Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A Comissão de Valores Mobiliários acusa o fundador de Frank, Charlie Javis, de fraudar o JPMorgan Chase

A Comissão de Valores Mobiliários acusa o fundador de Frank, Charlie Javis, de fraudar o JPMorgan Chase

Charlie Javis, o fundador de 31 anos da startup que foi acusado pelo JPMorgan Chase em um processo em dezembro de mentir para o banco quando este se preparava para assumir o controle de sua empresa, agora também enfrenta acusações criminais.

Na terça-feira, a Procuradoria dos EUA para o Distrito Sul de Nova York acusá-la Com fraudes em transferências, bancos e valores mobiliários. Ela disse que exagerou “injustamente e dramaticamente” o número de clientes que Frank, a extinta empresa de planejamento financeiro da faculdade, tinha em um plano para “induzir de forma fraudulenta o JPMorgan Chase a adquirir” sua startup por US $ 175 milhões.

O JPMorgan fez acusações semelhantes depois de adquirir Frank, que alegou ajudar milhões de estudantes e famílias a buscar ajuda financeira com mais facilidade.

A Sra. Javis, moradora de Miami Beach, foi presa na noite de segunda-feira no aeroporto de Newark, em Nova Jersey.

Três das acusações que ela enfrenta acarretam uma pena máxima de 30 anos de prisão. Um porta-voz disse que ela negou as acusações. Seu advogado, Alex Spiro, se recusou a comentar, assim como o JPMorgan.

De acordo com denúncia do Ministério Público Federal—W semelhante Também arquivado pela Securities and Exchange Commission na terça-feira – a Sra. Javis aumentou os dados para mostrar que a empresa tinha mais de quatro milhões de clientes quando tinha apenas uma fração disso.

O esquema envolvia, segundo alegações do governo, a contratação de um professor para criar contas falsas em um esforço para induzir o JPMorgan a acreditar que havia na verdade quatro milhões de usuários.

A queixa do procurador dos EUA incluía um slide intitulado “Tese de Frank”, que foi retirado de uma apresentação da empresa destinada a atrair potenciais investidores ou compradores. Lá, a empresa se gabava de ser uma “máquina de aquisição” que sabia “mais sobre nossos alunos do que qualquer credor, faculdade ou empregador”.

Na verdade, de acordo com o governo, a Sra. Javis supervisionou os esforços para construir uma lista de clientes forjados, obtendo nomes, informações de contato e outros dados de empresas terceirizadas. Frank então passou esses nomes para o JPMorgan como seus clientes existentes.

No processo do JPMorgan, o banco disse que ficou desconfiado quando um teste de marketing usando os dados de Frank falhou radicalmente. A empresa também processou Olivier Amar, que era diretor de crescimento e aquisições de Franck antes de ser demitido pelo banco.

O nome de Ammar não foi mencionado nas denúncias abertas na terça-feira. Nem ele nem seu advogado retornaram mensagens pedindo comentários.

Quando o diretor de engenharia de Frank questionou a legalidade de um dos pedidos de manipulação de dados de Javis, de acordo com a denúncia do governo, ela respondeu que ninguém acabaria usando um “macaco laranja” por cima dela. Recusar-se a responder ao pedido.

De acordo com os promotores, os termos da aquisição do JPMorgan e o subsequente contrato de retenção poderiam ter deixado Javice com mais de US$ 45 milhões. Agora, a SEC é Perseguir Para forçá-lo a desistir de “todos os ganhos ilícitos”, incluindo juros, e também pagar multas.

“Mesmo empresas em estágio inicial que não são públicas devem ser honestas em sua representação”, disse Grewal, diretor de fiscalização da SEC, em comunicado. “E quando eles falharem, nós os responsabilizaremos, como neste caso.”