Julho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Riscos vasculares associados à saúde cerebral e ao declínio cognitivo

Riscos vasculares associados à saúde cerebral e ao declínio cognitivo

resumo: Um novo estudo revela que a plasticidade topológica cerebral (BTR) está negativamente associada à idade e aos fatores de risco vascular, enquanto positivamente associada à função cognitiva. Os pesquisadores analisaram dados de dois grupos multiétnicos e descobriram que a baixa frequência cardíaca estava associada ao declínio cognitivo. Este estudo sugere que o BTR é um marcador importante para avaliar a saúde do cérebro afetada pelo risco vascular e pela aterosclerose.

Principais fatos:

  1. A baixa frequência cardíaca (BTR) está associada à idade e a fatores de risco vasculares mais elevados.
  2. Um BTR mais alto está associado a uma melhor função cognitiva.
  3. A BTR serve como um potencial biomarcador da saúde cerebral e do declínio cognitivo.

fonte: Imprensa Científica Chinesa

A investigação atual sugere que o comprometimento cognitivo na idade avançada é o resultado de uma série de eventos ao longo da vida, com os fatores de risco vasculares desempenhando um papel crítico neste processo. É importante desenvolver biomarcadores que possam detectar o impacto precoce dos fatores de risco vasculares no cérebro.

A conectividade cerebral oferece medidas baseadas numa perspectiva integrativa para medir e analisar alterações cerebrais, fornecendo assim potenciais biomarcadores. Contudo, actualmente, não há análise de uma base de dados multiétnica e em grande escala nesta área.

Em resumo, este estudo integrou métodos de neuroimagem e ciência de redes para propor uma medida de plasticidade topológica cerebral (BTR) que reflete a robustez cerebral. Crédito: Notícias de Neurociências

Este estudo investigou a relação entre plasticidade topológica cerebral (BTR), envelhecimento, fatores de risco vasculares, aterosclerose e cognição em adultos de meia-idade e idosos.

Duas coortes independentes, multiétnicas e baseadas na comunidade foram utilizadas neste estudo: o banco de dados Polyvascular Evaluation of Cognitive Impairment and Vascular Events (PRECISE) e o banco de dados MAS.

Redes estruturais cerebrais foram geradas com base no modelo Brainetoma e dados de imagem ponderada por difusão (DWI). Uma combinação de decomposição k-shell e centralidade de grau de nó foi usada para determinar a classificação dos nós de ataque direcionados.

Os valores de BTR obtidos foram então analisados ​​para determinar associações com idade, fatores de risco vascular (FVR), rigidez arterial (EA) e cognição. A modelagem de equações estruturais (MEE) foi utilizada para avaliar as relações direcionais entre essas variáveis.

No grupo PRECISE, o BTR mostrou uma relação negativa com a idade (R = -0,342, P ) e uma correlação positiva com a cognição (medida pelas pontuações do MoCA, r = 0,174, q = 2,22×10-16). Este achado também foi validado no grupo MAS, onde foi negativamente associado à idade (r = -0,173, p = 0,003) e está positivamente associado aos escores de cognição global (r = 0,258, q = 2,74×10-5) e MSE (r = 0,185, p = 0,003).

Correlações significativas e negativas foram encontradas entre BTR e VRF ponderado (r = -0,109, q = 2,51×10-7) e pontuações AS (r = -0,131, q = 6,25×10-10) no grupo de modelos PRECISE. No grupo MAS, houve uma correlação negativa entre os escores BTR e os escores ponderados do VRF (r = -0,187, p = 0,004).

Os resultados da análise SEM mostraram que o efeito controlador do tamanho e das trajetórias de idade (padronizado Β = -0,255corrigido por Franklin Roosevelt P), VRF ponderado (uniforme Β = -0,050corrigido por Franklin Roosevelt P = 0,031) e AS ponderado (uniforme Β=-0,047corrigido por Franklin Roosevelt P = 0,042) para o BTR foi estatisticamente significativo. O caminho da pontuação BTR para a pontuação MoCA também foi significativo (padrão Β = 0,051corrigido por Franklin Roosevelt P = 0,039).

Em resumo, este estudo integrou métodos de neuroimagem e ciência de redes para propor uma medida de plasticidade topológica cerebral (BTR) que reflete a robustez cerebral.

Além disso, este estudo investigou se variáveis ​​como envelhecimento, fatores de risco vasculares e aterosclerose levam ao declínio cognitivo ao afetar o BTR. SEM apoiou os caminhos pelos quais o BTR medeia o efeito do envelhecimento e da rigidez arterial na cognição, mesmo após controlar os efeitos do volume cerebral. Este estudo sugeriu que a BTR é um marcador importante que reflete a influência dos fatores de risco na cognição.

Os resultados indicaram que combinando factores de risco vasculares, rigidez arterial e função cognitiva, esta medida multidisciplinar oferece uma medida valiosa e prática para avaliar e melhorar a saúde do cérebro.

Sobre notícias de pesquisas sobre saúde cognitiva e cerebral

autor: Bai Yan
fonte: Imprensa Científica Chinesa
comunicação: Bai Yan – Imprensa Científica Chinesa
foto: Imagem creditada ao Neuroscience News

Pesquisa original: Acesso livre.
Explorando a relação entre a plasticidade topológica do cérebro e o desempenho cognitivo no contexto do envelhecimento e dos fatores de risco vascular: um estudo interétnico de base populacional“Por Tao Liu et al. Boletim Científico


um resumo

Explorando a relação entre a plasticidade topológica do cérebro e o desempenho cognitivo no contexto do envelhecimento e dos fatores de risco vascular: um estudo interétnico de base populacional

O envelhecimento cerebral está normalmente associado a um declínio significativo no desempenho cognitivo. Fatores de risco vasculares (FRV) e subsequente aterosclerose (EA) desempenham um papel importante neste processo.

A plasticidade cerebral reflete a capacidade do cérebro de resistir a distúrbios externos, mas a relação entre a plasticidade cerebral e a cognição durante o processo de envelhecimento ainda não é clara.

Aqui, investigamos como a plasticidade topológica cerebral (BTR) se relaciona com o desempenho cognitivo diante do envelhecimento e dos fatores de risco vascular.

Utilizamos dados de duas coortes multiétnicas baseadas na comunidade, a Avaliação Polivascular de Imparidade Cognitiva e Eventos Vasculares (PRECISE, n = 2220) e o Estudo de Memória e Envelhecimento de Sydney (MAS, n = 246).

Realizamos simulações do ataque às redes estruturais do cérebro com base em K-Decomposição do shell e grau de centralidade do nó.

O BTR foi definido com base nas mudanças no tamanho do maior subconjunto da rede durante o processo de simulação. A seguir, exploramos as associações negativas do BTR com idade, VRF e AS, e sua associação positiva com o desempenho cognitivo.

Além disso, utilizando modelagem de equações estruturais (SEM), construímos modelos de caminhos para analisar dependências direcionais entre essas variáveis, demonstrando que o envelhecimento, AS e VRF afetam a cognição via inativação de BTR. Nossos resultados também indicaram a especificidade desta medida, independentemente do tamanho do cérebro.

No geral, estes resultados sublinham o papel de suporte da BTR na cognição durante o envelhecimento e destacam a sua aplicação potencial como marcador de imagem para avaliação objetiva do desempenho cognitivo do cérebro.