agosto 7, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

‘Tendência ruim’: variante Omicron pode trazer segunda maior onda de Covid nos EUA | Variável Omícron

TA versão BA.5 do Covid-19 tornou-se A maioria de tipo de vírus na América dentro de semanas, em um desenvolvimento preocupante que vem em meio ao que Já pode ser A segunda maior onda da epidemia na América.

Também ocorre em um momento em que a maioria dos EUA aliviou quase todas as restrições do Covid em público e a vida voltou ao normal.

É muito claro que o Covid-19 ainda não acabou. “Estamos vendo aumentos significativos no número de casos e hospitalizações em muitos lugares nos Estados Unidos”, disse Jason Salemi, professor associado de epidemiologia do Public College da Universidade do Sul da Flórida. saúde.

À medida que BA.5, uma das subvariantes do Omicron, começa a chegar aos Estados Unidos, “estamos indo em uma direção ruim”, disse Salmi. “Nós vimos isso acontecer por um tempo… nós vimos isso acontecer implacavelmente.”

Mais de um em cada três americanos vive em um condado com risco moderado de Covid e um em cada cinco está em alto risco, de acordo com Aos Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Este é o maior percentual de risco enfrentado no país desde fevereiro, disse Salmi.

Já são mais de 100.000 novos casos de COVID-19 confirmado nos EUA todos os dias – uma taxa que tem sido bastante constante nas últimas seis semanas. Embora o número de casos tenha diminuído no Nordeste, os aumentos agora estão atingindo outras partes do país.

Ao mesmo tempo, os hospitais um mais de forma constante desde o declínio mais baixo da epidemia em abril – embora o aumento não tenha sido tão acentuado ou máximo quanto as ondas anteriores.

“Quanto mais velho você fica, maior a probabilidade de ser hospitalizado”, disse Salemi. “Mas a hospitalização está aumentando para cada faixa etária.”

A hospitalização tende a ser adiada por alguns dias. Mas especialistas dizem que a taxa aparentemente estável de casos com aumento de hospitalização significa que algo mais parece estar em jogo – talvez imunidade diminuída diante de uma variante mais infecciosa, evasiva e patogênica.

O vírus evolui para escapar da proteção contra a infecção proporcionada pela vacinação ou curar uma doença anterior com Covid e parece ser mais transmissível também.

Tulio de Oliveira, diretor do Centro de Resposta e Inovação Epidemiológica da Universidade de Stellenbosch e chefe da Rede de Vigilância Genômica da África do Sul, diz que as propriedades imunoevasivas das variantes em evolução tornam as novas ondas mais prováveis.

“Provavelmente são variantes BA.4 e 5 que podem penetrar facilmente na imunidade”, disse ele. Eles são “realmente capazes de se infectar novamente”.

De Oliveira disse que BA.1 na África do Sul – a primeira variante do Omicron – oferece muito pouca proteção contra a infecção com BA.4 e BA.5. Segundo o laboratório, os anticorpos gerados pela infecção com BA.1 não protegem contra a reinfecção após dois ou três meses. Pesquisar.

Parece que ter BA.2 oferece alguma proteção, disse ele, talvez porque essa onda seja mais recente.

Mas, embora a imunidade à infecção pareça baixa, a imunidade anterior ainda se mantém bem contra resultados graves, como hospitalização e morte.

As pessoas que foram vacinadas e que foram infectadas anteriormente “adquiram facilmente BA.4 e BA.5, mas desenvolverão muito pouca doença”, disse Oliveira.

Em pré-impressão estudar Em hamsters, as novas variantes parecem ser mais virulentas e patogênicas do que as variantes Omicron anteriores. Mas a África do Sul nunca experimentou mais perigo de BA.4 e 5 do que durante outras ondas Omicron.

Isso porque a gravidade dessas variantes depende dos níveis de imunidade, além de suas características intrínsecas. “Atualmente [severity] É uma propriedade não só da variável em si, mas da variável e da população que ela encontra”, disse Oliveira.

Mesmo antes desse aumento, estimava-se que cerca de 95% dos sul-africanos estavam protegidos da vacinação ou de episódios anteriores de Covid.

“Achamos que foi essa imunidade híbrida na África do Sul que manteve nossa onda BA.4 e BA.5 sob controle com hospitalizações e mortes muito baixas”, disse Oliveira.

Mesmo que as variantes sejam mais patogênicas em laboratório, níveis mais altos de imunidade podem ajudar a prevenir doenças graves. Por isso, manter-se em dia com a vacinação é fundamental.

“O primeiro e o segundo reforços são muito importantes”, disse Salmi.

No entanto, apenas 34% dos americanos elegíveis – aqueles com mais de cinco anos – têm Receber Doses de reforço conforme recomendado pelo CDC. Enquanto a absorção do primeiro reforço foi melhor entre os americanos mais velhos, a faixa etária de maior risco, a absorção do segundo reforço foi muito baixa.

“Sem essas doses de reforço, há muitas oportunidades para imunidade reduzida e proteção diminuída da vacina, para permitir que essas novas variantes circulantes com algumas das características mais preocupantes causem mais danos”, disse Salemi. A imunidade enfraquecida combinada com uma variante mais evasiva de imunidade significa que “você pode começar a ver uma recuperação em alguns desses indicadores de doença grave”.

A mortalidade na África do Sul também permaneceu baixa porque os hospitais não estavam superlotados. “Quando as ondas BA.4 e BA.5 começaram, tínhamos UTIs completamente vazias – para que qualquer pessoa que estivesse doente pudesse ter um bom suporte”, disse Oliveira.

“Isso será fundamental nos Estados Unidos”, disse ele. “É muito diferente se uma nova onda aparecer e os hospitais já estiverem sobrecarregados.” Essa é uma das razões pelas quais a Onda Delta foi tão mortal, disse ele, porque durou tanto tempo e manteve os hospitais cheios.

Bolsões dos Estados Unidos com baixos níveis de imunidade – incluindo aqueles que não foram vacinados ou se recuperaram recentemente do vírus – podem ter doenças mais graves. Mas ele disse que lugares com taxas de vacinação mais altas e aumentos recentes provavelmente se sairão melhor quando se trata de hospitalização e morte.

Na África do Sul, a onda veio rapidamente e terminou rapidamente também – mas teve grandes implicações econômicas, pois as pessoas não puderam trabalhar devido a doenças.

Para manter os efeitos do boom, incluindo riscos de interrupção econômica e problemas de longo prazo como Long Covid, no mínimo, os americanos precisam “cortar os números o mais rápido possível”, disse Salmi.

Isso inclui tomar as mesmas medidas que demonstraram ajudar a gerenciar o vírus no passado: vacinas, máscaras, distanciamento, ventilação e testes.

“Por favor, não pense em mitigação como tudo ou nada”, disse Salmi. “Existem passos simples que podemos tomar para reduzir significativamente o risco – não apenas para nós mesmos e nossa família, mas para muitos indivíduos em nossa comunidade que são extremamente vulneráveis”.

De Oliveira disse que, como cada infecção oferece novas oportunidades para o vírus evoluir e escapar da imunidade, cientistas e autoridades de todo o mundo devem continuar monitorando.

“Este vírus nos surpreendeu muitas vezes.”

READ  A SpaceX está a caminho de quebrar recordes de lançamentos nos EUA. repetidamente