setembro 28, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Risco de infecção BA.5 entre pessoas expostas a variantes anteriores de SARS-CoV-2

Para o editor:

Nos últimos meses, o omicron (B.1.1.529) tornou-se a variante dominante do coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), mostrando algum grau de evasão imune.1 As subvariantes primárias do ômícron, BA.1 e BA.2, estão sendo gradualmente substituídas por BA.5 em muitos países, possivelmente devido ao aumento da transmissibilidade e evasão imune parcial causada por BA.1 e BA.2.2,3 A proteção fornecida por BA.1 contra a infecção pela subvariável BA.5 é crítica porque as vacinas adaptadas em ensaios clínicos são baseadas em BA.1.

Portugal foi um dos primeiros países afetados pelo domínio BA.5. Usamos o Registro Nacional de Doença de Coronavírus 2019 (Covid-19) (SINAVE) para calcular o risco de infecção BA.5 entre indivíduos com infecção documentada com variantes anteriores, incluindo BA.1 e BA.2. O registro inclui todos os casos notificados no país, independentemente da apresentação clínica.

Efeito protetor da infecção anterior por SARS-CoV-2 na infecção com a variante Omicron BA.5.

Conforme mostrado no painel (a), identificamos os períodos (em cores diferentes) em que uma única variante foi representada em mais de 90% dos isolados da amostra (dados do coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave nacional). [SARS-CoV-2] controle da diversidade genética4). Os períodos em cinza representam os momentos em que mais de uma variável estava em circulação. Dada a transição relativamente lenta entre a dominância da variante omicron BA.1 e a dominância da variante omicron BA.2, reunimos BA.1 e BA.2 na análise. Não incluímos nenhum sujeito infectado nos 90 dias anteriores à dominância do subfator omicron BA.5. O Painel B mostra a eficácia da proteção contra infecção durante o período de controle BA.5 (a partir de 1º de junho de 2022) entre indivíduos com uma única infecção nos períodos de dominância das diferentes variantes, conforme mostrado no Painel A, em comparação com indivíduos sem infecção a partir de 1º de junho. Pessoas com infecção antes de 1º de junho não foram incluídas no estudo. 𝙸 As barras representam intervalos de confiança de 95%.

READ  Telescópio James Webb da NASA provoca outra visão de uma estrela atraente

A vigilância genética nacional para SARS-CoV-2 identificou períodos em que diferentes variantes representam mais de 90% dos isolados.4 Identificamos todos os indivíduos que tiveram sua primeira infecção nos períodos de controle para cada variável, para calcular seu risco de infecção durante o período de controle BA.5 (Figura 1a). Agrupamos BA.1 e BA.2 devido à transição lenta entre as duas subvariáveis ​​na população. Finalmente, calculamos o risco de BA.5 para uma população que não tinha infecção documentada antes da dominância de BA.5 (1 de junho de 2022).

Descobrimos que a infecção anterior por SARS-CoV-2 teve um efeito protetor contra a infecção por BA.5 (Figura 1b e Tabela S1 no Apêndice Suplementar, disponível com o texto completo desta carta em NEJM.org), e essa proteção foi máxima para infecção anterior com BA.1 ou BA.2. Estes dados devem ser considerados no contexto da infecção por penetrância numa população altamente vacinada, uma vez que mais de 98% da população estudada em Portugal completou a série primária de vacinação antes de 2022.

O desenho do estudo não pode eliminar todos os fatores de confusão (consulte a seção de discussão no Apêndice Suplementar). Além disso, uma limitação é o efeito putativo da diminuição da imunidade em uma população com imunidade heterozigótica (infecção prévia e vacinação). Descobrimos que a infecção BA.1 ou BA.2 em indivíduos vacinados forneceu maior proteção contra BA.5 do que a infecção com variantes pré-micron, consistente com um relatório recente de um desenho de teste negativo.5 No entanto, as infecções BA.1 ou BA.2 ocorreram mais perto do período de dominância de BA.5 do que infecções com variantes anteriores. Há uma percepção de que a proteção oferecida pela infecção prévia com BA.1 ou BA.2 é muito baixa, dado o grande número de infecções com BA.5 entre pessoas previamente infectadas com o vírus BA.1 ou BA.2. Nossos dados sugerem que essa percepção é provavelmente o resultado de um grupo maior de indivíduos com infecção BA.1 ou BA.2 em comparação com a infecção por outras subvariáveis, e não é suportado pelos dados.

READ  A variante Omicron pode ter contraído um fragmento do vírus do resfriado comum

No geral, descobrimos que infecções penetrantes com a variante BA.5 eram menos prováveis ​​entre pessoas com histórico anterior de SARS-CoV-2 em uma população altamente vacinada, especialmente para infecções anteriores BA.1 ou BA.2, do que entre indivíduos não infectados . . .

João Malato, MA.
Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, Lisboa, Portugal

Roy M. Ribeiro, Phil D.
Laboratório Nacional de Los Alamos, Los Alamos, Novo México

Pedro P. Leite, MD
Pedro Casaca, MD
Eugenia Fernandez, Ph.D.
Direção Geral da Saúde, Lisboa, Portugal

Carlos Antunes, Ph.D.
Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal

Válter R. Fonseca, MD, Ph.D.
Direção Geral da Saúde, Lisboa, Portugal

Manuel C. Gomez, Ph.D.
Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal

Luis Graça, MD, Phil D.
Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes, Lisboa, Portugal
[email protected]

Com o apoio da União Europeia Horizonte 2020 Programa de Pesquisa e Inovação (número do projeto ERA, 952377-iSTARS) e por Fundação para a Ciência e a Tecnologia através de 081_596653860 e PTDC/MAT-APL/31602/2017 e via Instituto Nacional de Saúde Concessão R01-AI116868.

Os formulários de divulgação fornecidos pelos autores estão disponíveis com o texto completo desta carta em NEJM.org.

Esta mensagem foi postada em 31 de agosto de 2022, em NEJM.org.

Dr.. Gomez e Graça contribuíram igualmente para esta mensagem.

  1. 1. cho bE a Varoni JE a Evans JB, e outros. Neutralização das subvariantes de omícrons SARS-CoV-2 BA.4/5 e BA.2.12.1. Em Angel J Med 2022; 386:25262528.

  2. 2. eiE a Mineiro AE a ROM, e outros. Neutralização das variantes de omícrons do SARS-CoV-2 BA.1 e BA.2. Em Angel J Med 2022; 386:15791580.

  3. 3. Cao WeiE a YisimaiE a Jian F, e outros. Anticorpos causados ​​por infecção omicron BA.2.12.1, BA.4 e BA.5. temperar a natureza 2022; 608:593602.

  4. 4. Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2 (COVID-19) em Portugal. (em português) 2022 (https://insaflu.insa.pt/covid19).

  5. 5. Tarawneh hE a Kimiteli HE a Ayoub Smou, e outros. Proteção contra infecção natural por SARS-CoV-2 contra reinfecção com subvariantes omicron BA.4 ou BA.5. Julho 12E a 2022 (https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2022.07.11.22277448v1). pré-impressão.

READ  "Time Dilation" - Nossa percepção do tempo diminuiu