dezembro 2, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Atualizações de notícias ao vivo: os mercados asiáticos caíram principalmente com os investidores alertados após a venda maciça nos EUA

Atualizações de notícias ao vivo: os mercados asiáticos caíram principalmente com os investidores alertados após a venda maciça nos EUA

Xangai, o centro financeiro da China, sofreu particularmente com a política de desligamento repentino de Xi Jinping © AFP via Getty Images

A produção econômica da China ficará atrás do resto da Ásia pela primeira vez desde 1990, de acordo com uma previsão do Banco Mundial que destaca os danos causados ​​pelas políticas de não proliferação do presidente Xi Jinping e o colapso do maior mercado imobiliário do mundo.

O Banco Mundial revisou sua previsão de crescimento do produto interno bruto na segunda maior economia do mundo para 2,8 por cento, em comparação com 8,1 por cento no ano passado, abaixo da previsão de abril de 4 a 5 por cento.

Ao mesmo tempo, as perspectivas para o resto da Ásia Oriental e do Pacífico melhoraram. A região, excluindo a China, deve crescer 5,3% em 2022, ante 2,6% no ano passado, graças aos preços mais altos das commodities e à recuperação do consumo doméstico após a pandemia.

A China, que lidera a recuperação da epidemia, ignorou amplamente a região do delta [Covid variant] As dificuldades agora estão pagando o custo econômico de conter a doença em sua forma mais contagiosa, disse Aditya Mattu, economista-chefe do Banco Mundial para o Leste Asiático e o Pacífico, ao Financial Times.

A China estabeleceu uma meta de PIB de cerca de 5,5% este ano, o nível mais baixo em três décadas. Mas a perspectiva se deteriorou significativamente nos últimos seis meses.

A política de Xi de suprimir implacavelmente o surto de coronavírus por meio de paralisações repentinas e testes em massa restringiu a mobilidade e drenou a atividade do consumidor, assim como o setor imobiliário da China – que responde por cerca de 30% da atividade econômica – sofre um colapso histórico.

Leia mais sobre as previsões do Banco Mundial por aqui.