dezembro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Visite o Hotel Pa.te.os em Portugal por Aires Mateus

O mais recente caso de amor do atelier de arquitectura português Aires Mateus com o betão é o novo Pa.te.os Hotel – ou, em português, ‘pátios’. Inserido numa parte indomável da paisagem alentejana, o projeto consiste em casas de pátio interligadas com vista para o Atlântico num bosque de carvalhos na encosta da Serra da Grândola. Suas formas concretas, como esculturas na floresta, permitem que o ambiente natural faça parte da arquitetura. Recortadas com confiança em blocos de concreto robustos, as formas refletem a topografia montanhosa da região, proporcionando pontos de observação para conectar terra e mar.

“A ambição deste projeto é criar uma relação entre a natureza e a construção e estendê-la aos espaços construídos. Construímos, observamos, selecionamos e captamos a paisagem’, disseram os arquitetos.

(Crédito da imagem: Francisco Noguera)

Para ligar ainda mais o edifício à sua localização, Ayres Mateus olhou para o património arquitetónico islâmico das regiões do sul de Portugal. Como o próprio nome sugere, Pa.te.os explora o legado da área de casas com pátio e o conceito do pátio como um lugar onde a natureza e a construção feita pelo homem se encontram.

‘As casas se espalham por pátios ao ar livre, dialogando com os espaços fechados. o [adjoining] Jardas, nervoso [with] construções […] Perpetua a relação entre interior e paisagem”, explicam os arquitetos. Os espaços de convivência se estendem aos pátios para descanso e refeições ao ar livre. Pátios escondidos emolduram o céu como uma instalação de James Turrell. Os chuveiros ao ar livre são protegidos da vista e dos ventos do Atlântico.

READ  Muitos países, incluindo Portugal, oferecem vistos de nômade digital da moda

A piscina infinita tem vista para a natureza portuguesa

(Crédito da imagem: Francisco Noguera)

As forças por trás do Pa.te.os são os hoteleiros Sofia e Miguel Charters da Primosfera. O nome da empresa de promoção imobiliária familiar sediada em Lisboa combina as palavras portuguesas para ‘prime/premium’, ‘propriedade’ e ‘esfera/globo’. Ambos os fundadores passaram os verões de infância no Alentejo, onde regressaram já adultos com o sonho partilhado de construir uma casa de veraneio assente nas suas memórias e ligação à terra, hospitalidade à família e amigos.

Eles começaram na Casa de Djolo, de 1.200 metros quadrados (literalmente, ‘casa de tijolos’) – sua residência particular na região, projetada por Ayres Mateus. Utiliza argila e matéria-prima local para o seu artesanato, feito por artesãos cerâmicos locais em São Pedro do Corval. O Pa.te.os fica no mesmo hectare, mas foi criado 15 anos depois, quando os donos do hotel trouxeram os mesmos arquitetos para realizar outro sonho: compartilhar com o mundo sua relação íntima com a terra.

Pa.te.os dentro do quarto minimalista do hotel

(Crédito da imagem: Francisco Noguera)

O Pa.te.os é composto por quatro casas de pátio, incluindo apartamentos de um a três quartos, todos integrados na paisagem natural. Seu arranjo arquitetônico foi projetado para enquadrar a natureza, convidá-la a entrar e convidar os hóspedes a vê-la. Cada bloco é orientado para vistas panorâmicas que oferecem vistas do Atlântico, das terras altas e da costa Arábica. Cada vista é elegantemente emoldurada por uma parede de vidro ‘desaparecida’ que, quando aberta, transforma o interior em um pátio ao ar livre.

A abertura permite que os hóspedes se conectem com a natureza não apenas pela vista, mas também pelo cheiro, pela brisa e pelo movimento de cada dia, dizem os arquitetos. Interior e exterior tornam-se intercambiáveis. Da mesma forma, uma piscina infinita no pátio comum cria um novo horizonte e vista.

READ  Veja voo da Madeira, Portugal 4T21

Paisagem de moldura de janela de concreto em Portugal

(Crédito da imagem: Francisco Noguera)

As casas são projetadas para parecer que os hoteleiros moram lá. Há uma honestidade nessa abordagem que segue o mantra ‘o que você vê é o que você gosta’ da Primosfera. Além disso, como em todos os projetos da empresa com Aires Mateus, o projeto prima pela autenticidade no uso do material, equilíbrio entre forma e função e uma relação de sustentação da localidade. Por exemplo, quando foi preparado o terreno para a vinha do hotel, a ardósia que veio à superfície foi recolhida e utilizada para azulejar os pátios, que ligam os caminhos e as casas. Enquanto isso, os interiores minimalistas de inspiração escandinava exibem matérias-primas em seus quentes pisos de concreto, móveis de carvalho aconchegantes e paletas de cores terrosas.

A Pa.te.os é o resultado de uma estreita colaboração entre a sua paisagem e a sua equipa criativa. Os arquitetos acrescentam que ‘todo o projeto foi pensado a partir da paisagem’. ‘Todos os espaços, movimentos e enquadramentos são pensados ​​para valorizar e extrair valor deste lugar especial.’

Foto ao entardecer do exterior do pavilhão de concreto no hotel pa.te.os em Portugal

(Crédito da imagem: Francisco Noguera)

pateo.pt (abre em nova aba)