Junho 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A indústria portuguesa de animação orientada para os criadores brilha como a nação honrada de Annecy

A indústria portuguesa de animação orientada para os criadores brilha como a nação honrada de Annecy

Por uma boa razão, Portugal é o país homenageado deste ano no Festival de Animação de Annecy. Há uma década, foram criadas novas estruturas de financiamento governamental que ajudaram a criar uma indústria jovem e vibrante que recebeu elogios da crítica e prémios em todo o mundo, incluindo o primeiro Óscar do país.

O que mais chama a atenção no cenário crescente da animação em Portugal é a sua incrível diversidade. Artistas locais competem nos maiores festivais do mundo com trabalhos tradicionais de animação 2D, stop-motion estelar, títulos de mídia mista e animação CG nítida de uma qualidade que não era possível há apenas alguns anos.

Mais da variedade

Segundo Fernando Gelrito, diretor artístico do festival Monstra, “Na minha opinião, a ausência de uma ‘escola estética’ forte que imponha orientações plásticas, regras técnicas, estéticas ou narrativas, tem levado a diferentes abordagens artísticas e à liberdade criativa. desacordo.”

E continua: “O forte vínculo de herança cultural que une a oralidade, a poesia e uma certa aparente inocência torna estes filmes estranhos e únicos num mundo caracterizado pela homogeneização através dos meios de comunicação globalizados. Uma alma portuguesa reconhecível.”

Colaboradoras regulares Laura Gonçalves e Alexandra Ramírez trabalharam juntas em títulos premiados de alto nível, incluindo “The Garbage Man”, de Gonçalves, que ganhou o Grande Prêmio em Zagreb, e “Tie”, de Ramírez, que competiu em Zagreb e Zagreb. Toronto a caminho do Prémio Sofia da Academia Portuguesa de Cinema para Melhor Curta-Metragem de Animação. A sua mais recente colaboração, “Perceps”, estreia na competição de curtas-metragens deste ano em Annecy.

Segundo os dois, o maior factor que contribui para o crescimento da indústria portuguesa são as “estruturas colaborativas dos autores que produzem os seus filmes”. Por exemplo, Gonçalves e Ramírez fazem parte do BAP – Animation Studio, uma organização dos principais especialistas portugueses em animação cujos nomes aparecem frequentemente nos créditos dos trabalhos um do outro.

Outro exemplo pode ser encontrado na animação Koala. As fileiras da organização incluem artistas de destaque como Vier Nev, cujo próximo projeto “A Dança dos Fanconos” participa do MIFA deste ano, e João González, diretor do curta de animação “Ice”, indicado ao Oscar e vencedor da Semana da Crítica de Cannes. . Comerciantes.” Em Cola, o estreante cineasta Diogo Costa trabalha em “The Hunt”, uma curta-metragem de terror animada em CG, inédita em Portugal, que enfatiza ainda mais a natureza aventureira dos criadores do país.

“O século 21 trouxe mais escolas de animação, novos estúdios e uma onda de novos diretores”, diz Galerito. “Eles mantiveram a mesma qualidade de história, estética e técnica das épocas anteriores e ganharam prêmios em todo o mundo.”

A Sardinha em Lata é uma das principais produtoras de animação da região, artística e comercialmente, e uma das poucas empresas atualmente capazes de colocar em produção um filme de animação. Os exemplos incluem o candidato a Annecy em 2022, “My Grandfather’s Demons” e o promissor projeto “The Day Ewan McGregor Introduced Me to His Parents”.

Gonçalves e Ramírez explicaram os factores práticos que impulsionam esta geração da animação portuguesa: “O ICA, a nossa principal fonte de financiamento, adicionou regulamentos para proteger os novos artistas que recebem apoio todos os anos e a liberdade criativa do que fazemos”.

As oportunidades de financiamento estrangeiro são menores em Portugal do que noutras regiões com indústrias mais estabelecidas. Netflix, Warner Bros. Embora empresas como a Discovery e a Amazon tenham encomendado trabalhos originais e de serviços a estúdios em França, Espanha e Reino Unido, Portugal não tem esse tipo de relacionamento com grandes distribuidores globais.

“Infelizmente não sentimos o impacto das grandes plataformas globais”, afirma Diogo Carvalho, produtor principal de Sardinha em Lata. “Tanto quanto sei, não desenvolveram nem adquiriram um título de animação português.”

Então, onde é que os artistas portugueses vão para obter financiamento quando querem lançar um projecto? Carvalho diz: “O caminho é encontrar o financiamento possível e encontrar coprodutores. Depois de fazer essas coisas, você poderá solicitar fundos europeus para finalizar o orçamento de produção.

Há uma década, o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) de Portugal introduziu um novo regime de financiamento para produções audiovisuais, incluindo animação. O projeto levou a um maior envolvimento com parceiros estrangeiros e não é coincidência que esta forma de arte tenha registado um crescimento impressionante nos últimos dez anos.

Um painel de especialistas portugueses, incluindo Carvalho, o consultor do ICA Nuno Fonseca, a coordenadora executiva da Europa Criativa Susana Costa Pereira e o diretor-produtor de “Nayola” José Miguel Ribeiro, organizarão um painel de discussão em Annecy para discutir a história recente do financiamento público para a animação em Portugal. . Os tópicos incluem enquadramentos legais, coprodução e financiamento portugueses.

As coproduções internacionais que gastem pelo menos 500.000 euros (540.000 dólares) em Portugal podem receber um desconto em dinheiro de 25-30% do seu gasto. Porcentagem baseada em um “teste cultural” que foca nas características do projeto. O limite de desconto é de 1,5 milhões de euros (1,6 milhões de dólares). Os fundos são administrados pela Agência Portuguesa do Cinema e do Audiovisual (ICA), pelo Turismo e pela Comissão do Cinema Português.

Gonçalves e Ramírez afirmam ter visto os benefícios de atrair investimento estrangeiro através do programa de descontos à vista. “Há mais coprodução, o que trouxe experiências de aprendizagem. Há mais escolas de pós-graduação especializadas em animação. O financiamento recente para longas-metragens de animação e o aumento do apoio a curtas-metragens criaram mais oportunidades. Criar oportunidades para criadores cria oportunidades para construir estruturas e equipes técnicas”, argumentam.

Algumas nuvens cinzentas continuam a pairar sobre a ainda jovem indústria portuguesa. Segundo Carvalho, a maioria dos artistas ainda não consegue viver com os salários pagos pelas produções locais. “Como apenas as empresas cinematográficas e as emissoras públicas investem na produção, os orçamentos ainda são limitados e é difícil financiar mão de obra adequada.”

Após o aumento do trabalho remoto durante a pandemia, mais artistas portugueses conseguem dividir o seu tempo entre o trabalho local e apresentações remotas para produções estrangeiras. “Trabalhar remotamente tornou-se mais comum e os profissionais têm a oportunidade de trabalhar em projetos mais bem remunerados no estrangeiro, sem sair do país, oferecendo-lhes melhores condições económicas”, acrescentou Carvalho.

O aumento do trabalho remoto tem o benefício adicional de os animadores locais trabalharem remotamente em projetos estrangeiros de grande orçamento, aprendendo competências que podem usar quando trabalham em projetos nacionais.

Alimentada por uma nova geração ambiciosa de talentos de animação bem treinados e educados e agora recebendo o apoio necessário para corresponder a essa ambição, a indústria da animação de Portugal merece atenção extra no Festival de Animação de Annecy deste ano.

Variedade Melhor

Inscrever-se Boletim Informativo de Variedades. Siga-nos para as últimas notícias Facebook, TwitterE Instagram.