Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rússia coloca ex-redator de discursos de Putin na lista de procurados da Ucrânia |  Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Rússia coloca ex-redator de discursos de Putin na lista de procurados da Ucrânia | Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Abbas Galliamov escreveu discursos para Vladimir Putin durante o mandato do líder russo como primeiro-ministro entre 2008 e 2012.

A polícia da Rússia colocou um ex-redator de discursos do presidente Vladimir Putin na lista de suspeitos de crimes procurados por causa de seus comentários sobre a guerra na Ucrânia, o último passo na ampla repressão de Moscou à dissidência.

Abbas Galliamov escreveu cartas a Putin durante o mandato do líder russo como primeiro-ministro de 2008-2012. Galliamov, 50, mais tarde se tornou um consultor político e analista que era frequentemente citado pela mídia russa e estrangeira. Morou no exterior nos últimos anos.

Na sexta-feira, a mídia russa e internacional descobriu a inclusão de Galliamov no banco de dados do Ministério do Interior. A entrada afirmava que ele era procurado “com base em um artigo do código penal”, mas não incluía a lei que ele era acusado de violar.

No mês passado, o Ministério da Justiça da Rússia adicionou Galliamov ao seu registro de agentes estrangeiros, uma designação que traz maior escrutínio do governo e carrega fortes conotações pejorativas com a intenção de minar a credibilidade do destinatário.

Galliamov, disse o ministério, “distribuiu materiais criados por agentes estrangeiros para um círculo ilimitado de pessoas, se manifestou contra a operação militar especial na Ucrânia (e) participou como especialista e respondente em plataformas de informações fornecidas por estruturas estrangeiras”.

Galliamov havia recentemente dado uma entrevista na qual previu a possibilidade de um levante na Rússia por causa de sua guerra com a Ucrânia, e refletiu sobre seu tempo como redator de discursos de Putin, dizendo que poucos poderiam ter previsto que “a Rússia se transformará em uma espécie de estado fascista, como é agora.”

Galliamov disse à Associated Press na sexta-feira que soube que estava na lista de procurados da mídia. Nenhuma agência de aplicação da lei entrou em contato, então ele não sabe que acusação enfrenta na Rússia.

“Presumo que seja um crime desacreditar formalmente o Exército”, disse Galamov em entrevista por telefone.

“Está sendo usado contra qualquer um que se recuse a inflar a cartilha do Kremlin e tente fazer uma análise objetiva e imparcial do que está acontecendo”, disse ele.

Difamar as forças armadas da Rússia tornou-se crime na Rússia sob uma nova lei adotada depois que Moscou enviou tropas à Ucrânia em fevereiro de 2022. Os críticos do Kremlin têm sido regularmente acusados ​​de acordo com a lei.

Galliamov descreveu o movimento contra ele como parte da “estratégia de intimidação” do governo russo.

“Não está tentando chegar até mim – é impossível. É uma mensagem para o resto”, disse ele.

Como em: “Não critique, não pense que sua visão independente do que está acontecendo ficará impune”.