Junho 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Putin assina projeto de lei que permite notificações eletrônicas de recrutamento

Putin assina projeto de lei que permite notificações eletrônicas de recrutamento

O presidente russo, Putin, assinou um projeto de lei que permite que as autoridades emitam notificações eletrônicas para recrutas e reservistas em meio aos combates na Ucrânia, provocando temores de uma nova onda de mobilização.

O presidente russo, Putin, sancionou na sexta-feira uma lei que permite que as autoridades emitam notificações eletrônicas para recrutas e reservistas em meio aos combates na Ucrânia, aumentando os temores de uma nova onda de mobilização.

As regras do serviço militar da Rússia anteriormente exigiam que os avisos fossem entregues pessoalmente aos conscritos e reservistas convocados para o serviço. Pela nova lei, as notificações dos cartórios militares locais continuarão a ser enviadas por correio, mas serão consideradas válidas a partir do momento em que forem colocadas no portal estadual de serviços eletrônicos.

No passado, muitos russos evitavam a convocação mudando-se de seus endereços registrados. A nova lei preenche essa brecha em um esforço aparente para criar uma ferramenta para reforçar rapidamente os militares antes de um contra-ataque ucraniano amplamente esperado nas próximas semanas.

Os destinatários que não comparecerem ao serviço serão proibidos de deixar a Rússia, terão suas carteiras de motorista suspensas e serão proibidos de vender seus apartamentos e outros bens.

O projeto de lei que Putin sancionou foi publicado no Registro Oficial de Documentos do Governo.

Críticos e ativistas de direitos humanos no Kremlin denunciaram a legislação como um passo em direção a um “campo de concentração digital” que concede poderes sem precedentes aos escritórios de alistamento militar.

Lyudmila Narusova, viúva do ex-prefeito de São Petersburgo, Anatoly Sobchak, foi o único membro da Câmara dos Representantes a se manifestar contra a medida quando o Conselho da Federação, a câmara alta do parlamento, considerou o projeto na quarta-feira.

Narusova, cujo falecido marido foi o mentor de Putin, acusou o projeto de lei de contradizer a constituição do país e várias leis, e se opôs veementemente à sua aprovação apressada.

A rápida promulgação da lei levantou temores de que o governo pudesse iniciar outra onda de mobilização após a ordenada por Putin no outono.

As autoridades russas negam o planejamento de outra mobilização. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse esta semana que a medida era necessária para agilizar o sistema de recall desatualizado à luz das falhas expostas pela mobilização parcial no outono passado.

“Havia muito caos nos escritórios de alistamento militar”, disse ele. “O objetivo do projeto de lei é remover esse caos e tornar o sistema moderno, eficiente e amigável ao cidadão.”

Putin anunciou a convocação de 300.000 reservistas em setembro, depois que uma contra-ofensiva ucraniana empurrou as forças russas para fora de grandes áreas no leste.

A ordem de mobilização provocou um êxodo de homens russos, chegando a centenas de milhares.

Observadores dizem que a nova lei parece dar às autoridades um mecanismo para aumentar rapidamente as fileiras em preparação para uma nova ofensiva ucraniana.

“Uma possível razão é que eles veem os ucranianos preparando um ataque”, disse Abbas Galliamov, ex-redator de discursos de Putin que se tornou crítico do Kremlin e deixou a Rússia.

As autoridades russas classificaram Galliamov como um “agente estrangeiro”, uma designação que atrai maior escrutínio do governo e carrega fortes conotações pejorativas destinadas a minar a credibilidade do destinatário. Ele também foi colocado na lista de suspeitos de crimes procurados.

Galamov disse que a lei pode atiçar o descontentamento latente, mas dificilmente provocará protestos.

“Por um lado, há um crescente descontentamento e relutância em lutar, mas, por outro lado, há medo de uma escalada da repressão”, disse ele. “As pessoas são colocadas diante de uma escolha difícil entre ir para a batalha e morrer, ou cair na prisão se protestarem.”