Maio 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A Suprema Corte do Reino Unido decidiu sobre o valor de US$ 43 milhões em tesouros de um navio da Segunda Guerra Mundial afundado por torpedos japoneses.

A Suprema Corte do Reino Unido decidiu sobre o valor de US$ 43 milhões em tesouros de um navio da Segunda Guerra Mundial afundado por torpedos japoneses.

A África do Sul ganhou um processo legal sobre um tesouro no valor de 43 milhões de dólares encontrado num naufrágio da Segunda Guerra Mundial, encontrado por uma empresa de exploração britânica ao largo da costa do país, disse o Supremo Tribunal do Reino Unido na quarta-feira. O naufrágio do navio SS Tilawa – que deu o nome “Titânico Indiano” – Matou 280 pessoas e fez com que mais de 2.000 moedas de prata caíssem no fundo do oceano.

Em 23 de novembro de 1942, torpedos japoneses afundaram o SS Tilawa no Oceano Índico, disse o tribunal. Isto foi afirmado em um comunicado de imprensa anunciando a decisão. Além das mais de 900 pessoas a bordo, o navio transportava também 2.364 moedas de prata que tinham sido compradas pela então conhecida como União da África do Sul para conversão em moedas. O tesouro a bordo do navio naufragado era irrecuperável até 2017, quando um navio de salvamento especializado da Argentum Exploration Ltd, uma empresa britânica propriedade do líder de fundos de hedge Paul Marshall, obteve acesso à prata.

O tesouro foi transportado para o Reino Unido e declarado propriedade da empresa, com a Argentum Exploration argumentando em tribunal de primeira instância que a lei marítima estipula que quem salva o tesouro pode exigir o pagamento pela sua recuperação. A empresa argumentou que o resgate era voluntário, o que significa que o pagamento poderia ser exigido mesmo que a África do Sul não tivesse solicitado o resgate da prata.

A África do Sul argumentou que o tribunal de primeira instância não tinha autoridade para ouvir a reclamação da empresa porque se tratava de um país estrangeiro, enquanto a empresa argumentou que o país não tinha imunidade no processo.

O tribunal disse que a discussão perante o tribunal se concentrava em saber se a prata estava “em uso ou se destinava a ser usada para fins comerciais” quando o navio afundou durante a Segunda Guerra Mundial. O tribunal decidiu primeiro a favor da Argentum Exploration e disse que a prata estava sendo ou seria usada para fins comerciais.

A África do Sul interpôs recurso, que foi ouvido pelo Tribunal de Recurso do país. Esse tribunal concordou com a decisão inicial. África do Sul então Apresentar um recurso Com o Supremo Tribunal do Reino Unido.

SS Tilawa.

Fundação SS Tilawa


O Tribunal Superior decidiu que a prata não estava a ser utilizada e não se destinava a ser utilizada para fins comerciais e, portanto, a África do Sul estava imune à reclamação. O tribunal disse que embora ambas as partes concordassem que Tilawa estava sendo usado para fins comerciais, a prata a bordo não estava. O tribunal decidiu que o planejamento de cunhar prata não era considerado um propósito comercial.

“As mercadorias no porão do navio não são utilizadas para qualquer finalidade comercial ou outra”, afirmou o tribunal no comunicado de imprensa.

O naufrágio do navio Tilawa foi chamado de “tragédia esquecida” da Segunda Guerra Mundial, segundo o jornal britânico “Daily Mail”. Um site comemorando o incidente. O navio transportava 732 passageiros, 222 tripulantes e 4 artilheiros no momento do naufrágio. Além da prata, o navio transportava mais de 5.900 toneladas de outras cargas.

Dois torpedos disparados pela Marinha Imperial Japonesa atingiram o navio e o afundaram. O SS Tilawa é descrito online como “o único navio de passageiros atacado no Oceano Índico durante a Segunda Guerra Mundial”.

Dois navios próximos conseguiram resgatar 678 passageiros, mas 280 pessoas morreram, segundo o site.