agosto 18, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Viagem ao Oriente Médio: Biden segue para a Arábia Saudita enquanto a Casa Branca se prepara para se encontrar com Mohammed bin Salman

Viagem ao Oriente Médio: Biden segue para a Arábia Saudita enquanto a Casa Branca se prepara para se encontrar com Mohammed bin Salman

Quando Biden chegar a Jeddah na sexta-feira, ele participará primeiro de uma reunião formal com o rei saudita Salman, mas – dada a deterioração da saúde do rei – Mohammed bin Salman, o governante de fato do reino, moderará a sessão de trabalho. A Casa Branca não reconheceu que Biden se reuniria diretamente com Mohammed bin Salman até que o cronograma fosse publicado na noite de quinta-feira.

Semanas atrás, Biden estava minimizando seu encontro com o príncipe herdeiro, que os EUA disseram ter punido o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. O príncipe herdeiro negou qualquer papel.

“Não vou me encontrar com Mohammed bin Salman. Vou participar de uma reunião internacional e ele fará parte dela”, disse Biden a repórteres no mês passado.

Mas ele não se reunirá com outros líderes mundiais na cúpula do GCC+3 até sábado e sexta-feira e o foco permanecerá nos sauditas.

Autoridades da Casa Branca concordaram que sofreriam fortes críticas pela reunião, inclusive de membros do partido de Biden, mas decidiram seguir em frente porque a viam como a opção mais prática, reconhecendo que trabalhar com os sauditas é muito mais fácil do que sem ela. elas.

Embora não se espere anunciar explicitamente um aumento na produção de petróleo assim que Biden deixar Jeddah, as autoridades esperam anunciar isso nas próximas semanas, além do progresso no cessar-fogo no Iêmen.

A visita de trabalho de Biden a Mohammed bin Salman é vista como uma oportunidade de redefinir o relacionamento, e as autoridades dizem que, dependendo de como a reunião for, Biden pode começar a se comunicar com Mohammed bin Salman diretamente durante as ligações, o que ele se recusou a fazer até agora.

O presidente tem defendido repetidamente Sua decisão de viajar para a Arábia Saudita e encontrar Mohammed bin Salman, Preservar seu governo quer liderar na região e não criar vácuo para isso Rússia E a China para preencher. Mas a viagem está sob intenso escrutínio, e a decisão de se encontrar com Mohammed bin Salman é um afastamento significativo da promessa de campanha de Biden. A Arábia Saudita é um estado pária.

As interações do presidente com o príncipe herdeiro estarão sujeitas a intenso escrutínio – particularmente como ele cumprimenta Mohammed bin Salman e se Biden aperta a mão dele. A Casa Branca procurou minimizar a importância de qualquer saudação entre Biden e MBS.

“Estamos nos concentrando em reuniões, não em cumprimentos”, disse um alto funcionário do governo a repórteres.

READ  Preços dos alimentos se aproximam de recordes, ameaçando os mais pobres do mundo

O funcionário disse: “O presidente vai cumprimentar os líderes como ele faz. Não há regras especiais para um líder ou outro. Então eu sei que entendemos um pouco essa pergunta, mas para aqueles de nós que fazem o trabalho, é realmente… nós nos concentramos na substância das reuniões e não nas saudações especiais. Vai. Chefe para cerca de dez chefes e os cumprimentará como costuma fazer.

O aperto de mão de Biden – ou não – estava sob o microscópio Durante esta viagem, depois que a Casa Branca disse que o presidente estava procurando reduzir o contato com outras pessoas em meio à disseminação de uma alternativa transmissível à variante Omicron do Covid-19. Biden se desviou marcadamente dessa diretriz em várias ocasiões durante seus dois dias em Israel depois de mostrar-lhe alguns solavancos após sua chegada, alimentando especulações de que a diretriz da Casa Branca era uma desculpa elaborada para Biden evitar apertar a mão do príncipe herdeiro. .

Biden na Arábia Saudita

O voo para Jeddah A Casa Branca tem sido particularmente espinhosa desde que começou a aparecer no início deste ano, dada a promessa de campanha do presidente de tornar a nação um país “pária” pelo assassinato de Khashoggi.
Biden parou na quinta-feira Ao se comprometer a levantar o assassinato de Khashoggi diretamente com líderes na Arábia Saudita, ele disse que “sempre” falou sobre direitos humanos e que suas opiniões sobre o assassinato eram “absolutamente claras e positivas”. Autoridades dos EUA disseram à CNN no futuro Da viagem que Biden deveria levar Khashoggi com Mohammed bin Salman.

Durante a noite, a Arábia Saudita confirmou um anúncio esperado de abertura de seu espaço aéreo para a Israel Airlines. Biden elogiou a “decisão histórica” ​​que se seguiu a “meses de diplomacia consistente”, observando que ele se tornaria o primeiro presidente dos EUA a voar de Israel para a Arábia Saudita.

A viagem ocorre em meio ao aumento dos preços do gás e à inflação galopante nos EUA e em todo o mundo, em parte devido à A invasão russa da Ucrâniaembora o presidente e outras autoridades tenham descartado os ricos suprimentos de petróleo da Arábia Saudita como um grande catalisador para a viagem.

