Julho 13, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Cientistas encontram primeira evidência de que borboletas cruzaram o oceano

Cientistas encontram primeira evidência de que borboletas cruzaram o oceano

Certa manhã, no final de outubro de 2013, o entomologista Gerard Talavera viu algo muito incomum – um bando de borboletas coloridas encalhadas em uma praia na Guiana Francesa.

A Dama Pintada, ou Tipo, Vanessa Cardoy, É uma das borboletas mais difundidas no mundo, mas não é encontrada na América do Sul. No entanto, eles estavam caídos na areia da costa oriental do continente, com as asas rasgadas e cheias de buracos. Dada a sua condição, o Dr. Talavera, que trabalha no Instituto Botânico de Barcelona, ​​em Espanha, adivinhou que estavam a recuperar de uma longa viagem.

O inseto é um campeão de viagens de longa distância, cruzando rotineiramente o Saara numa viagem da Europa para a África Subsaariana, cobrindo até 9.000 milhas. Poderiam também ter feito uma viagem de 2.600 milhas através do Atlântico sem ter onde parar e reabastecer? O Dr. Talavera quis saber.

Rastrear movimentos de insetos de longo alcance é difícil. Ferramentas como rastreadores de rádio são grandes demais para enquadrar insetos pequenos e delicados, e o radar permite monitorar apenas locais específicos. Os cientistas tiveram que confiar em suposições e observações fundamentadas de cientistas cidadãos para reunir padrões de viagem.

“Vemos borboletas aparecendo e desaparecendo, mas não estamos provando diretamente as ligações, estamos apenas fazendo suposições”, disse Talavera.

Em 2018, é Desenvolva um método para usar uma ferramenta comum de sequenciamento genético Analisar o DNA dos grãos de pólen. Os grãos de pólen aderem a insetos como as borboletas quando se alimentam do néctar das flores. Dr. Talavera usou um método chamado código de barras de DNA para sequenciar o DNA do pólen e determinar de qual planta ele veio. Mais tarde, o DNA pode ser rastreado até plantas geográficas para traçar o caminho do inseto.

em Artigo publicado Na terça-feira, na revista Nature Communications, o Dr. Talavera e a sua equipa descreveram uma pista crucial para decifrar o mistério das borboletas encalhadas: o pólen agarrado às borboletas na Guiana Francesa corresponde aos arbustos floridos nos países da África Ocidental. Esses arbustos florescem de agosto a novembro, o que corresponde ao horário de chegada das borboletas. Isto indica que as borboletas cruzaram o Oceano Atlântico. A ideia era confusa. Mas o Dr. Talavera e sua equipe tiveram o cuidado de não tirar conclusões precipitadas.

Além de estudar o pólen, os investigadores sequenciaram os genomas das borboletas para traçar a sua linhagem e descobriram que têm raízes europeu-africanas. Isso exclui a possibilidade de eles terem sobrevoado a Terra vindos da América do Norte. Eles então usaram uma ferramenta de rastreamento de insetos chamada rastreamento isotópico para confirmar que as origens das borboletas estavam na Europa Ocidental, no Norte da África e na África Ocidental. Ao adicionar dados meteorológicos que mostravam ventos favoráveis ​​soprando da África para a América, eles estavam se preparando para fazer uma descoberta massiva.

“Este é um trabalho incrível de detetive biológico”, disse David Lohman, ecologista evolucionista do City College de Nova York, que não esteve envolvido no trabalho. A pesquisa do Dr. Talavera, que lembra um estilo de detetive forense, apoiou a conclusão de que a Borboleta Pintada fez a primeira viagem transoceânica já registrada por um inseto.

Provavelmente estavam na sua rota típica através de África quando foram desviados do curso por ventos fortes. Depois de cruzarem o oceano, as borboletas continuaram a voar até chegarem à praia.

As migrações de insetos são o maior movimento de biomassa em todo o mundo. Somente no sul da Inglaterra, o que é incrível 3,5 trilhões de insetos Eles migram anualmente. A sua capacidade de transmitir pólen, fungos e até doenças de plantas através de grandes distâncias destaca o impacto global destas pequenas criaturas. À medida que as Damas Pintadas migram através dos oceanos, os cientistas podem ter uma maneira melhor de acompanhar essas viagens, dizem os especialistas.

Os resultados mostraram que as delicadas criaturas poderiam suportar uma viagem difícil e perigosa, que provavelmente duraria entre cinco e oito dias. Também mostra o quanto os cientistas ainda precisam aprender. Jessica Ware, bióloga evolucionista do Museu Americano de História Natural, que não esteve envolvida no estudo, descreveu os métodos do estudo como “inovadores” e acrescentou que “nos ajudarão a compreender as migrações”.