maio 24, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Yo-Yo Ma interpreta Mozart com refugiados afegãos em Portugal

LISBOA, Portugal (AP) – O famoso violoncelista americano Yo-Yo Ma, juntamente com refugiados do Instituto Nacional de Música afegão, na capital portuguesa, Lisboa, na terça-feira, para o show Ein Klein Nostmusic de Mozart.

Ma juntou-se a jovens músicos afegãos e portugueses em um pequeno palco no Conservatório Nacional onde os refugiados estudam em dezembro passado.

“A melhor cultura defensiva contra qualquer coisa”, disse Ma a dezenas de platéias de Lisboa em um discurso.

“Arriscaram a vida por algo em que acreditavam. Em Lisboa abriam-se os corações e arriscou-se todo o tipo de coisas para fazer o que era humano”, disse.

Um grupo de 273 pessoas, incluindo cerca de 150 estudantes do Instituto Nacional de Música do Afeganistão, recebeu refúgio quando os talibãs portugueses fugiram do Afeganistão em agosto passado. Farinha ajudou-os a sair do Afeganistão.

O Talibã tomou o poder quando os EUA e a OTAN encerraram sua presença militar de 20 anos.

O Afeganistão tem uma forte tradição musical, e uma cena de música pop floresceu lá nas últimas duas décadas. Mas muitos músicos temiam por seu futuro sob o Talibã, que governa de acordo com interpretações estritas da lei islâmica.

Dr. Ahmed Sarmast, fundador e presidente da Associação Nacional de Música do Afeganistão, disse: “O processo de integração de nossa comunidade está indo muito bem aqui.

“Os alunos estão de volta à escola, vão para o Conservatório, fazem música, juntam-se a tantas bandas e bandas, estão lentamente começando a causar um maravilhoso impacto musical em sua comunidade”, disse ele à Associated Press. Desempenho à parte.

Ma e Sarmast trocaram hippies com estudantes, alguns dos quais também tocaram instrumentos tradicionais afegãos após a recitação de Mozart.

READ  Ronaldo ambiciona um lugar no WCup de Portugal

Marcia Anwari, uma musicista adolescente do Instituto Nacional de Música do Afeganistão, disse que Ma era acessível e a mantinha relaxada.

“Ele é muito bom”, disse ela. “Estou muito feliz agora.”

O plano é recriar a instituição em Portugal para permitir que os alunos continuem seus estudos como parte de um centro mais amplo de cultura afegã em Lisboa que recebe deportados.