janeiro 27, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia lança uma barragem de mísseis e Ucrânia condena ‘barbárie tola’

  • Mísseis de cruzeiro foram disparados em muitas cidades – Força Aérea Ucraniana
  • Ucrânia derruba 54 mísseis de 69
  • Três pessoas ficaram feridas nos atentados do prefeito de Kyiv
  • Lavrov diz que plano de paz com a Ucrânia é ‘ilusão’

KYIV (Reuters) – A Rússia disparou dezenas de mísseis contra a Ucrânia no início desta quinta-feira, visando Kyiv e outras cidades, incluindo Lviv, no oeste, e Odessa, no sudoeste, fazendo com que as pessoas corressem para abrigos e cortando a energia de uma das maiores usinas aéreas do país. Moscou. assaltos.

“Barbaridade sem sentido. Estas são as únicas palavras que vêm à mente quando você vê a Rússia disparar outra barragem de mísseis em pacíficas cidades ucranianas antes do Ano Novo”, escreveu o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no Twitter.

Os militares ucranianos disseram que derrubaram 54 dos 69 mísseis lançados pela Rússia. Sirenes de ataque aéreo soaram em toda a Ucrânia – por cinco horas em Kyiv.

“A derrubada de 54 mísseis salvou dezenas de vidas e protegeu partes importantes de nossa infraestrutura econômica”, disse o ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, em um tuíte. “Cada dia de sucesso militar nos aproxima de nossa vitória.”

Autoridades haviam dito anteriormente que mais de 120 foguetes foram disparados durante o ataque.

Imagens da Reuters mostraram uma equipe de equipes de emergência inspecionando os destroços de residências em Kyiv destruídas por uma explosão e fumaça de foguete no céu.

Em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, os bombeiros trabalharam para apagar um grande incêndio em uma usina elétrica. Na cidade de Zaporozhye, no centro-sul, casas foram danificadas e uma enorme cratera foi deixada por um míssil.

READ  Palácio de Buckingham diz que rainha Elizabeth não abrirá o Parlamento do Reino Unido este ano

“Acordei com tudo tremendo, desmoronando. Levantei-me e gritei: Vitya, Vitya (meu marido), cadê você?” Halina, 60, moradora da área, disse: “Corri descalça no vidro e o vidro estava caindo”.

Os militares ucranianos disseram que a Rússia lançou mísseis de cruzeiro ar-mar, mísseis guiados antiaéreos e o sistema S-300 ADMS em instalações de infraestrutura de energia nas regiões leste, centro, oeste e sul. Os ataques seguiram-se a um ataque de drones “kamikaze” durante a noite.

Ondas de ataques aéreos russos nos últimos meses visando a infraestrutura de energia deixaram milhões sem eletricidade e aquecimento em temperaturas muitas vezes geladas.

Habilidade e competência

“O inimigo colocou uma grande aposta nesta ofensiva e está se preparando para ela há duas semanas. As forças de defesa aérea da Ucrânia mostraram um nível incrível de habilidade e competência”, disse o primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, no aplicativo de mensagens Telegram.

“Ao mesmo tempo, houve feridos e danos, principalmente em instalações de energia. Em algumas áreas, desligamentos de emergência podem ser aplicados para evitar acidentes nas redes. Nossos engenheiros de energia já estão trabalhando para consertar tudo”, acrescentou.

As autoridades de Kyiv disseram que duas casas particulares no distrito de Darnitsky foram danificadas por estilhaços dos mísseis, assim como uma empresa e um playground. O prefeito de Kyiv, Vitali Klitschko, disse que 16 foguetes foram derrubados e três pessoas ficaram feridas nos ataques.

O prefeito de Lviv, Andrzej Sadovy, disse no Telegram que 90% de sua cidade perto da fronteira polonesa estava sem eletricidade. Mísseis destruíram a unidade de infraestrutura de energia.

READ  Zelensky diz que quase 400 instalações de saúde foram destruídas ou danificadas pelas forças russas

O governador da região de Odessa disse que fragmentos de um míssil atingiram um prédio residencial, embora nenhum ferido tenha sido relatado.

Moscou negou repetidamente ter alvejado civis, mas a Ucrânia diz que seu bombardeio diário está destruindo cidades, vilas, a força do país, a infraestrutura médica e outras.

Há meses, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pede aos países ocidentais mais ajuda na área de defesa aérea.

A Bielo-Rússia convocou o embaixador da Ucrânia depois de dizer que derrubou um míssil de defesa aérea ucraniano sobre seu território, informou o Ministério das Relações Exteriores da Bielorrússia. Imagens de televisão divulgadas pela agência de notícias estatal Belta, da Bielo-Rússia, mostraram o que pareciam ser destroços de mísseis em um campo.

E na Rússia, um governador regional disse que as defesas aéreas derrubaram um drone perto da base aérea de Engels, a centenas de quilômetros das linhas de frente na Ucrânia e lar de bombardeiros estratégicos de longo alcance. A Rússia diz que a Ucrânia já tentou atacar a base duas vezes este mês.

Sem negociações de paz

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, no que o presidente Vladimir Putin descreveu como uma “operação militar especial” para desarmar seu vizinho. Kyiv e seus aliados ocidentais denunciaram as ações da Rússia como grilagem de terras no estilo imperial.

Sanções abrangentes foram impostas à Rússia por causa da guerra que ceifou dezenas de milhares de vidas, deslocou milhões de suas casas, destruiu cidades e abalou a economia global, elevando os preços de energia e alimentos.

Ainda não há perspectiva de negociações para acabar com a guerra.

Zelensky está promovendo agressivamente um plano de paz de 10 pontos que prevê a Rússia respeitando a integridade territorial da Ucrânia e retirando todas as suas forças.

READ  Variante Omicron, teste Covid e notícias Booster: atualizações ao vivo

Mas Moscou rejeitou na quarta-feira, enfatizando que Kyiv deve aceitar a anexação de quatro regiões pela Rússia – Luhansk e Donetsk no leste, e Kherson e Zaporizhia no sul. Ele também diz que a Ucrânia deve aceitar a perda da península do Mar Negro da Crimeia, que a Rússia anexou em 2014.

A agência de notícias RIA citou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, dizendo que a ideia de Zelensky de expulsar a Rússia do leste da Ucrânia e da Crimeia com a ajuda do Ocidente e forçar Moscou a pagar reparações era uma “ilusão”.

Reportagens adicionais da equipe da Reuters TV em Zaporizhia e outros escritórios da Reuters escritas por Alexandra Hudson e Nick McPhee; Edição por Gareth Jones

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.