agosto 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Putin promete mísseis com capacidade nuclear da Bielorrússia para enfrentar o Ocidente 'agressivo'

Putin promete mísseis com capacidade nuclear da Bielorrússia para enfrentar o Ocidente ‘agressivo’

  • Este conteúdo foi produzido na Rússia, onde a lei restringe a cobertura de operações militares russas na Ucrânia

MOSCOU (Reuters) – O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse a seu colega bielorrusso neste sábado que Moscou fornecerá a Minsk sistemas de mísseis capazes de transportar armas nucleares, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Em uma reunião com Putin em São Petersburgo, o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko expressou preocupação com as políticas “agressivas”, “confrontativas” e “odiosas” de seus vizinhos Lituânia e Polônia.

Ele pediu a Putin que ajudasse a Bielorrússia em uma “resposta simétrica” ​​ao que descreveu como voos com armas nucleares da OTAN liderada pelos EUA perto da fronteira com a Bielorrússia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Putin disse que não vê a necessidade de uma resposta simétrica no momento, mas que os Su-25 russos fabricados na Bielorrússia podem, se necessário, ser atualizados nas fábricas russas.

“Vamos transferir para a Bielorrússia os sistemas de mísseis táticos Iskander-M, que podem usar mísseis balísticos e de cruzeiro, tanto nas versões convencionais quanto nucleares”, disse um resumo do Departamento de Estado citando a reunião.

O Iskander-M, um sistema móvel de mísseis guiados pela OTAN apelidado de “SS-26 Stone”, substituiu o sistema soviético Scud. Seus mísseis guiados duplos têm um alcance de 500 quilômetros (300 milhas) e podem transportar ogivas convencionais ou nucleares.

Partes do encontro entre os dois homens foram transmitidas pela televisão.

“Minsk deve estar pronto para qualquer coisa, até mesmo o uso de armas sérias para defender nossa pátria de Brest a Vladivostok”, disse Lukashenko, colocando a Bielorrússia e sua aliada Rússia sob o mesmo guarda-chuva.

READ  Onda de calor: países da Europa Ocidental murcham no início do verão, aumentando os temores das mudanças climáticas

Em particular, ele solicitou assistência para tornar as aeronaves militares da Bielorrússia capazes de transportar armas nucleares.

As tensões entre a Rússia e o Ocidente aumentaram desde que Moscou enviou tropas para a Ucrânia há quatro meses, alegando, entre outras coisas, que a Otan pretende aceitar a Ucrânia e usá-la como plataforma para ameaçar a Rússia.

O movimento da Rússia não apenas desencadeou uma enxurrada de sanções ocidentais, mas também levou a Suécia e a vizinha Finlândia ao norte da Rússia a avançar para se juntar à aliança ocidental.

Na semana passada, a Lituânia, em particular, enfureceu a Rússia ao bloquear o trânsito de mercadorias sujeitas a sanções europeias através do seu território da Rússia, através da Bielorrússia, para a região báltica russa de Kaliningrado.

A Rússia chamou isso de “bloqueio”, mas a Lituânia diz que afeta apenas 1% do trânsito normal de carga na estrada e que o tráfego de passageiros não foi afetado.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem da Reuters. Edição por Sandra Mahler

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.