Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A lenda do Benfica e de Portugal e vencedor da Taça dos Clubes Campeões Europeus faleceu durante uma homenagem ao seu antigo clube

A lenda do Benfica e de Portugal e vencedor da Taça dos Clubes Campeões Europeus faleceu durante uma homenagem ao seu antigo clube

O futebol português lamenta a morte do lendário Arthur George, aos 78 anos.

O antigo avançado teve uma carreira brilhante como jogador, marcando 105 golos em 130 jogos pelo Benfica.

O ex-capitão de Portugal Arthur George (78) faleceuCrédito: AP: Associated Press

No entanto, como treinador, alcançou o estatuto de ícone e foi eleito Treinador Europeu do Ano em 1987, após um triunfo na Taça dos Campeões Europeus.

E Jorge tem a honra única de ser idolatrado pelos adeptos de dois clubes rivais, Benfica e Porto.

Ganhou a Primeira Liga quatro vezes como jogador entre 1969 e 1975.

Em seguida, levou o Porto a três campeonatos nacionais.

Ele também garantiu a glória na Copa da Europa em 1987, depois de derrotar o Bayern de Munique por 2 a 1.

Ele liderou o Paris Saint-Germain ao segundo triunfo na primeira divisão francesa em 1994, depois dirigiu a seleção portuguesa duas vezes e dirigiu a Suíça em várias passagens.

Um comunicado da família divulgado à comunicação social afirma: “É com profunda tristeza que a família da Ordem Jorge Braga de Melo Teixeira anuncia o seu falecimento esta manhã em Lisboa, na sequência de uma longa doença”.

Declaração de coração partido do Porto: “A sua morte deixa o Porto FC sem lenda.”

O ex-presidente do PSG, Michel Denisot, também prestou uma homenagem comovente.

Ele disse: “Arthur George é o melhor treinador que conheço.

“Educado, culto, apaixonado, estratégico, intransigente… com ele o PSG cresceu muito rapidamente.”

Tal como acontece com o PSG, ele é lembrado com carinho na capital francesa, após uma passagem de dois anos pelo Racing Paris.

George Cameron também treinou a seleção nacional, mas não conseguiu se classificar para a Copa do Mundo de 2006.

Depois de uma passagem pelo Oriente Médio, ele encerrou sua carreira de técnico de 35 anos em 2015, após uma temporada no comando do time argelino MC Alger.