Um alto funcionário do governo disse que as reuniões com a liderança saudita se concentrarão no fortalecimento da trégua em andamento no Iêmen, cooperação tecnológica, incluindo 5G, energia limpa, infraestrutura global e direitos humanos, além de discutir o fornecimento global de energia.

READ  Alemanha expulsa dois diplomatas russos após condená-los por assassinato

Mas o funcionário indicou que os Estados Unidos, a Arábia Saudita e outras autoridades do Oriente Médio falarão sobre questões de segurança energética e que Biden se comunicará com líderes mundiais para reduzir os preços do gás.

“Acho que a conversa está realmente focada, dadas as condições atuais do mercado, como vemos as coisas? Como vemos os próximos seis meses e como mantemos os mercados em equilíbrio de forma a contribuir para o crescimento econômico contínuo? Então esse é o nosso foco compartilhado não apenas com os sauditas, mas com outros produtores”.

O funcionário acrescentou: “E, claro, o presidente disse meses atrás que faria tudo ao seu alcance para baixar os preços. Isso inclui a emissão de nossa Reserva Estratégica de Petróleo. Isso inclui diplomacia com outros produtores e inclui, é claro, Produção.”

Biden na Cisjordânia

Mas antes de viajar para a Arábia Saudita na maior parte de sua viagem, Biden teve uma série de compromissos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia e vários anúncios de financiamento destinados a ajudar os palestinos.

Biden se encontrou com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, na Cisjordânia, antes de seguir para a Arábia Saudita para a partida final. De sua viagem ao Oriente Médio monitorado de perto. A reunião com o líder palestino ocorre enquanto Biden continua pedindo A solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino, Embora ele diga que não vê tal arranjo materializado no “próximo prazo”.

Biden reconheceu durante suas declarações após sua reunião com Abbas que tal acordo “parece improvável” e que “o terreno não está maduro neste momento para a retomada das negociações”.

No entanto, ele também observou que melhores relações entre Israel e os países árabes podem levar ao impulso de um acordo entre israelenses e palestinos.

“Acredito que neste momento em que Israel está melhorando as relações com seus vizinhos em toda a região, podemos aproveitar o mesmo impulso para revigorar o processo de paz entre o povo palestino e israelense”, disse Biden.

Biden disse que o assassinato do jornalista palestino-americano Shireen Abu Akleh, que foi morto a tiros enquanto cobria uma operação militar israelense na Cisjordânia, é “uma tremenda perda para o trabalho essencial de compartilhar a história do mundo com o povo palestino”.

Biden fez comentários no Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém Oriental, no qual anunciou que estava pedindo ao Congresso que aprovasse até US$ 100 milhões para a rede hospitalar de Jerusalém Oriental. O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, cortou US$ 25 milhões em financiamento planejado para a rede durante seu mandato.

READ  Macron nomeia Elizabeth Bourne como nova primeira-ministra da França

“Faz parte do nosso compromisso apoiar a saúde e a dignidade do povo palestino”, disse ele, observando o “pesado custo” da pandemia de Covid-19 no sistema hospitalar.

Ele continuou: “Trabalhando juntos, rezo para que os Estados Unidos ajudem a aliviar a dívida hospitalar e apoiem atualizações direcionadas de infraestrutura e grandes reformas no atendimento ao paciente para garantir a estabilidade financeira a longo prazo”.

As reuniões seguem a sessão de quinta-feira com o primeiro-ministro israelense Yair Lapid, que na sexta-feira disse que a visita do presidente mostra seu “compromisso com o poderio militar e diplomático de Israel” e “comoveu todo o país”.

Na manhã de sexta-feira, o presidente também anunciou a provisão de US$ 201 milhões adicionais para a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos para apoiar os refugiados palestinos na Cisjordânia, Gaza, Jordânia, Líbano e Líbano. SíriaSegundo a Casa Branca.

Biden disse que Israel está comprometido em trabalhar com os palestinos para acelerar a implementação da rede 4G em Gaza e na Cisjordânia, com o objetivo de lançar essa infraestrutura até o final do próximo ano.

“Uma das prioridades do presidente Biden era reconstruir as relações com os palestinos que o governo anterior rompeu”, disse o funcionário.

A autoridade disse que Biden dirá a Abbas que Israel concordou em aumentar o acesso à Ponte Allenby para que palestinos e outros possam acessá-la 24 horas por dia, 7 dias por semana até setembro. Israel controla a ponte, que é o único ponto de passagem para a Jordânia para palestinos da Cisjordânia.

“Ele também anunciará medidas para construir apoio de base para a paz, inclusive por meio de apoio à cooperação e intercâmbios profissionais entre os setores de saúde palestino e israelense enquanto trabalham para construir confiança mútua”, disse o funcionário.

Os Estados Unidos também fornecerão US$ 15 milhões adicionais em assistência humanitária aos palestinos em resposta à crescente insegurança alimentar causada pela invasão russa da Ucrânia.

Antes de partir para a Arábia Saudita, disse o funcionário, Biden também visitou a Igreja da Natividade “para enfatizar o apoio aos cristãos que enfrentam desafios em toda a região”.

Kaitlan Collins da CNN contribuiu para este relatório.