outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Uma enorme cratera sob o Atlântico Norte revela que um asteroide que matou os dinossauros não estava sozinho

A descoberta de uma grande cratera sob o Atlântico Norte revela que mais de um asteroide poderia ter matado os dinossauros.

Uma cratera recentemente descoberta no fundo do mar indica que mais de um asteróide pode ter atingido a Terra durante o tempo em que os dinossauros foram extintos.

Cientistas descobriram evidências de uma cratera de impacto de asteroide sob o Oceano Atlântico Norte. Poderia forçar os pesquisadores a repensar como os dinossauros chegaram ao fim de seu reinado.

A equipe acredita que a cratera foi causada por um asteroide colidindo com a Terra há cerca de 66 milhões de anos. Isso foi na mesma época em que o asteroide Chicxulub atingiu a Terra na costa do atual Yucatán, no México, exterminando os dinossauros.

“Isso poderia ter causado um tsunami de mais de 3.000 pés, bem como um terremoto de 6,5 graus.” – Verônica Bray

A cratera, com mais de 8 quilômetros de diâmetro, foi descoberta usando medições sísmicas, que permitem aos cientistas explorar as profundezas da superfície da Terra.

Veronica Bray, pesquisadora do Laboratório Planetário e Lunar da Universidade do Arizona, coautora de um estudo em progresso da ciência Em detalhes a descoberta. É especializado em crateras localizadas em todo o sistema solar.

Batizada com o nome de um monte submarino próximo, a cratera de Nader está enterrada a 400 metros abaixo do fundo do mar, a cerca de 400 quilômetros da costa da Guiné, na África Ocidental. De acordo com a equipe de pesquisa, o asteroide que criou a recém-descoberta cratera Nader pode ter sido formado pela queda de um asteroide original ou por um enxame de asteroides naquele período. Se a cratera for confirmada, a cratera será uma das menos de 20 crateras arqueológicas marinhas confirmadas encontradas na Terra.

Verônica Bray

Veronica Bray, fotografada aqui durante uma visita à Cratera do Meteoro no norte do Arizona, é especialista em formação de crateras. Crédito: Sarah Sutton/Moon and Planetary Laboratory

Qual é o impacto do asteroide?

Bray usou simulações de computador para determinar que tipo de colisão ocorreu e quais eram os efeitos prováveis. Simulações indicam que a cratera foi causada pelo impacto de um asteroide de 1.300 pés (400 metros de largura) em 1.600 a 2.600 pés (500 a 800 metros) de água.

“Isso pode ter causado um tsunami de mais de 3.000 pés, bem como um terremoto de 6,5 graus”, disse Bray. “Embora muito menor do que a catástrofe global do efeito Chicxulub, Nader contribuiu significativamente para a devastação local. E se encontrarmos um dos ‘irmãos’ Chicxulub, abre-se a pergunta: existem outros?”

O tamanho estimado do asteróide o colocaria aproximadamente no mesmo nível asteróide benoAlvo Osíris Reiliderado por UArizona[{” attribute=””>NASA asteroid sample return mission. According to Bray’s calculations, the energy released from the impact that caused the Nadir crater would have been around 1,000 times greater than the tsunami caused by the massive underwater eruption of the Hunga Tonga-Hunga Ha’apai volcano in the Polynesian country of Tonga on January 15.

“These are preliminary simulations and need to be refined when we get more data,” Bray said, “but they provide important new insights into the possible ocean depths in this area at the time of impact.”

What does the crater look like?

The crater was discovered somewhat by accident by Uisdean Nicholson, a geologist at Heriot-Watt University in Edinburgh. He was examining seismic reflection data from the seabed during a research project dedicated to seafloor spreading, the geologic process that caused the African and American continents to drift apart, thereby opening the Atlantic Ocean.

“I’ve interpreted lots of seismic data in my time, but had never seen anything like this. Instead of the flat sedimentary sequences I was expecting on the plateau, I found an 8.5-kilometer depression under the seabed, with very unusual characteristics,” Nicholson said. “It has particular features that point to a meteor impact crater. It has a raised rim and a very prominent central uplift, which is consistent for large impact craters.

“It also has what looks like ejecta outside the crater, with very chaotic sedimentary deposits extending for tens of kilometers outside of the crater,” he added. “The characteristics are just not consistent with other crater-forming processes like salt withdrawal or the collapse of a volcano.”

The asteroid crashed around same time as the dinosaur killer

“The Nadir Crater is an incredibly exciting discovery of a second impact close in time to the Cretaceous–Paleogene extinction,” said study co-author Sean Gulick, an impact expert at the University of Texas at Austin. “While much smaller than the extinction causing Chicxulub impactor, its very existence requires us to investigate the possibility of an impact cluster in the latest Cretaceous.”

According to the seismic data, the sediments impacted by the asteroid likely correspond with the Cretaceous-Paleogene boundary – a sedimentary layer demarcating the end of the Cretaceous period and last known occurrence of dinosaurs. However, there is some uncertainty about the precise time of impact, limited by the resolution of the data.

“Despite 4 billion years of impactors hitting Earth, only 200 have been discovered,” Gulick said. “It is thus exciting news whenever a new potential impact is discovered, especially in the hard-to-explore marine environment.”

Nicholson has already applied for funding to drill into the seabed to confirm that it’s an asteroid impact crater and test its precise age.

Reference: “The Nadir Crater offshore West Africa: A candidate Cretaceous-Paleogene impact structure” by Uisdean Nicholson, Veronica J. Bray, Sean P. S. Gulick and Benedict Aduomahor, 17 August 2022, Science Advances.
DOI: 10.1126/sciadv.abn3096

READ  Estudo diz que novas imagens de Marte guiarão a busca por evidências de vida antiga NASA