novembro 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Seca leva Portugal a limitar uso de água em grandes barragens hidroelétricas

LISBOA, 27 de setembro (Reuters) – Portugal, atingido pela seca, estendeu nesta terça-feira uma ordem anterior para limitar temporariamente o uso de água para geração de eletricidade e irrigação em várias de suas barragens hidrelétricas.

De acordo com a Agência Meteorológica Portuguesa (IPMA), 40% do território continental de Portugal vive uma seca severa devido ao calor e à pouca chuva.

“A gravidade da seca em Portugal foi muito impressionante”, disse David Boyd, relator especial da ONU para direitos humanos e meio ambiente, em entrevista coletiva em Lisboa na terça-feira, segundo a agência de notícias Luza.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Em fevereiro, o governo ordenou que cinco barragens no centro de Portugal parassem completamente a produção de eletricidade, e uma barragem na região sul do Algarve deixou de usar água para irrigação, priorizando o consumo humano.

Atualmente, 15 barragens em todo o país foram condenadas a interromper temporariamente a geração de energia.

Existem cerca de 60 barragens hidroelétricas portuguesas, que produziram 26% da eletricidade do país no ano passado, mas apenas 11% nos primeiros oito meses deste ano, segundo a Associação Portuguesa de Energias Renováveis.

O governo disse que a medida entrará em vigor em 1º de outubro e só será retirada quando a capacidade das barragens retornar ao nível mínimo ou se houver necessidade de água para garantir a segurança do abastecimento energético do país.

O armazenamento total de água nas barragens de Portugal é de 26%, disse o governo, um número que deve cair ainda mais e afetar a capacidade hidrelétrica do país no inverno.

“As dificuldades de fornecimento de gás em toda a Europa devem se intensificar no inverno”, disse o governo.

READ  Mio de Portugal foi multado

Para enfrentar a crise energética, Portugal revelou detalhes do seu plano de poupança de energia, que inclui desligar as luzes decorativas interiores mais cedo do que o habitual e temperaturas de aquecimento central ligeiramente mais baixas.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Caterina Demoni Edição de Sergio Gonçalves e Mark Potter

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.