Junho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

EUA abrem investigações antitruste sobre Nvidia, Microsoft e OpenAI

EUA abrem investigações antitruste sobre Nvidia, Microsoft e OpenAI

Os reguladores federais chegaram a um acordo que lhes permite continuar as investigações antitrust sobre os papéis dominantes desempenhados pela Microsoft, OpenAI e Nvidia na indústria da inteligência artificial, no sinal mais forte de como o escrutínio regulamentar desta poderosa tecnologia está a aumentar.

O Departamento de Justiça e a Comissão Federal de Comércio fecharam o acordo na semana passada, e espera-se que seja finalizado nos próximos dias, segundo duas pessoas com conhecimento do assunto, que não estavam autorizadas a falar publicamente sobre as discussões confidenciais.

Sob este acordo, o Departamento de Justiça assumirá a liderança na investigação se a conduta da Nvidia, a maior fabricante de chips de inteligência artificial, violou as leis antitruste, disseram as fontes. A FTC desempenhará um papel de liderança na análise do comportamento da OpenAI, que fabrica o chatbot ChatGPT, e da Microsoft, que investiu US$ 13 bilhões na OpenAI e fechou acordos com outras empresas de IA, disseram as fontes.

O acordo sinaliza um escrutínio intensificado por parte do Departamento de Justiça e da Comissão Federal de Comércio sobre a inteligência artificial, uma tecnologia em rápido avanço que tem o potencial de alterar empregos, informações e a vida das pessoas. Ambas as agências têm estado na vanguarda dos esforços da administração Biden para controlar o poder das maiores empresas de tecnologia. Após um acordo semelhante em 2019, o governo investigou Google, Apple, Amazon e Meta e, desde então, abriu um processo contra cada um deles por supostamente violar as leis antitruste.

Durante meses, Nvidia, Microsoft e OpenAI escaparam em grande parte do peso do escrutínio regulatório da administração Biden. Mas isso começou a mudar à medida que a IA generativa, que pode produzir textos, imagens, vídeos e áudio semelhantes aos humanos, entrou em cena no final de 2022 e criou uma mania na indústria.

Os reguladores indicaram recentemente que querem estar à frente dos desenvolvimentos na inteligência artificial. Em julho, a Comissão Federal de Comércio abriu uma investigação para saber se a OpenAI prejudicava os consumidores através da sua recolha de dados. Em janeiro, a FTC também iniciou uma ampla investigação sobre parcerias estratégicas entre gigantes da tecnologia e startups de IA, incluindo o investimento da Microsoft na OpenAI e os investimentos do Google e da Amazon na Anthropic, outra jovem empresa de IA.

No entanto, os Estados Unidos ainda estão atrás da Europa na regulamentação da IA. As autoridades da UE concordaram no ano passado com regras históricas que regem a tecnologia em rápido desenvolvimento, com foco nas formas mais arriscadas em que ela pode ser usada. Em Washington, no mês passado, um grupo de senadores emitiu recomendações legislativas para a inteligência artificial, apelando ao gasto anual de 32 mil milhões de dólares para promover a liderança americana na tecnologia, mas não chegou a apelar a novas regulamentações específicas.

As discussões entre a FTC e o Departamento de Justiça sobre as empresas de IA entraram na sua fase final na semana passada e envolveram altos funcionários de ambas as agências, disse uma das pessoas familiarizadas com as discussões, um funcionário da FTC.

Lina Khan, presidente da Comissão Federal de Comércio ele disse em uma entrevista em fevereiro Que, quando se tratava de IA, a agência tentava detectar “problemas potenciais no início, em vez de descobri-los anos e anos e anos depois, quando os problemas estão profundamente enraizados e se tornam mais difíceis de corrigir”.

Porta-vozes da Comissão Federal de Comércio e do Departamento de Justiça não quiseram comentar. A Microsoft e a OpenAI não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. Um representante da Nvidia não quis comentar.

Nvidia, OpenAI e Microsoft têm estado no centro das atenções como alguns dos maiores vencedores no boom da IA, levantando questões sobre o seu domínio.

A Nvidia, fabricante de chips do Vale do Silício, é uma importante fornecedora de unidades de processamento gráfico, ou GPUs, componentes adaptados para tarefas de inteligência artificial, como aprendizado de máquina. Após a explosão da inteligência artificial, as empresas de tecnologia correram para adquirir as unidades de processamento gráfico da Nvidia, duplicando e triplicando as suas vendas. O preço das ações da Nvidia subiu mais de 200% no ano passado, e o valor de mercado da empresa ultrapassou US$ 3 trilhões pela primeira vez na quarta-feira, superando a Apple.

Os participantes da indústria estão preocupados com o domínio da Nvidia, incluindo a forma como o software da empresa está impedindo os clientes de usar seus chips, bem como a forma como a Nvidia distribui esses chips aos clientes, disseram duas pessoas familiarizadas com as preocupações.

A Microsoft, a empresa pública de tecnologia mais valiosa do mundo, também se tornou um fornecedor líder de inteligência artificial. Ela possui 49 por cento da OpenAI, que saltou para a consciência pública com o lançamento do ChatGPT em 2022. A capacidade do chatbot de responder perguntas, criar imagens e construir código de computador cativou as pessoas e rapidamente tornou a startup uma das empresas mais proeminentes do mundo. indústria de tecnologia.

A Microsoft integrou a tecnologia OpenAI em seus próprios produtos. A IA agora cria respostas para usuários de seu mecanismo de busca, o Bing, e pode ajudar a criar apresentações e documentos em PowerPoint e Word. (O New York Times entrou com uma ação judicial contra a OpenAI e a Microsoft, alegando violação de direitos autorais em conteúdo de notícias relacionado a sistemas de IA.)

Os acordos de IA da Microsoft atraíram o escrutínio porque dão a uma das maiores empresas de tecnologia influência sobre a tecnologia emergente, enquanto alguns na indústria levantaram questões sobre se os acordos estão estruturados de uma forma que permite à Microsoft evitar a revisão direta pelos reguladores.

A Microsoft estruturou sua participação minoritária na OpenAI em parte para evitar o escrutínio antitruste, informou o Times. A Microsoft também chegou a um acordo em março para contratar a maioria dos funcionários da Inflection AI, outra startup de IA, e licenciar sua tecnologia. Como o negócio não foi uma aquisição normal, pode ser difícil para os reguladores examiná-lo.

Na semana passada, a Divisão Antitruste do Departamento de Justiça organizou uma conferência sobre inteligência artificial na Universidade de Stanford. Nas suas observações iniciais, Jonathan Kanter, o principal responsável antitrust da agência, apontou para “estruturas e tendências na IA que nos deveriam fazer pensar”.

“A IA depende de enormes quantidades de dados e poder computacional, o que pode dar às empresas já dominantes uma vantagem significativa”, disse ele.