dezembro 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia diz que "sabotagem" do Nord Stream é provavelmente um ato patrocinado pelo Estado

Rússia diz que “sabotagem” do Nord Stream é provavelmente um ato patrocinado pelo Estado

MOSCOU/BRUXELAS (Reuters) – A Rússia disse nesta quinta-feira que um vazamento de gás no mar de oleodutos com destino à Alemanha parece ser resultado de “terrorismo” patrocinado pelo Estado, com uma autoridade da UE dizendo que o incidente mudou radicalmente a natureza da guerra. . O conflito na Ucrânia.

A União Europeia está investigando a causa dos vazamentos na Gazprom, que lidera (GAZP.MM) Os gasodutos Nord Stream 1 e 2 sob o Mar Báltico são suspeitos de sabotagem.

Ainda não está claro quem pode estar por trás de qualquer ataque deliberado aos oleodutos que a Rússia e seus parceiros europeus gastaram bilhões de dólares na construção.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Parece que este é um ato de terrorismo, possivelmente em nível estadual”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres.

“É muito difícil imaginar que tal ato terrorista pudesse ter ocorrido sem algum tipo de intervenção estatal”, disse Peskov. “Esta é uma situação muito séria que requer uma investigação urgente”, acrescentou.

E o canal de notícias americano CNN, citando três fontes, informou que as autoridades de segurança europeias avistaram navios e submarinos da Marinha Russa não muito longe dos locais de vazamento.

Em resposta a um pedido de comentário sobre a reportagem da CNN, Peskov disse que havia uma maior presença da Otan na região.

A Rússia também disse que os vazamentos na costa da Dinamarca e da Suécia ocorreram em uma área “sob controle total” das agências de inteligência dos EUA.

Líderes da União Europeia discutirão na próxima semana em uma cúpula em Praga o que o bloco descreveu como sabotagem de gasodutos, disse uma autoridade da UE, enquanto os fluxos de gás para o Mar Báltico continuam pelo quarto dia desde que os vazamentos foram descobertos.

READ  Air France e Airbus enfrentam famílias revoltadas em julgamento de acidente com AF447

“O ataque à infraestrutura estratégica significa que a infraestrutura estratégica de toda a UE deve ser protegida”, disse o funcionário da UE em Bruxelas.

“Isso muda fundamentalmente a natureza do conflito como vimos até agora, assim como a mobilização… e a possível anexação”, disse o funcionário da UE, referindo-se à mobilização da Rússia de mais tropas para a guerra e às expectativas do presidente Vladimir Coloque em. Incluirá as regiões ucranianas.

A guerra da Rússia com a Ucrânia e a crise de energia resultante entre Moscou e a Europa, que fez a União Européia correr para encontrar suprimentos alternativos de gás, devem dominar a cúpula da UE em 7 de outubro em Praga.

A União Europeia alertou na quarta-feira para uma “resposta forte e unida” no caso de mais ataques e enfatizou a necessidade de proteger a infraestrutura de energia, mas autoridades da UE evitaram apontar qualquer número diretamente para possíveis criminosos.

Os gasodutos Nord Stream 1 e 2 não estavam fornecendo gás para a Europa quando os vazamentos foram revelados pela primeira vez na segunda-feira, mas ainda continham gás. A Rússia interrompeu as entregas via Nord Stream 1, dizendo que as sanções ocidentais prejudicaram as operações. O Nord Stream 2 não iniciou operações comerciais.

Na próxima semana, os líderes da UE discutirão o oitavo pacote de sanções contra a Rússia proposto pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, incluindo restrições comerciais mais rígidas, mais listas negras e um teto para os preços do petróleo para terceiros países.

A autoridade europeia disse esperar que o bloco de 27 países concorde com partes do pacote de sanções antes da cúpula de Praga, como colocar indivíduos adicionais na lista negra e algumas restrições comerciais relacionadas ao aço e à tecnologia.

READ  Outro monumento da Tiananmen removido dos campi universitários de Hong Kong

Ele acrescentou que outras questões, como o teto dos preços do petróleo ou a punição dos bancos, podem não ser resolvidas antes da cúpula.

Os países da União Europeia precisam de unanimidade para impor sanções, e o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, tem sido um crítico vocal, dizendo que as sanções foram “contraproducentes”, elevando os preços da energia e desferindo um golpe nas economias europeias.

“A Hungria já fez muito para preservar a unidade europeia, mas se houver sanções energéticas no pacote, então não podemos e não vamos apoiá-las”, disse o chefe de gabinete de Orbán, Girgili Julis, em entrevista coletiva na quinta-feira.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Escrito por Alexandre Smith. Edição por Eileen Hardcastle

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.