Junho 14, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A Fed, liderada por Jerome Powell, começou a acreditar que o aumento das taxas de juro “pode ter menos efeitos do que no passado”.

A Fed, liderada por Jerome Powell, começou a acreditar que o aumento das taxas de juro “pode ter menos efeitos do que no passado”.

Após várias leituras de inflação inesperadamente elevadas, os responsáveis ​​da Fed concluíram numa reunião no início deste mês que demoraria mais tempo do que pensavam anteriormente para que a inflação arrefecesse o suficiente para justificar o corte da sua taxa de juro directora, que está agora no seu nível mais alto dos últimos anos 23. anos.

A ata da reunião de 1º de maio divulgada na quarta-feira mostrou que as autoridades também discutiram se a taxa básica de juros estava exercendo pressão suficiente sobre a economia para desacelerar ainda mais a inflação. Várias autoridades indicaram que não tinham certeza de quão restritivas seriam as políticas de taxas de juros do Fed, dizia a ata. Isto sugere que não era claro para os decisores políticos se estavam a fazer o suficiente para restringir o crescimento dos preços.

Taxas de juros mais altas “podem ter impactos menores do que no passado”, afirma a ata. Os economistas observam que muitos proprietários de casas americanos, por exemplo, refinanciaram as suas hipotecas durante a pandemia e mantiveram taxas de juro hipotecárias muito baixas. A maioria das grandes empresas também refinanciou a sua dívida a taxas de juro mais baixas, atenuando o impacto dos 11 aumentos das taxas de juro da Fed em 2022 e 2023.

Tais preocupações levantaram especulações de que a Fed poderá considerar aumentar a sua taxa de juro de referência em vez de a reduzir nos próximos meses. Na verdade, a acta referia que “vários” responsáveis ​​tinham “indicado a sua vontade” de aumentar as taxas de juro se a inflação acelerasse.

Mas numa conferência de imprensa imediatamente após a reunião, o presidente Jerome Powell disse que era “improvável” que a Fed voltasse a aumentar a sua taxa de juro de referência – uma observação que dinamizou temporariamente os mercados financeiros.

Na situação atual Após a reunião de 1 de Maio, os responsáveis ​​da Fed admitiram que o progresso do país na redução da inflação tinha estagnado nos primeiros três meses deste ano. Como resultado, disseram, não começariam a cortar a taxa de juro directora até que tivessem ganho “maior confiança” de que a inflação estava a regressar de forma constante ao seu objectivo de 2%. Uma taxa de juro mais baixa por parte da Fed levaria, em última análise, a custos mais baixos de hipotecas, empréstimos para aquisição de automóveis e outras formas de empréstimos ao consumidor e às empresas.

Powell também disse na época que ainda esperava que a inflação caísse ainda mais este ano. Mas acrescentou: “Tenho menos confiança nisso do que teria devido aos dados que vimos”.

Após um pico de 7,1% em 2022, a inflação medida pela medida preferida da Reserva Federal abrandou de forma constante durante a maior parte de 2023. Mas, nos últimos três meses, essa medida tem funcionado mais rapidamente do que é consistente com a meta de inflação do banco central.

Excluindo os custos voláteis dos alimentos e da energia, os preços subiram a uma taxa anual de 4,4% nos primeiros três meses deste ano, de acordo com o indicador da Reserva Federal, nitidamente superior ao ritmo de 1,6% registado em Dezembro. Esta aceleração diminuiu as esperanças de que a Fed consiga em breve reduzir a sua taxa de juro directora e alcançar uma “aterragem suave”, onde a inflação caia para 2% e uma recessão seja evitada.

No entanto, um relatório separado sobre a inflação elaborado pelo governo na semana passada mostrou que as pressões sobre os preços abrandaram ligeiramente em Abril. Embora um grupo de porta-vozes do Fed tenha saudado esta semana um relatório de inflação mais moderado em Abril, eles sublinharam que são necessárias mais leituras deste tipo para lhes permitir cortar as taxas de juro.

Na terça-feira, Christopher Waller, membro sênior do Conselho de Governadores do Fed, disse que “precisaria ver mais alguns meses de bons dados de inflação antes” de apoiar um corte nas taxas. Isto sugere que a Fed provavelmente não considerará cortar as taxas de juro antes de Setembro, no mínimo.

Assine o CFO Daily Newsletter para se manter atualizado sobre as tendências, questões e executivos que moldam as finanças corporativas. Cadastre-se gratuitamente.