maio 18, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Dezenas ainda estão desaparecidas enquanto o número de mortos nas inundações na África do Sul sobe para 443

Dezenas ainda estão desaparecidas enquanto o número de mortos nas inundações na África do Sul sobe para 443

Ethekwini, África do Sul (Reuters) – Equipes de resgate procuraram dezenas de pessoas ainda desaparecidas na província de KwaZulu-Natal, na África do Sul, neste domingo, depois que chuvas torrenciais nos últimos dias provocaram enchentes e deslizamentos de terra que mataram mais de 440 pessoas.

As inundações deslocaram milhares de pessoas, cortaram os serviços de eletricidade e água e interromperam as operações em um dos portos mais movimentados da África, Durban. Uma autoridade econômica regional estimou o dano total à infraestrutura em mais de 10 bilhões de rands (US$ 684,6 milhões).

O ministro-chefe da província, Sohail Zikalala, disse que o número de mortos subiu para 443, com 63 pessoas desaparecidas.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

E em algumas das áreas mais atingidas, os moradores disseram estar assustados com a ideia de mais chuva, que era esperada para domingo. Alguns enfrentaram uma espera agonizante pela notícia da perda de entes queridos.

“Não perdemos a esperança. Embora estejamos constantemente preocupados com o passar dos dias”, disse Spongeil Mjoka, morador de Sunshine Village no município de I Thekwini, que perdeu seu sobrinho de 8 anos dias atrás.

“Estamos traumatizados com a visão da chuva”, disse Majoka, 47, à Reuters, acrescentando que sua casa foi seriamente danificada.

Em uma área semi-rural próxima, três membros da família Sepia foram mortos quando as paredes do quarto em que dormiam desabou e Bonjica Sepia, de 4 anos, ainda está desaparecida.

“Tudo é um lembrete cruel do que perdemos e não poder encontrar (Bongika) é devastador porque não podemos lamentar ou curar. Neste momento nos sentimos vazios”, disse Lithiwe Sepia, 33, à Reuters.

READ  Batida policial de Hong Kong é notícia e prende funcionários

O gabinete do presidente Cyril Ramaphosa disse no sábado que ele havia adiado uma visita de trabalho à Arábia Saudita para se concentrar no desastre. Ramaphosa se reunirá com ministros para avaliar a resposta à crise.

O ministro-chefe da KZN, Zikalala, disse em uma entrevista televisionada que as inundações estão entre as piores na história registrada de sua província.

“Precisamos reunir nossa coragem coletiva e transformar essa devastação em uma oportunidade para reconstruir nossa província”, disse ele. “O povo de KwaZulu-Natal sairá dessa confusão.”

(1 dólar = 14,6076 rands)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Syabonga Seshi e Rogan Ward em eThekwini Redação de Alexander Winning em Joanesburgo Edição de Barbara Lewis e Helen Popper

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.