Julho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Comer este ingrediente comum durante a gravidez pode representar um risco para a saúde

Comer este ingrediente comum durante a gravidez pode representar um risco para a saúde

Um novo estudo revela que o consumo de emulsificantes, comumente encontrados em alimentos ultraprocessados, durante a gravidez ou amamentação em camundongos está associado a deficiências metabólicas, cognitivas e psicológicas na prole. Especificamente, a pesquisa indica que tal consumo afeta o desenvolvimento de circuitos neurais no hipotálamo da prole, o que é fundamental para o seu metabolismo.

O estudo sugere que é necessário que as mães estejam conscientes dos riscos associados aos alimentos ultraprocessados.

Um novo estudo em ratos sugere que o consumo de emulsionantes, um ingrediente comum em alimentos altamente processados ​​para humanos, durante a gravidez ou lactação, está associado a riscos mínimos para a saúde da descendência. Maria Mila Guach, do Instituto de Pesquisa Biomédica Auguste PI Sauniere (IDIBAPS) em Barcelona, ​​​​Espanha, e colegas publicaram recentemente suas descobertas na revista. Biologia PLoS.

Os emulsionantes ajudam a manter a textura de muitos alimentos ultraprocessados, incluindo alguns sorvetes, pães, misturas para bolos, sopas, molhos para salada e muito mais. Pesquisas anteriores associaram o consumo de emulsionantes a um risco aumentado de doença inflamatória intestinal, obesidade e outras condições de saúde. Além disso, hábitos alimentares desequilibrados em mães grávidas ou lactantes têm sido associados a riscos de saúde a longo prazo para a prole. No entanto, os efeitos específicos do consumo materno de pastilhas sobre os descendentes não eram claros.

Para ajudar a explicar esses efeitos, Milla Guach e seus colegas alimentaram ratos de laboratório com água contendo dois tipos de emulsificantes comumente encontrados juntos na alimentação humana, carboximetilcelulose e polissorbato 80. Desde o pré-conceito até a prole lactante, as ratas receberam a concentração máxima permitida de cada emulsificante. Seu uso em produtos alimentares humanos pela Organização para Alimentação e Agricultura e pela Organização Mundial da Saúde. Para efeito de comparação, os outros ratos receberam água sem emulsificantes.

Tomar pastilhas durante a gravidez

A maior parte dos alimentos ultraprocessados ​​consumidos atualmente contém emulsificantes em sua composição. Crédito: Julia Voss Dominic e Maria Milla Guach (CC-BY 4.0)

Os pesquisadores descobriram que os descendentes de ratos que consumiram as pastilhas apresentavam maior risco de desenvolver certos problemas de saúde, incluindo deficiências metabólicas, cognitivas e psicológicas leves. Esses efeitos foram mais fortes na prole masculina, mas a prole feminina também mostrou fraqueza.

Uma combinação de expressão genética e outros testes laboratoriais indicou que o consumo das pastilhas pela mãe interrompeu o desenvolvimento de circuitos neurais no hipotálamo da prole, uma parte do cérebro que desempenha um papel central na regulação do metabolismo.

Mais pesquisas serão necessárias para elucidar melhor os efeitos do consumo de emulsificantes por gestantes e lactantes. No entanto, com base nas suas novas descobertas, os investigadores apelam a uma maior sensibilização para os riscos potenciais do consumo de alimentos ultraprocessados ​​pelas mães. Eles estavam particularmente preocupados com produtos considerados saudáveis, incluindo alguns produtos vegetarianos e veganos, que, no entanto, contêm emulsionantes que podem levar a riscos para a saúde dos descendentes.

“O consumo materno de pastilhas pode afetar a saúde da prole, promovendo distúrbios metabólicos leves, estados semelhantes aos da ansiedade e deficiências cognitivas”, acrescenta o coautor Marc Clarett.

Referência: “Programas de consumo materno de emulsificantes geram saúde metabólica e neuropsicológica em ratos” por María Mela Guach, Sara Ramirez, Sergio R. Lana, Julia Vos Dominic, Lea Maria Dropman, Macarena Pozzo, Elena Eyre, Alicia G. Gomez-Vallades, Arno Aubry, Roberta Haddad-Toffoli, Marc Claret, 24 de agosto de 2023, disponível aqui. Biologia PLoS.
doi: 10.1371/journal.pbio.3002171

Este estudo foi financiado pelo Conselho Europeu de Investigação no âmbito do Programa de Investigação e Inovação Horizonte 2020 da União Europeia (acordo de subvenção n.º 725004) e apoiado pela: Fundação ‘la Caixa’ (ID100010434) ao abrigo do acordo LCF/PR/HR19/52160016 e pela CERCA Programa/Governo público da Catalunha (para MC); Bolsa de Ação Marie Skłodowska-Curie (H2020-MSCA-IF) NEUROPREG (Acordo de subvenção n.º 891247; para RH-T.); Ministério da Ciência e Inovação espanhol, Bolsa Juan de la Cerva (IJC2018-037341-I para SR); Miguel Servet (CP19/00083) foi propriedade do Instituto de Saúde Carlos III e cofinanciado pelo FEDER (para a AO). Os financiadores não tiveram nenhum papel no desenho do estudo, na coleta e análise de dados, na decisão de publicação ou na preparação do manuscrito.