dezembro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Washington Post: EUA pedem à Ucrânia que se abra às negociações com a Rússia

Washington Post: EUA pedem à Ucrânia que se abra às negociações com a Rússia

  • Relatório: EUA pedem à Ucrânia que se abra a negociações com a Rússia
  • The Washington Post: Recusar-se a falar com Putin ameaça apoiar a Ucrânia
  • O Ministério das Relações Exteriores da Rússia diz que a Rússia está intensificando a guerra e não leva a sério as negociações
  • Retirada russa pode significar a rendição de Kherson

WASHINGTON/Kyiv, 6 de novembro (Reuters) – Os Estados Unidos estão particularmente encorajando a Ucrânia a expressar abertura à negociação com a Rússia, com o Departamento de Estado dizendo que Moscou está intensificando a guerra e não está seriamente disposta a se engajar na paz, informou o Washington Post. conversas.

O jornal citou fontes não identificadas dizendo que o pedido de autoridades norte-americanas não tinha a intenção de trazer a Ucrânia para a mesa de negociações, mas sim uma tentativa calculada de garantir que Kyiv mantenha o apoio de outros países.

O jornal disse que autoridades norte-americanas e ucranianas reconheceram que a proibição do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky de conversar com o presidente russo, Vladimir Putin, levantou preocupações em partes da Europa, África e América Latina, onde os efeitos da guerra sobre os custos de alimentos e combustíveis foram mais graves.

Citou uma autoridade americana não identificada dizendo que “o cansaço na Ucrânia é uma coisa real para alguns de nossos parceiros”.

Zelensky assinou um decreto em 4 de outubro declarando oficialmente qualquer conversa ucraniana com Putin “impossível”, mas deixando a porta aberta para conversas com a Rússia.

Não houve comentários imediatos do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca sobre a precisão do relatório.

Um porta-voz do Departamento de Estado respondeu: “Já dissemos isso antes e vamos dizer de novo: ações falam mais alto que palavras. Se a Rússia estiver pronta para negociar, deve parar seus mísseis e mísseis e retirar suas forças da Ucrânia”.

READ  Parece que o mercado europeu é um comboio blindado russo em direção a Kiev

“O Kremlin continua a escalar esta guerra. O Kremlin demonstrou sua relutância em se envolver seriamente em negociações antes mesmo de iniciar sua invasão em grande escala da Ucrânia.”

O porta-voz também se referiu às declarações de Zelensky na sexta-feira, nas quais disse: “Estamos prontos para a paz, para uma paz justa e justa, e expressamos sua fórmula várias vezes”.

Em seu discurso noturno ao povo ucraniano na sexta-feira, Zelensky acrescentou: “O mundo conhece nossa posição. Isso é respeito pela Carta da ONU, respeito por nossa integridade territorial e respeito por nosso povo”.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse durante uma visita a Kyiv na sexta-feira que o apoio de Washington à Ucrânia permanecerá “inabalável e inabalável” após as eleições parlamentares de terça-feira.

Os Estados Unidos anunciaram mais US$ 400 milhões em assistência de segurança à Ucrânia, incluindo a reforma de tanques T-72 da República Tcheca e mísseis de defesa aérea HAWK que podem ser usados ​​contra drones e mísseis de cruzeiro russos.

A nova assistência elevou a quantidade de ajuda militar dos EUA enviada a Kyiv para mais de US$ 18,2 bilhões desde a invasão.

brigando

Agências de notícias russas, citando serviços de emergência, informaram no domingo que a vasta represa de Nova Kakhovka, na Ucrânia, controlada pelos russos, foi danificada por bombardeios das forças ucranianas. Os relatórios não forneceram nenhuma evidência para apoiar a alegação, que a Reuters não pôde verificar imediatamente.

A agência de notícias russa TASS citou um representante dos serviços de emergência dizendo que um míssil disparado pelo sistema de mísseis HIMARS, fabricado nos EUA, atingiu a eclusa da barragem e a danificou. O jornal citou o funcionário dizendo que foi uma “tentativa de criar as condições para um desastre humanitário” ao romper a barragem.

READ  Truss defende seu plano econômico enquanto conservadores do Reino Unido se reúnem

A barragem, que bloqueia o rio Dnipro na nascente da cidade de Kherson, no sul, onde as forças ucranianas estão avançando, ganhou importância estratégica nas últimas semanas.

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia foram acusadas repetidamente desde outubro de conspirar para romper a barragem com explosivos, em um movimento que inundaria grande parte da área a jusante, o que provavelmente causará uma destruição significativa ao redor da cidade de Kherson.

No mais recente sinal da retirada da Rússia em uma das áreas mais disputadas, Putin apoiou publicamente a evacuação de civis de partes da região de Kherson na sexta-feira.

Esta parece ser a primeira vez que Putin aprova pessoalmente as evacuações, apesar de Moscou estar movendo pessoas de uma área que controla em Kherson, na margem ocidental do rio Dnipro.

A Rússia disse na semana passada que a zona de evacuação também incluiria uma zona tampão de 15 quilômetros na margem leste.

Kyiv diz que as medidas incluem a deportação forçada de civis, um crime de guerra, que a Rússia nega.

Os comentários de Putin vieram em meio a indicações de que a Rússia pode estar se preparando para desistir de sua posição militar na margem ocidental do rio Dnipro, incluindo a cidade de Kherson, controlada pela Rússia.

A capital regional é a única grande cidade que a Rússia capturou intacta desde sua invasão em fevereiro. Sua perda de forças russas seria um dos golpes mais severos da guerra.

A agência de notícias estatal russa informou que uma das empresas de energia em Kherson, no domingo, disse que não há eletricidade na cidade. A Agência de Informação Russa citou o serviço de imprensa Khersonoplinergo dizendo que as razões para a interrupção foram esclarecidas.

READ  Equipes de resgate retiram menino preso em poço no Marrocos

Reportagem dos escritórios da Reuters. escrita por Michael Berry; Edição por William Mallard e William MacLean

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.