é que perdemos a rastreabilidade.”

A Administração Federal de Aviação disse que a Boeing emitiu um boletim para que os fornecedores fiquem alertas sobre registros falsos e que está investigando a extensão do problema.

Autoridades canadenses de segurança nos transportes disseram em um comunicado separado que estão trabalhando com órgãos reguladores estrangeiros para determinar uma abordagem coordenada para a questão do titânio e que as autoridades “não hesitarão em agir”.

O chamado rolo holandês, que teria o nome de uma técnica de snowboard atribuída à Holanda, ocorreu em um voo de 25 de maio de Phoenix, Arizona, para Oakland, Califórnia.

A FAA disse que o avião recuperou o controle e ninguém a bordo ficou ferido, mas o avião sofreu danos “significativos”.

Uma inspeção pós-voo do avião de dois anos revelou grandes danos à unidade que fornece energia reserva ao leme.

“O registro holandês pode ser irritante, mas o 737 apresenta características relativamente benignas. O tempo desde o acidente e a falta de procedimentos de aeronavegabilidade na frota sugerem que este é um problema único, não outro problema generalizado para a Boeing”, disse Tim. . Atkinson, um ex-investigador de acidentes do Reino Unido que se tornou consultor.

Ativistas de segurança alertaram sobre a qualidade dos aviões recentes produzidos pela Boeing.

O acidente, que levou ao desprendimento de um painel de um avião no ar em janeiro passado, voltou a levantar preocupações, gerando ações judiciais e aumentando a supervisão da Boeing.

A Boeing desacelerou a produção e apresentou no mês passado à Administração Federal de Aviação um plano de ação destinado a resolver os problemas.

Theo Leggett contribuiu para este artigo.