Julho 20, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Alemanha adverte União Europeia sobre imposição de sanções russas à China

Alemanha adverte União Europeia sobre imposição de sanções russas à China

  • As novas sanções visam reduzir o escárnio das existentes
  • A proposta mostra a expansão do escopo das sanções à medida que a guerra se arrasta
  • Indivíduos que transportaram crianças ucranianas para a Rússia serão alvos
  • Sanções para proibir o fornecimento de petróleo através de parte do oleoduto Druzhba

BRUXELAS (Reuters) – A Alemanha liderou os pedidos de cautela contra a China ser alvo de novas sanções da União Europeia devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, durante a primeira discussão do bloco sobre novas restrições propostas, disseram cinco fontes diplomáticas.

A União Europeia está discutindo seu 11º pacote de sanções desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, que visa se concentrar naqueles que contornam as restrições comerciais existentes.

O executivo do bloco propôs colocar várias empresas chinesas na lista negra e introduzir um novo mecanismo que abriria caminho para uma possível restrição futura das exportações da UE para países que desrespeitam as sanções.

Esta última parte preocupou a Alemanha, segundo as fontes. Vários outros países também falaram da necessidade de encontrar um equilíbrio entre impor sanções e perturbar as relações diplomáticas e comerciais internacionais, disseram eles.

A Itália apoiou a proposta da Alemanha de visar empresas estrangeiras, em vez de países, por qualquer violação das sanções, segundo fontes familiarizadas com a discussão de quarta-feira, que ocorreu a portas fechadas. Os diplomatas falaram sob condição de anonimato na quinta-feira.

A missão diplomática alemã na União Europeia se recusou a comentar.

Fontes do governo alemão em Berlim disseram que criticam a possibilidade de tornar as sanções da UE “extraterritoriais” em um esforço para combater a evasão.

Empresas do Cazaquistão, Armênia e Uzbequistão, bem como fabricantes de drones iranianos, foram colocadas na lista negra, sob proposta da Comissão Europeia executiva do bloco, segundo as fontes.

escolhas importantes

Embora os falcões da UE em relação à Rússia a tenham criticado por não ir longe o suficiente, a proposta destaca a amplitude e o escopo das sanções do bloco à medida que a guerra se arrasta.

“Vários estados membros reconhecem as escolhas de política externa muito importantes que envolveriam avançar com a inclusão de terceiros países”, disse um alto funcionário da UE.

“O fato de a proposta ter sido apresentada envia um sinal de alerta por si só, independentemente de concordarmos que agora é a hora de incluir essas empresas e criar um novo esquema para países-alvo, ou dar-lhes mais tempo para obter envolvidos.”

O funcionário e um sexto diplomata da UE disse que o bloco também deve pressionar suas empresas para evitar um desvio.

Todos os países da UE precisam concordar com novas sanções, o que pode levar tempo devido aos diferentes interesses e o que as fontes disseram ser uma nova abordagem que exigiu muito trabalho técnico e esclarecimentos.

Enviados dos Estados membros em Bruxelas, o centro da UE, e os ministros das Relações Exteriores do bloco em Estocolmo devem discutir o assunto na sexta-feira, embora uma decisão final não seja esperada naquele momento. Enquanto alguns esperam um acordo em maio, outros apontam para a possibilidade de uma cúpula de líderes da UE de 29 a 30 de junho.

As fontes disseram que as novas sanções propostas também teriam como alvo indivíduos envolvidos na transferência forçada de crianças ucranianas para a Rússia e bloqueariam o fornecimento de petróleo através da parte norte do oleoduto Druzhba, exceto no Cazaquistão.

As novas restrições destacarão que os petroleiros não podem descarregar em alto mar ou acessar portos sem rastreadores GPS, em uma tentativa de desfazer uma violação das restrições do G7 ao comércio de petróleo russo, segundo as fontes.

As fontes disseram que durante a discussão na quarta-feira, a maioria dos países saudou a ideia de restringir ainda mais o trânsito terrestre de mercadorias da UE através da Rússia e alguns levantaram a necessidade de revisar o limite de petróleo do G7.

(Reportagem de Gabriela Baczynska)

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.