dezembro 2, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Rugido da Rússia soa oco aos aliados latino-americanos da Ucrânia

Rugido da Rússia soa oco aos aliados latino-americanos da Ucrânia

MIAMI – Foi um clássico jogo de poder russo com ecos dos jogos da Guerra Fria.

Pouco depois de entrar em serviço em 2019, o navio de guerra mais avançado da Rússia fez uma excursão amigável pelo Caribe, armado com mísseis de cruzeiro, sistemas de defesa aérea e outras armas.

Mas quando o almirante Gorshkov entrou no porto de Havana, foi seguido de perto por um bote salva-vidas russo – um sinal para muitos de que Moscou duvidava da confiabilidade do navio e que a visita não passava de um esforço débil para projetar seu poder.

Mais uma vez, a Rússia está empunhando sua espada em meio às crescentes tensões sobre a Ucrânia, sugerindo que a recusa dos Estados Unidos em atender às suas demandas pode estimular uma cooperação militar mais próxima com aliados na América Latina. Nos últimos dias, vários altos funcionários russos alertaram que Moscou pode enviar tropas ou recursos militares para Cuba e Venezuela se os Estados Unidos e a Otan insistirem em intervir na porta da Rússia.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, foi rápido em descartar as ameaças de retaliação russas. Na esteira do aumento maciço de suas forças na fronteira com a Ucrânia, a capacidade da Rússia de mobilizar forças no Hemisfério Ocidental, a milhares de quilômetros de distância, é limitada, na melhor das hipóteses, dizem os especialistas.

“Isso é pura desinformação e não engana ninguém”, disse Kevin Whitaker, ex-embaixador dos EUA na Colômbia que também atuou como diplomata na Venezuela e na Nicarágua e chefe do Escritório de Assuntos Cubanos em Washington. “Não é uma verdadeira projeção de poder. É uma obra-prima e nada mais do que isso.”

Mas mesmo que a conversa sobre o envio de tropas seja muitas vezes vociferante, a consolidação estratégica da Rússia na América Latina é real, representando ameaças à segurança nacional, já que gerações de formuladores de políticas americanos se referiram ao “quintal” de Washington.

Na última década, à medida que a influência dos EUA na região diminuiu, Moscou – e, em menor grau, outros inimigos distantes, como China e Irã – cimentou silenciosamente laços com governos autoritários na Nicarágua, Cuba e Venezuela por meio de uma combinação de vendas de armas. , acordos de financiamento e intenso engajamento diplomático.

READ  5 coisas para saber em 25 de janeiro: Suprema Corte, Ucrânia, Covid, Federal Reserve, Cuba

Moscou ajudou a Venezuela a projetar uma criptomoeda, abrir mão da dívida de US$ 35 bilhões de Cuba e operar um complexo antidrogas de alta tecnologia na Nicarágua que muitos acreditam ser um trampolim secreto para espionagem em toda a região.

A Rússia tem mostrado repetidamente sua disposição de tirar vantagem de seu enorme exército sempre que se sentir ameaçada pelos Estados Unidos

Em 2008, Moscou enviou um par de bombardeiros Tu-160 com capacidade nuclear para a Venezuela em meio a tensões com os Estados Unidos sobre a curta guerra entre a Rússia e a Geórgia, uma propagação que foi seguida naquele ano pela chegada do encouraçado Pedro, o Grande.

A Rússia enviou mais Tu-160s em 2018, à medida que as relações com o Ocidente se deterioraram após a Guerra Fria sobre a Ucrânia, com os militares até insinuando que estavam considerando a criação de uma base aérea na pequena ilha de La Urquilla, tão pequena que o desembarque de militares aviões lá era quase impossível.

Mesmo em países mais amigáveis ​​aos Estados Unidos, como México e Colômbia, a Rússia tem sido acusada de espionagem ou envolvimento em campanhas de desinformação para moldar eleições. Um oficial militar colombiano de alto escalão viajou recentemente a Washington para informar autoridades americanas sobre as tentativas russas de hackear as comunicações do principal comando militar do país, disse uma pessoa familiarizada com a visita à Associated Press, falando sob condição de anonimato para discutir a questão delicada.

Nas redes sociais, o braço de língua espanhola da rede de televisão estatal russa RT tem mais de 18 milhões de seguidores no Facebook, 10 vezes o número de seguidores em espanhol da Voz da América, de acordo com a Alliance for Democracy Insurance, um think tank que acompanha a ascensão do autoritarismo em todo o mundo. Ele também supera a maioria das outras mídias em espanhol na plataforma, embora ainda supere a CNN en Espanol.

