maio 25, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia diz que Israel apoia rivalidade de neonazistas pela Ucrânia

Rússia diz que Israel apoia rivalidade de neonazistas pela Ucrânia

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, fala durante uma coletiva de imprensa após se encontrar com o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, em Moscou, Rússia, em 26 de abril de 2022. Maxim Schebenkov/Paul via Reuters/Foto de arquivo

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reuters) – O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou Israel nesta terça-feira de apoiar neonazistas na Ucrânia, aumentando ainda mais uma briga que começou quando o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou que Adolf Hitler tinha origens judaicas.

Israel criticou Lavrov na segunda-feira, dizendo que sua afirmação – feita enquanto falava sobre o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que é judeu – era uma falsidade “imperdoável” que obliterou os horrores do Holocausto. Consulte Mais informação

Líderes de vários países ocidentais condenaram os comentários de Lavrov, e Zelensky acusou a Rússia de esquecer as lições da Segunda Guerra Mundial.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Em um comunicado, o ministério russo disse que as declarações do ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, eram “hostis à história” e “explicam em grande medida por que o atual governo israelense apoia o regime neonazista em Kiev”.

Moscou reiterou a opinião de Lavrov de que as origens judaicas de Zelensky não impediram a Ucrânia de comandar os neonazistas.

“O antissemitismo não para na vida cotidiana e na política, pelo contrário, prospera (na Ucrânia)”, disse ela em comunicado.

Lavrov fez a afirmação de Hitler na televisão italiana no domingo, quando perguntado por que a Rússia disse que precisava “desacreditar” a Ucrânia se o presidente do país, Volodymyr Zelensky, era judeu.

READ  Polícia de Segurança Nacional de Hong Kong prende organizadores da vigília anual de Tiananmen

Israel expressou seu apoio à Ucrânia após a invasão russa em fevereiro. Mas temendo prejudicar as relações com a Rússia, que tem influência na vizinha Síria, a princípio ela evitou críticas diretas a Moscou e não impôs sanções oficiais à oligarquia russa.

Mas as relações ficaram tensas, com Lapid no mês passado acusando a Rússia de cometer crimes de guerra na Ucrânia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem da Reuters. Edição por Guy Faulconbridge e Raisa Kasulowski

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.