Julho 14, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A revolta de curta duração de mercenários russos pode ter consequências de longo alcance para Putin

A revolta de curta duração de mercenários russos pode ter consequências de longo alcance para Putin

As forças do governo russo se retiraram das ruas de Moscou e as pessoas se aglomeraram em parques e cafés no domingo, após uma revolta de curta duração. Por forças mercenárias que enfraqueceram o presidente Vladimir Putin e levantaram questões sobre sua capacidade de travar uma guerra na Ucrânia.

A marcha das forças de Wagner para a capital sob Yevgeny Prigozhin e o acordo noturno que eventualmente os deteve afetou severamente a reputação de Putin como um líder disposto a punir impiedosamente qualquer um que desafie sua autoridade. Isso poderia abrir a porta para outros descontentes com as duas décadas de domínio de Putin no poder, especialmente depois de sua malfadada invasão da Ucrânia..

Segundo os termos do acordo, Prigozhin irá para o exílio na Bielo-Rússia Mas ele não enfrentará julgamento, nem suas forças. Nem Putin nem Prigozhin foram ouvidos desde que o acordo, que foi intermediado pelo presidente bielorrusso Alexander Lukashenko, foi anunciado na noite de sábado.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chamou os eventos do fim de semana de “extraordinários”, lembrando que 16 meses atrás Putin parecia prestes a tomar a capital da Ucrânia e agora deve defender Moscou contra as forças que antes protegia.

“Acho que vimos mais rachaduras aparecerem na frente russa”, disse Blinken no programa “Meet the Press” da NBC.

“É muito cedo para dizer exatamente para onde eles estão indo e quando chegarão lá, mas certamente temos todo tipo de novas questões que Putin terá de abordar nas próximas semanas e meses.”

Ainda não está claro o que as divisões desencadeadas pela insurgência de 24 horas significarão para a guerra. Mas levou à retirada do campo de batalha de algumas das melhores forças lutando pela Rússia na Ucrânia: as forças Wagner de Prigozhin e os soldados chechenos enviados para detê-los.

Os ucranianos esperavam e alguns analistas sugeriram que as lutas internas russas poderiam criar oportunidades para seu exército, que está nos estágios iniciais de uma contra-ofensiva para retomar o território capturado pelas forças russas.

“Esses eventos serão um grande alívio para o governo e os militares ucranianos”, disse Ben Barry, membro sênior de guerra terrestre do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

Outra questão é o que acontecerá com o Wagner de Prigozhin em geral. O empreiteiro militar destacou forças em vários países que se acredita estarem lutando pelos interesses russos.

Sob os termos do acordo que interrompeu o avanço de Prigozhin, os soldados de Wagner que não apoiassem a rebelião receberiam contratos diretos com o exército russo, colocando-os sob o controle dos oficiais militares que Prigozhin estava tentando derrubar.

Phillips O’Brien, professor de estudos estratégicos da Universidade de St Andrews, na Escócia, disse que o acordo parecia ser um acordo apressado destinado a proteger Prigozhin e proteger as finanças dele e de sua família.

“O que não sabemos é se ele salvou Wagner”, escreveu O’Brien em seu boletim online. “Não está claro quantos de seus mercenários estão vindo com ele para a Bielo-Rússia, ou quantos terão que assinar contratos com o exército russo.”

Em um avanço relâmpago, as forças de Prigozhin capturaram no sábado dois centros militares no sul da Rússia e moveram-se 200 quilômetros (120 milhas) de Moscou antes de se retirarem.

Em uma cena que representa o medo de Putin de uma revolta popular, um vídeo feito pela Associated Press no sábado em Rostov-on-Don mostrou pessoas aplaudindo as tropas de Wagner quando elas partiram. Alguns correram para apertar sua mão enquanto ele se afastava no banco de trás de um SUV.

O governador do distrito disse mais tarde que todas as forças haviam deixado a cidade. Agências de notícias russas também informaram que as autoridades de Lipetsk confirmaram que as forças de Wagner haviam deixado a área na estrada de Rostov para Moscou.

Rostov parecia calmo na manhã de domingo, com apenas rastros de tanques ao longo das estradas como lembranças dos caças de Wagner.

“Tudo terminou bem, graças a Deus. Com poucas baixas, eu acho. Bom trabalho”, disse um dos moradores, que só concordou em dar seu primeiro nome, Sergei. Os soldados de Wagner costumavam ser heróis para ele, disse ele, mas Agora não.” Não deveria ter acontecido, mas como acabou — obrigado por isso!”

Na região de Lipetsk, os moradores pareciam não se incomodar com a agitação.

“Eles não atrapalharam nada. Eles apenas ficaram quietos na calçada e não se aproximaram nem falaram com ninguém.”

A rodovia foi escavada para retardar a marcha, mas no domingo já havia sido asfaltada e pavimentada.

Enquanto as forças de Wagner se moviam para o norte em direção a Moscou, tropas russas armadas com metralhadoras montaram postos de controle nos arredores. A televisão estatal chechena na Chechênia informou que cerca de 3.000 soldados chechenos foram retirados dos combates na Ucrânia e correram para lá no início da manhã de sábado.

Na tarde de domingo, as tropas se retiraram da capital e as pessoas inundaram as ruas e se aglomeraram nos cafés. O trânsito voltou ao normal e as barreiras e postos de controle foram removidos, mas a Praça Vermelha permanece fechada para visitantes. Nas rodovias para Moscou, as equipes consertaram as estradas em pânico horas antes.

Locutores em estações de televisão estatais descreveram o acordo que encerrou a crise como uma demonstração da sabedoria de Putin, transmitindo imagens dos soldados de Wagner se retirando de Rostov-on-Don para alívio dos moradores locais que temiam uma batalha sangrenta pelo controle da cidade. As pessoas entrevistadas pelo Channel One lá elogiaram a forma como Putin lidou com a crise.

Mas o Instituto para o Estudo da Guerra, com sede nos Estados Unidos, alertou que “o Kremlin agora enfrenta um equilíbrio muito precário”.

“O acordo é uma solução de curto prazo, não uma solução de longo prazo”, escreveu o instituto, que acompanha a guerra na Ucrânia desde o início.

Prigozhin exigiu sua derrubada O ministro da Defesa, Sergei Shoigu, a quem Prigozhin há muito critica em termos moribundos pela forma como conduziu a guerra na Ucrânia.

Os Estados Unidos tinham informações de que Prigozhin vinha concentrando suas forças perto da fronteira com a Rússia há algum tempo. Isso contradiz a afirmação de Prigozhin de que sua rebelião foi em resposta a um ataque dos militares russos em seus acampamentos na Ucrânia na sexta-feira, que ele disse ter matado um grande número de seus homens. O Ministério da Defesa negou ter atacado os campos.

Um possível gatilho para a rebelião de Prigozhin foi a exigência do Ministério da Defesa, apoiada por Putin, de que empresas privadas assinem contratos com ele até 1º de julho. Prigozhin se recusou a fazê-lo.

___

Os escritores da Associated Press, Danica Kirka, em Londres, e Nauman Merchant, em Washington, contribuíram para este relatório.

___

Siga a cobertura AP da guerra na Ucrânia em https://apnews.com/hub/russia-ukraine-war