Tudo isso está muito longe do auge da Guerra Fria, quando em 1962 Nikita Khrushchev colocou brevemente mísseis nucleares em Cuba, o Kremlin manteve um posto de escuta a menos de 160 quilômetros da Flórida e o governo sandinista estava lutando contra uma direita apoiada pelos EUA A insurgência de asa na Nicarágua estava construindo uma base aérea para acomodar aeronaves de combate soviéticas.

READ  Nova Delhi se prepara para medidas de emergência à medida que a poluição tóxica piora

O aeroporto de Punta Huet, na Nicarágua, está quase deserto hoje e o presidente Vladimir Putin fechou a estação de espionagem em Cuba há duas décadas. Com o colapso de seu patrono comunista no início dos anos 1990, Cuba caiu em uma depressão marcada pela fome generalizada conhecida como o “Período Especial”.

Mas o apoio limitado da Rússia a tornou amiga. Mais recentemente, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, nomeou um cônsul na Crimeia, que a Rússia anexou da Ucrânia em 2014. Isso também permitiu a Putin restaurar parte da antiga glória da Rússia em uma região que há muito se ressente da longa história de intromissão de Washington.

Como Putin agora procura afastar a OTAN do que ele chama de “próximo exterior” da Rússia na Ucrânia, é provável que ele dê pelo menos uma olhada nos Estados Unidos em sua esfera de influência, disse Evan Ellis, estudioso da Guerra dos EUA. Escola Superior. Especialista em influência russa e chinesa na América Latina.

“Tenho certeza de que Putin fará algo para mostrar dureza de forma barata, como sempre faz”, disse Ellis. “Mas ele não faria nada que lhe custasse muito dinheiro ou o colocasse em problemas mais profundos, como o uso de bombas nucleares. Ele sabe que há limites.”

O aliado mais próximo da Rússia é a Venezuela, que gastou bilhões nas últimas duas décadas de governo socialista construindo suas defesas aéreas com a ajuda da Rússia – desde aviões de combate Sukhoi e helicópteros de ataque até radares avançados e lançadores de mísseis disparados pelo ombro.

disse o general Manuel Christopher Figueira, que foi chefe de inteligência do presidente venezuelano até sua deserção para os Estados Unidos em 2019, após um golpe fracassado contra seu ex-chefe.

Não é uma relação ideológica. “É um negócio, mas dá certa proteção a Maduro”, disse Figueira, que recebeu treinamento em Cuba e na Bielorrússia, aliada de Putin.

READ  Putin muda liderança na guerra da Ucrânia enquanto autoridades de defesa alertam para se concentrar no leste

Enquanto os Estados Unidos e seus aliados tomavam medidas para isolar os governos de Cuba, Nicarágua e Venezuela – o que o ex-conselheiro de Segurança Nacional de Donald Trump, John Bolton, chamou de “tirania da tirania” – Putin tentou preencher o vazio.

Nos últimos dias, ele conversou com Maduro, Ortega e Miguel Díaz-Canel, de Cuba, para explorar maneiras de aprofundar a cooperação estratégica. Ele também enviou um avião carregado de suprimentos médicos para Cuba para ajudar a combater a pandemia de coronavírus.

Mas os líderes, enquanto expressam sua gratidão pela contínua assistência russa, até agora se mantiveram em silêncio sobre a Ucrânia – um sinal de que podem estar relutantes em se envolver em outro conflito geopolítico.

“É um legado fundamental da América Latina da Guerra Fria que eles não querem ser tratados como um peão no jogo de outra pessoa”, disse Whitaker, ex-embaixador na Colômbia. “O que a Rússia está fazendo mostra um enorme desrespeito pela soberania dos governos com os quais deveria estar aliada.”

É algo que até os leais a Putin estão começando a admitir.

“Cuba e Venezuela são dois países próximos de nós, são nossos parceiros”, disse Dmitry Medvedev, vice-chefe do Conselho de Segurança da Rússia, em entrevista à mídia russa.

“Mas não podemos publicar coisas lá”, acrescentou Medvedev, que serviu como presidente russo em 2008-2012, quando Putin foi forçado a se mudar para o cargo de primeiro-ministro devido a restrições de tempo. “Não se pode falar em estabelecer uma base lá como havia durante a era soviética.”

Os escritores da Associated Press Vladimir Isachenkov em Moscou, Andrea Rodriguez em Havana e Frank Bajak em Boston contribuíram para este relatório.

Siga Goodman: APJoshGoodman

——

Slogan: Esta história foi publicada pela primeira vez em 27 de janeiro de 2022. Foi atualizada em 29 de janeiro de 2022 para corrigir o valor da dívida de Cuba cedida por Moscou. São US$ 35 bilhões, não US$ 35 milhões.