fevereiro 4, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Protestos eclodiram em toda a China em um desafio sem precedentes à política de Covid-zero de Xi Jinping

Protestos eclodiram em toda a China em um desafio sem precedentes à política de Covid-zero de Xi Jinping


Pequim
CNN

Protestos eclodiram em todo Chinainclusive em universidades e em Xangai, onde centenas gritaram “Recue, Xi Jinping! Rejeite, Partido Comunista!”

Um incêndio mortal em um prédio de apartamentos na região de Xinjiang, no extremo oeste do país, que matou 10 pessoas e feriu outras nove na quinta-feira, parecia estar alimentando a raiva, já que o vídeo parecia sugerir que as medidas de bloqueio atrasaram os bombeiros de chegar às vítimas.

Protestos eclodiram em cidades e universidades em toda a China no sábado e no início da manhã de domingo, de acordo com vídeos nas redes sociais e depoimentos de testemunhas.

Vídeos que circulam amplamente nas redes sociais chinesas mostram centenas de pessoas no centro de Xangai acendendo velas no sábado para lamentar os mortos no incêndio de Xinjiang.

Mais tarde, a multidão ergueu papéis brancos em branco – no que é tradicionalmente considerado um protesto simbólico contra a censura – e gritou: “Preciso de direitos humanos, preciso de liberdade”.

Em vários vídeos vistos pela CNN, as pessoas podem ser ouvidas cantando, pedindo que o líder da China, Xi Jinping, e o Partido Comunista “renunciem”. Enquanto a multidão gritava “Você não quer um teste de Covid, você quer liberdade!” e “Você não quer ditadura, você quer democracia!”

Alguns dos vídeos mostram pessoas cantando o hino nacional da China e a Internacional, um padrão do movimento socialista, enquanto seguram faixas protestando contra as medidas excepcionalmente rígidas de Pequim contra a pandemia.

Um segurança tenta cobrir uma faixa de protesto contra o Zero Covid no campus da Universidade de Pequim, em Pequim.

Protestos também eclodiram na capital, Pequim. Um estudante da prestigiada Universidade de Pequim disse à CNN que, quando chegou ao local do protesto por volta da 1h de domingo, horário local, havia cerca de 100 estudantes lá e os seguranças usavam coletes para cobrir um slogan de protesto pintado na parede.

READ  Exército brasileiro não encontra evidências de fraude eleitoral, frustra esperanças de apoiadores de Bolsonaro | Brasil

“Diga não ao confinamento, sim à liberdade. Não aos testes de Covid, sim à comida”, dizia a mensagem rabiscada em tinta vermelha, ecoando o slogan do protesto que ocorreu na ponte de Pequim em outubro, poucos dias antes de uma importante manifestação comunista. Reunião do partido na qual Xi garantiu um terceiro mandato.

O slogan de protesto da Universidade de Pequim dizia: “Abra os olhos e olhe para o mundo, a dinâmica de zero Covid é uma mentira”.

O aluno disse que os seguranças posteriormente cobriram o logotipo com tinta preta.

Os alunos depois se reúnem para cantar The Internationale antes de serem separados pelos professores e seguranças.

Estudantes da China Communication University, Nanjing, se reuniram para uma vigília na noite de sábado para lamentar as vítimas do incêndio de Xinjiang.

Na província oriental de Jiangsu, dezenas de estudantes da China Communications University em Nanjing se reuniram para lamentar aqueles que morreram no incêndio de Xinjiang. Os vídeos mostram os alunos segurando folhas de papel brancas e lanternas de celular.

Em um vídeo, um funcionário da universidade é ouvido alertando os alunos: “Vocês vão pagar pelo que fizeram hoje”.

Um dos alunos gritou em resposta: “Você também, e o país também.”