julho 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Biden e a sul-coreana Yoon prometeram dissuadir a Coreia do Norte, mas se ofereceram para ajudar o vírus Corona

Biden e a sul-coreana Yoon prometeram dissuadir a Coreia do Norte, mas se ofereceram para ajudar o vírus Corona

SEUL (Reuters) – O presidente Joe Biden e seu novo colega sul-coreano concordaram neste sábado em realizar exercícios militares maiores e implantar mais armas dos EUA, se necessário, para deter a Coreia do Norte, enquanto se oferecem para enviar vacinas contra a Covid-19 e possivelmente conhecer Kim Jong. Nações Unidas.

Biden e Yoon Seok Yeol disseram que sua aliança de décadas precisa evoluir não apenas para combater as ameaças norte-coreanas, mas também para manter a região do Indo-Pacífico “livre e aberta” e proteger as cadeias de suprimentos globais.

Os dois líderes estão se reunindo em Seul em seu primeiro compromisso diplomático desde a posse do presidente sul-coreano há 11 dias. O confronto amigável entre aliados foi ofuscado pela inteligência que mostrou o líder norte-coreano Kim Jong Un pronto para realizar testes nucleares ou de mísseis.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Yoon buscou mais garantias de que os Estados Unidos fortaleceriam sua dissuasão contra ameaças da Coreia do Norte. Em uma declaração conjunta, Biden reiterou o compromisso dos Estados Unidos de defender a Coreia do Sul com armas nucleares, se necessário.

Os dois lados concordaram em considerar a expansão de seus exercícios militares conjuntos, que foram reduzidos nos últimos anos em uma tentativa de diminuir as tensões com o Norte.

Os EUA também prometeram implantar “ativos estratégicos” – que normalmente incluem bombardeiros de longo alcance, submarinos de mísseis ou porta-aviões – se necessário para deter a Coreia do Norte, segundo o comunicado.

Os dois líderes disseram estar comprometidos com a desnuclearização da Coreia do Norte e abertos à diplomacia com Pyongyang.

“Sobre se eu me encontro com o líder da Coreia do Norte, isso dependerá de ele ser sincero e sério”, disse Biden em entrevista coletiva conjunta.

READ  Boris Johnson sob pressão após derrotas nas eleições britânicas

Ele disse que Washington ofereceu vacinas COVID-19 à China e à Coreia do Norte, que estão lutando contra o primeiro surto reconhecido. “Não temos resposta”, disse Biden.

A Coreia do Norte registrou mais de 200.000 novos pacientes com febre pelo quinto dia consecutivo no sábado, mas o país tem poucas vacinas ou tratamento moderno para a epidemia. Consulte Mais informação

Expansão da aliança

Biden disse que a aliança EUA-Coreia do Sul, que remonta à Guerra da Coreia de 1950-53, deve se desenvolver ainda mais para manter a região do Indo-Pacífico “livre e aberta”.

Ele disse que a aliança foi construída em oposição à mudança de fronteiras pela força – uma aparente referência à guerra da Rússia na Ucrânia e às reivindicações da China sobre Taiwan.

Mudanças no comércio internacional e nas cadeias de suprimentos deram um novo impulso para os dois países aprofundarem seu relacionamento, disse Yoon, pedindo cooperação em baterias elétricas e semicondutores.

Biden aproveitou a visita para promover investimentos nos Estados Unidos por empresas coreanas, incluindo um movimento do grupo sul-coreano Hyundai Motor Group de investir cerca de US$ 5,5 bilhões para construir as primeiras instalações dedicadas à fabricação de carros elétricos e baterias nos Estados Unidos. Consulte Mais informação

Os dois líderes visitaram a fábrica de semicondutores da Samsung na sexta-feira, onde Biden disse que países como Estados Unidos e Coreia do Sul “compartilham valores” precisam de mais cooperação para proteger a segurança econômica e nacional.

READ  EUA dizem que forças russas estão identificando ucranianos 'para serem mortos' em possível invasão

Yun disse que o conceito de segurança econômica inclui cooperação em caso de choques no mercado de câmbio.

Querendo desempenhar um papel maior nas questões regionais, o presidente sul-coreano disse que seu país se juntará ao Quadro Econômico Indo-Pacífico (IPEF) de Biden, que será anunciado durante a viagem para estabelecer padrões para trabalho, meio ambiente e cadeias de suprimentos.

Mas como a China é o parceiro comercial número um da Coreia do Sul, ele usou publicamente um tom cauteloso sobre o assunto de confrontar abertamente Pequim. Na sexta-feira, ele disse que a entrada da Coreia do Sul no fórum não deve entrar em conflito com os laços econômicos dos dois países.

Embora as autoridades da Casa Branca tenham procurado minimizar a importância de qualquer mensagem explícita para confrontar a China, é o assunto da viagem de Biden e chamou a atenção de Pequim.

“Esperamos que os Estados Unidos combinem suas palavras com ações e trabalhem com países da região para promover solidariedade e cooperação na região da Ásia-Pacífico, em vez de planejar divisão e confronto”, disse o enviado chinês para assuntos coreanos, Liu Xiaoming, no Twitter.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Trevor Honeycutt, Hyunhye Shin, Jack Kim, Eric Beach e Josh Smith; Edição por William Mallard

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.