dezembro 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Zelensky pede que tropas façam mais prisioneiros após grande troca

Zelensky pede que tropas façam mais prisioneiros após grande troca

Kyiv (Reuters) – O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu nesta segunda-feira que suas forças façam mais prisioneiros, dizendo que isso facilitaria a libertação de soldados detidos pela Rússia.

Zelensky fez seus comentários horas depois que os dois lados conduziram uma das maiores trocas de prisioneiros até hoje, na qual um total de 218 detidos foram trocados, incluindo 108 mulheres ucranianas.

“Agradeço a todos que participaram deste sucesso, bem como a todos aqueles que reabastecem os recursos do nosso fundo cambial e garantem a captura de inimigos”, disse ele em discurso à noite.

“Quanto mais prisioneiros russos tivermos, mais cedo poderemos libertar nossos heróis. Todo soldado ucraniano, todo comandante na linha de frente deve se lembrar disso.”

Andrei Yermak, chefe de gabinete de Zelensky, disse que havia 12 civis entre as mulheres libertadas.

“Foi a primeira exchange totalmente feminina”, escreveu ele no aplicativo de mensagens Telegram, acrescentando que 37 das mulheres foram presas depois que as forças russas apreenderam as gigantescas siderúrgicas Azovstal na cidade costeira de Mariupol em maio.

Uma das mulheres, a paramédica Victoria Obedina, disse que até o último momento o grupo não fazia ideia da troca. Obedina estava com sua filha quando Mariupol caiu, mas depois se divorciaram.

“Vou ver minha filha. Quero muito vê-la”, disse ela a repórteres.

Separadamente, o Ministério do Interior da Ucrânia disse que algumas das mulheres estavam presas desde 2019 depois de terem sido presas pelas autoridades pró-Moscou nas regiões orientais. Mais cedo, o chefe de uma das regiões indicadas pela Rússia disse que Kyiv havia libertado 80 marinheiros civis e 30 militares.

(Reportagem de Max Hunder e David Leungren; Edição de Sandra Mahler e Grant McCall)

READ  Seis países do Golfo alertam a Netflix sobre conteúdo que viola "valores islâmicos" | Direitos LGBTQ+